quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

GUAPEVA (Lucuma laurifolia) para combater as disenterias

GUAPEVA (Lucuma laurifolia) para combater as disenterias

547 GUAPEVA (Lucuma laurifolia)
Família: Sapotáceas.
Sinonímia: Guapeba, guapebeira, uacá.
Característica: Árvore.
Habitat: Vegeta nos Estados de S. Paulo, Minas, Rio, etc.
Valor terapêutico: A casca, em decocção, é empregada para combater as disenterias.



quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

GUAPEVA (Fevillea trilobata) contra mordeduras de cobras

GUAPEVA (Fevillea trilobata) contra mordeduras de cobras

546 GUAPEVA (Fevillea trilobata)
Família: Cucurbitáceas.
Sinonímia: A planta conhecida pelo nome de guapeva em São Paulo, chama-se também: nhandiroba (Bahia), fava-de-santo-inácio-fal-sa (Minas), jabotá ou cipó-jabotá (Pará), jendiroba, guapeba, pacapiá.
Características: Cipó grande, trepador.
Folhas cordiformes, com 3 a 5 lóbulos granulosos.
Flores pequenas.
Fruto esférico, trilocular, de 11 a 12 cm de diâmetro, marcado com uma cicatriz circular mediana, encerrando 4 a 8 sementes em forma de disco achatado, de 5 a 6 cm de diâmetro. É uma amêndoa oleaginosa, dando um sebo branco-amarelado, amargo, de cheiro desagradável.
Atenção: Não se deve confundir esta planta com outra fava-de-santo-inácio, a Strichnos amara.
Habitat: Nas várzeas dos estuários.
Valor terapêutico: As sementes, levemente torradas, são empregadas contra a inflamação do fígado e a icterícia.
Come-se uma amêndoa de cada vez, até três por dia. São estomáquicas, purgativas, tônicas, porém tóxicas em alta dose.
O azeite que se obtém das sementes é purgativo.
Emprega-se também, em fricções, contra o reumatismo, as impigens, a erisipela.
Das folhas obtém-se um suco que se usa contra mordeduras de cobras, e que, além disso, é excelente carrapaticida.
Partes usadas: Folhas e sementes.



terça-feira, 29 de dezembro de 2015

GUANDU-DE-DUAS-CORES (Cajanus bicolor) para pulverizar úlceras.

GUANDU-DE-DUAS-CORES (Cajanus bicolor) para pulverizar úlceras.

545 GUANDU-DE-DUAS-CORES (Cajanus bicolor)
Família: Leguminosas-papilionáceas.
Sinonímia: Guando, andu, ervilha-de-angola, ervilha-de-sete-anos,
ervilha-do-congo, feijão-andu, feijão-de-árvore, feijão-guandu, guan-deiro.
Características: Arbusto. Cálice listrado de púrpura.
Estandarte (pétala superior, granjde, levantada) interiormente vermelho-sangüíneo e exteriormente amarelo-dourado.
Favas arroxeadas.
Valor terapêutico: As folhas, trituradas, têm aplicação nas hemorragias;
e, em decocção, nas feridas.
As flores são apregoadas por suas virtudes peitorais.
A cinza da parte lenhosa é usada para pulverizar úlceras.



segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

GUANDU contra as afecções das vias respiratórias.

GUANDU contra as afecções das vias respiratórias.

544 GUANDU (Cajanus indicus, Cajanus flavus)
Família: Legum i nosas-papi I ionáceas.
Sinonímia: Guando, guandeiro, cuandu, coandu, feijão-guandu, feijão-andu, feijão-de-árvore, ervilha-do-congo, ervilha-de-angola, ervi-Iha-de-sete-anos, ervilha-de-comércio.
Outros idiomas: Ambrevade (Madagáscar), Pigeon-pea (Inglaterra).
Características: Arbusto.
Folhas trifoliadas, pubescentes, elípticas, verde-acinzentadas.
Flores amarelas, em cachos.
Fruto: vagem roliça.
As ervilhas são comestíveis.
Valor terapêutico: O decocto das folhas, que são adstringentes, é usado, em bochechos e gargarejos, para combater as dores de dente, as gengivas frouxas e as anginas.
Em lavagens, emprega-se para curar as chagas.
O infuso das folhas (20:1000) é muito útil às pessoas que sofrem de sífilis.
As pontas dos ramos, machucadas, têm aplicação contra as hemorragias.
As flores do guandu têm utilidade contra as afecções das vias respiratórias.




domingo, 27 de dezembro de 2015

GUAJURU (Chrysobalanus icaco)

GUAJURU (Chrysobalanus icaco)

543 GUAJURU (Chrysobalanus icaco)
Família: Rosáceas.
Sinonímia: Guajeru, guajiru, gajuru, gajeru, gajiru, ajuru, uajuru.
Outro idioma: Prune-coton, Prune de 1'anse (Guiana Francesa).
Características: Arbusto ou árvore pequena.
Fruto: pequena amêndoa oleaginosa.
Habitat: Nas praias.
Valor terapêutico: Empregam-se as folhas, as flores e a casca como adstringentes.




sábado, 26 de dezembro de 2015

GUAJABARA (Coccoloba uvifera) propriedades antifebris.

GUAJABARA (Coccoloba uvifera) propriedades antifebris.

542 GUAJABARA (Coccoloba uvifera)
Família: Poligonáceas.
Sinonímia: Baga-da-praia, uva-brava, uva-do-mato, uva-silvestre, tangará-guaçu (há outra poligonácea com este nome).
Outros idiomas: Bois à baguettes (França), Arbol dei quino (Anti-Ihas), Uva dei mar (Cuba), Papatorro (El Salvador).
Características: Árvore pequena.
Caule e ramos tortuosos.
Casca áspera e fendida.
Folhas grandes, ovais, coriáceas.
Valor terapêutico: A raiz, adstringente, é aconselhada nas diarréias, disenterias, leucorréias, metrorragias e afecções da garganta.
O fruto encerra propriedades antifebris.




sexta-feira, 25 de dezembro de 2015

GUAIMBÉ (Caladium pendulinum, Caladium lacerum) no tratamento da hidropisia.

GUAIMBÉ (Caladium pendulinum, Caladium lacerum) no tratamento da hidropisia.

541 GUAIMBÉ (Caladium pendulinum, Caladium lacerum)
Família: Aráceas.
Características: Cipó. Há também outras espécies de Guaimbé. Valor terapêutico: As folhas, em banhos, dão bons resultados nas afecções reumáticas.
A raiz, em doses pequenas, é útil no tratamento da hidropisia.



quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

GUAIACO (Guaiacum officinale)

GUAIACO (Guaiacum officinale)

540 GUAIACO (Guaiacum officinale)
Família: Zigofilãceas.
Sinonímia: Pau-santo, gáiaco.
Características: Árvore alta.
Ramos cinzentos e rugosos.
Folhas paripenadas, compostas de dois ou três pares de folíolos opostos, sés-seis, ovais, obtusos.
Flores azuis, em número de seis a dez na axila das folhas superiores.
Fruto capsular.
Valor terapêutico: Tem efeito depurativo, diaforético e diurético.
Emprega-se contra afecções da pele, amenorréia, asma, bronquite, catarros crônicos, escrofulose, gota, gripe, resfriados, reumatismo, sífilis. A respeito do guaiaco, o Dr. Leo Manfred se exprime assim: "A resina dessa árvore encerra propriedades para curar a sífilis crônica, a saber, as complicações sifilíticas do terceiro período, como sejam: tabes, dilatações da aorta de origem sifilítica, etc.
"É muito bom remédio também no reumatismo e na gota, e, bem assim, para baixar a pressão sangüínea na arteriosclerose...
"Para reforçar a ação deste remédio, muitos enfermos adicionam às raspas de guaiaco um pouco de salsaparrilha, que também se usa contra a sífilis, e, bem assim, sassafrás e quina."
Partes usadas: Talos e casca, por decocção.
Dose: 20 gramas para 1 litro de água; 4 a 5 xícaras por dia.




quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

GUACO (Mikania guaco, Mikania amara) diurético poderoso.

GUACO (Mikania guaco, Mikania amara) diurético poderoso.

538 GUACO (Mikania guaco, Mikania amara)
Família: Compostás.
Sinonímia: Uaco, erva-de-cobra, cipó-catinga (Norte), cipó-sucuriju.
Características: Planta trepadeira.
Caule delgado e cilíndrico.
Folhas opostas, simples, ovais, acuminadas.
Inflorescência em pequenos capítulos longipedunculados.
Flores brancas.
Os ramos e folhas frescas são assaz aromáticos.
Valor terapêutico: Emprega-se, toda a planta, em infusão, nos casos de albuminúria, febres, paludismo, gota, reumatismo, sífilis.
Os sertanejos empregam esta planta contra picadas de cobras e de insetos venenosos, usando uma folha para uma xícara de água.
Da seiva desta planta prepara-se um xarope emoliente, de bom efeito contra a bronquite, a coqueluche e as tosses rebeldes.
O guáco é um diurético poderoso.
Parte usada: Toda a planta.
Dose: 10 gramas para 1 litro de água; uma xícara por dia, aos goles.



GUACO CHEIROSO (Mikania Velloziana)

539 GUACO CHEIROSO (Mikania Velloziana)
Família: Compostas.
Características: Planta herbácea, trepadeira.
Habitat: Rio de Janeiro e outros Estados.
Valor terapêutico: Tem emprego como sudorífico, peitoral e antis-sifilítico,
tanto em decocção como em xarope.



terça-feira, 22 de dezembro de 2015

GUABIROBA-DO PARÁ contra as diarréias e o catarro da bexiga.

GUABIROBA-DO PARÁ contra as diarréias e o catarro da bexiga.

537 GUABIROBA-DO PARÁ (Eugenia variabilis)
Família: Mirtáceas.
Sinonímia: Guabiroba, guabirova, guavirova, gabiroba, gabirova, gavirova.
Características: Arbusto.
Fruto comestível.
Valer terapêutico: A casca e as folhas, que são adstringentes,
têm indicação contra as diarréias e o catarro da bexiga.



segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

GUABIROBA contra a diarréia

GUABIROBA contra a diarréia

536 GUABIROBA (Myrtus mucronatus)
Família: Mirtáceas.
Característica: Arbusto.
Habitat: Estados do Sul.
Valor terapêutico: Emprega-se, em clisteres, contra a diarréia mucosa, o catarro da bexiga, e a leucorréia.



domingo, 20 de dezembro de 2015

GUABIRABA para combater o reumatismo.

GUABIRABA para combater o reumatismo.

535 GUABIRABA (Cordia rotundifolia, Cordia lutea, Pavonia lutea)
Família: Borragináceas.
Características: Arbusto.
Fruto saboroso.
Habitat: Estados do Nordeste.
Valor terapêutico: Com as folhas se preparam decoctos emolientes.
Usam-se contra as conjuntivites e belidas.
Em banhos, são empregadas para combater o reumatismo.



sábado, 19 de dezembro de 2015

GUABIRABA desopilante do fígado.

GUABIRABA desopilante do fígado.

534 GUABIRABA (Campomanesia guabiraba)
Família: Mirtáceas.
Sinonímia: Gabiraba.
Características: Arbusto.
Casca lisa, com manchas esbranquiçadas e avermelhadas.
Folhas opostas ou dispersas.
Flores grandes, brancas, aromáticas.
Fruto: baga.
Valor terapêutico: As folhas, em decocção, têm emprego como remédio contra o reumatismo.
O decocto da raiz é desopilante do fígado.



sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

GRUMIXAMA anti-reumática

GRUMIXAMA anti-reumática

533 GRUMIXAMA (Stenocalyx brasiliensis, Eugenia brasiliensis, Eugenia grumixama)
Família: Mirtáceas.
Características: Arbusto de ramos erectos desde a base.
Casca escamosa.
Folhas obovais, opostas.
Flores brancas, semelhantes às do araçà. Fruto redondo, branco ou vermelho, comestível.
Valor terapêutico: As folhas, em banhos quentes, têm propriedades anti-reumáticas.




quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

GROGOJÓ (Cucurbita ovoides)

GROGOJÓ (Cucurbita ovoides)

532 GROGOJÓ (Cucurbita ovoides)
Família: Cucurbitáceas.
Sinonímia: Grogoió, grogotuba.
Características: Planta herbácea, volúvel.
Folhas quase redondas, ásperas.
Flores solitárias, amarelas.
Fruto: peponídeo (também se diz melonídeo), do tamanho e da forma de um ovo.
Valor terapêutico: A polpa do fruto, que é drástica,
tem aplicação como medicamento contra a hidropisia.



quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

GRITADEIRA (Palicourea rigida) na disúria, na oligúria, na anúria.

GRITADEIRA (Palicourea rigida) na disúria, na oligúria, na anúria.

531 GRITADEIRA (Palicourea rigida)
Família: Rubiáceas.
Sinonímia: Douradinha-do-campo, douradão, douradinha.
Características: Arbusto.
Flores amarelas. Não deve ser confundida com outras plantas também chamadas douradinha (Lindernia dif-fusa, Asplenium auritum, Waltheria communis).
Habitat: São Paulo, Goiàs, Mato-Grosso e outros Estados.
Valor terapêutico: O decocto das folhas e hastes tem utilidade na cistite,
na disúria, na oligúria, na anúria.



terça-feira, 15 de dezembro de 2015

GRAVIOLA (Anona muricata) serve para combater parasitas.

GRAVIOLA (Anona muricata) serve para combater parasitas.

530 GRAVIOLA (Anona muricata)
Família: Anonáceas.
Sinonímia: Araticum-do-grande, corossol, guanabano.
Outro idioma: Grande corossol, seppadille, cachiman-épineux (Guiana Francesa).
Características: Árvore pequena, de 5 a 6 metros.
Folhas inteiras, alternas, elíptico-lanceoladas, pecioladas, glabras, luzidias.
Fruto cor-diforme, grande, polposo.
Valor terapêutico: Os frutos verdes e as folhas dão um óleo que,
misturado com azeite de oliva, tem utilidade, em fricções,
nos casos de nevralgia e reumatismo, e que também serve para combater parasitas.




segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

GRAMA-DA-PRAIA (Stenotaphrum glabrum)

GRAMA-DA-PRAIA (Stenotaphrum glabrum)

529 GRAMA-DA-PRAIA (Stenotaphrum glabrum)
Família: Gramíneas.
Característica: Planta herbácea.
Habitat: Encontra-se nas praias de quase todo o litoral brasileiro, especialmente no Estado da Bahia.
Valor terapêutico: A raiz, em decocção, é diaforética.
(Diaforético: Sudorífico, que provoca a transpiração.)


domingo, 13 de dezembro de 2015

GONÇALO-ALVES contra os calos e as dores de dente.

GONÇALO-ALVES contra os calos e as dores de dente.

527 GONÇALO-ALVES (Astronium fraxinifolium)
Família: Anacardiáceas.
Sinonímia: Aroeira-do-campo, ubatã, chibatã, pau-gonçálo, jejuíra, gomável.
Outro idioma: Bois de zebre (Guiana Francesa).
Características: Árvore média ou grande.
Cerne vermelho-escuro.
Folhas imparipenadas.
Flores em panículas terminais ou axilares.
Habitat: Do Sul até a Amazônia.
Valor terapêutico: A casca, adstringente, é usada nas diarréias.
Os frutos fornecem um óleo cáustico empregado contra os calos e as dores de dente.

GONÇALO-ALVES (Astronium graveolens)

528 GONÇALO-ALVES (Astronium graveolens)
Família: Anacardiáceas.
Sinonímia: Aroeira-do-campo, gomável, gonçalouro, jejuíra, pau-gonçalo, quebra-machado, ubatã.
Características: Árvore resinosa.
Folhas compostas.
Flores encarnadas.
Frutos redondos.
Valor terapêutico: Tem as mesmas aplicações da aroeira (Schinus terebinthifolius).



sábado, 12 de dezembro de 2015

GOLFO (Nymphaea rudgeana) contra acessos hemorroidários.

GOLFO (Nymphaea rudgeana) contra acessos hemorroidários.

524 GOLFO (Nymphaea rudgeana)
Família: Ninfeáceas.
Sinonímia: Água-pé, água-pé-da-meia-noite, lírio-d'água.
Características: Planta aquática.
Flores vermelhas.
Valor terapêutico: O suco da raiz é empregado, em injeções, contra a blenorragia, e, em cataplasmas, contra úlceras crônicas.
A planta toda é usada, em banhos, contra acessos hemorroidários.


GOLFO-DE-FLOR-AMARELA (Nymphaea lutea)

525 GOLFO-DE-FLOR-AMARELA (Nymphaea lutea)
Família: Ninfeáceas.
Sinonímia: Gigoga-amarela, água-pé-amarelo, golfão-amarelo.
Características: Planta herbácea, aquática, com características quase idênticas às da Nymphaea alba, com a diferença de que suas folhas e flores são menores.
Valor terapêutico: Tem as mesmas aplicações da Nymphaea alba.


GOLFO-DE-FLOR-BRANCA para fortelecer a laringe e a úvula.

526 GOLFO-DE-FLOR-BRANCA (Nymphaea alba)
Família: Ninfeáceas.
Sinonímia: Lírio-d'água, água-pé-branco, liz-das-lagoas, gigoga-verdadeira, mururé, orelha-de-burro, pasta, golfo-maior, golfão-branco nenúfar, bandeja-d'água, lódão.
Características: Planta herbácea, aquática.
Folhas grandes, arredondadas, cordiformes, verde-luzentes por cima e roxas por baixo.
Flores brancas, que se abrem de noite e se fecham ao calor do sol.
Valor terapêutico: As raízes, que são adstringentes, combatem a disenteria.
São, porém, narcóticas em alta dose. O infuso das flores, em lavagens, é bom para curar úlceras, blenorragias e diversos cor-rimentos. O decocto das folhas, em bochechos, acalma a dor de dente.
Em diversas partes do mundo, os cantores usam o decocto desta planta,
em gargarejos, para fortelecer a laringe e a úvula.




sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

GOIABA-VERMELHA (Psidium guayava var. pomifera)

GOIABA-VERMELHA (Psidium guayava var. pomifera)

523 GOIABA-VERMELHA (Psidium guayava var. pomifera)
Família: Mirtáceas.
Sinonímia: Goiaba-comum, araçá-goiaba, djamboé.
Características: Árvore.
Tronco liso, esgalhado.
Folhas rosadas, elípticas, coriáceas, opostas.
Valor terapêutico: O decocto da casca e das folhas é empregado contra a diarréia, especialmente a diarréia infantil.




quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

GOIABA-BRANCA é útil contra a diarréia

GOIABA-BRANCA é útil contra a diarréia

522 GOIABA-BRANCA (Psidium guayava var. pyrifera)
Família: Mirtáceas.
Características: Árvore.
Fruto alongado, de casca amarela e polpa inteiramente branca.
Valor terapêutico: O decocto da casca e das folhas é útil contra a diarréia, especialmente em se tratando de criança.




quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

GIRASSOL-DE-BATATA (Helianthus tuberosus) é bom para curar feridas.

GIRASSOL-DE-BATATA (Helianthus tuberosus) é bom para curar feridas.

521 GIRASSOL-DE-BATATA (Helianthus tuberosus)
Família: Compostas.
Sinonímia: Girassol-tuberoso, lírio-tuberoso, batata-tupinambá, ta-pinamboi.
Outro idioma: Soleil vivace (França).
Características: Planta herbácea.
Flor menor que a do outro girassol, e indiferente ao giro do Sol. A batata, avermelhada por fora, serve como alimento.
Valor terapêutico: O decocto das folhas é bom para curar feridas.



terça-feira, 8 de dezembro de 2015

GIRASSOL (Helianthus annuus) como antinevrálgico

GIRASSOL (Helianthus annuus) como antinevrálgico

520 GIRASSOL (Helianthus annuus)
Família: Compostas.
Características: Arbusto de até 2 metros de altura.
Caule verde.
Folhas verde-esbranquiçadas, cordiforme-lanceoladas, ásperas, alternas.
Flores amarelas, dispostas em redor de um disco grande, cuja face superior é toda recoberta de sementes oleaginosas.
É uma planta muito útil.
As sementes dão farinha para pão.
Torradas, podem ser usadas como substituto do café.
Comprimidas, dão um óleo (até 28%) que pode empregar-se para fins culinários, para lâmpadas, e em substituição ao óleo de linhaça, para preparar vernizes e tintas.
Valor terapêutico: Amassam-se as sementes e empregam-se topicamente em contusões, esfoladuras, golpes, feridas, úlceras, etc.
As folhas também se aplicam do mesmo modo e para os mesmos fins.
Diz, a respeito do girassol, o Dr. Leo Manfred:
"O azeite que se espreme das sementes cruas é muito recomendado nas enfermidades do peito.
Em certos casos pode usar-se esse azeite em lugar do óleo de oliva ou de amendoim.
"O café que se prepara das sementes tostadas é bom contra as enxaquecas e as dores nervosas da cabeça"
O Dr. Raul O. Feijão diz que as sementes do girassol, torradas e moídas, em cozimento (30:1000), podem ser usadas como antinevrálgico, e que suas folhas se empregam externamente como vulnerârias.





segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

GERVÃO contra a hepatite.

GERVÃO contra a hepatite.

518 GERVÃO (Stachytarpheta jamaicensis, Verbena jamaicensis)
Família: Verbenáceas.
Sinonímia: Gervão-legítimo, gerbão, urgebão, ervão, chá-do-brasil, verbena, urgevão, orgibão, aguará-pondá.
Características: Subarbusto.
Folhas oval-alongadas, serreadas.
Flores pequenas, azuis, em espigas terminais.
Valor terapêutico: A raiz e as folhas, em decocção, são febrífu-gas; machucadas, são vulnerârias e úteis nas contusões.
Internamente usa-se esta planta nos casos de debilidade, dispepsia e hepatite.


GERVÃO-FALSO tônico e estimulante.

519 GERVÃO-FALSO (Bouchea loetevirens, Stachytarpha pseudo-chascanum)
Família: Verbenáceas.
Característica: Arbusto ou árvore pequena.
Habitat: Comum no Rio de Janeiro.
Valor terapêutico: Tem propriedades febrífugas, sudoríficas,
tônicas e estimulantes.
Parte usada: Folhas, em infusão.



domingo, 6 de dezembro de 2015

GERVÃO (Elytraria usitatissima) para combater as febres intermitentes.

GERVÃO (Elytraria usitatissima) para combater as febres intermitentes.

517 GERVÃO (Elytraria usitatissima)
Família: Acantáceas.
Características: Planta herbácea, ramosa, pilosa.
Folhas ovais, recortadas nas bordas, opostas.
Flores em longas espigas roliças.
Fruto: pequena cápsula. Não se deve confundir esta planta com a outra de igual nome, que é a Verbena jamaicensis.
Habitat: Estados do Norte.
Valor terapêutico:
É planta desobstruente, emenagoga, e útil para combater as febres intermitentes.



sábado, 5 de dezembro de 2015

GERUMBEBA (Cactus opuntia) contra a tosse convulsa.

GERUMBEBA (Cactus opuntia) contra a tosse convulsa.

516 GERUMBEBA (Cactus opuntia)
Família: Cactáceas.
Características: Caule ramificado, com constrições.
Flores róseas, insertas no caule.
Fruto: baga vermelha, de sabor agradável.
Outro idioma: Tuna, higo chumbo (Argentina).
Valor terapêutico: Emprega-se o fruto contra a diarréia, a disenteria,
a urina de sangue, os vômitos pretos.
Tem propriedades béqui-cas.
Para combater a coqueluche, abrem-se alguns frutos, deita-se açúcar por cima,
e expõe-se ao sereno.
Obtém-se desta maneira um xarope bom contra a tosse convulsa.
A raiz é diurética e purgativa.



sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

GERGELIM (Sesamum indicum)

GERGELIM (Sesamum indicum)

515 GERGELIM (Sesamum indicum)
Família: Pedaliáceas.
Sinonímia: Sésamo, gingilim.
Características: Planta herbácea de aproximadamente 1 metro de altura.
Cáule simples.
Flores branco-arroxeadas, em forma de corneta, em espigas compridas.
Sementes oleaginosas.
Habitat: Cultiva-se nos Estados do Nordeste.
Valor terapêutico: O óleo extraído das sementes aplicado topica-mente,
age como resolutivo, e é útil nas queimaduras e na dor de ouvido.
Em clisteres, é bom contra as cólicas abdominais.




quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

GERÂNIO-AROMÁTICO (Geranium moschatum) é antiespasmódico e sudorífico.

GERÂNIO-AROMÁTICO (Geranium moschatum) é antiespasmódico e sudorífico.

514 GERÂNIO-AROMÁTICO (Geranium moschatum)
Família: Geraniáceas.
Sinonímia: Malva-cheirosa.
Características: Planta herbácea, ornamental, cultivada nos jardins.
Valor terapêutico:
O infuso das fôlhas, e, principalmente, das sumidades floridas,
é antiespasmódico e sudorífico.



quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

GENGIBRE (Zingiber officinalis) nas dores reumáticas

GENGIBRE (Zingiber officinalis) nas dores reumáticas

513 GENGIBRE (Zingiber officinalis)
Família: Zingiberáceas.
Sinonímia: Mangarataia.
Características: Planta herbácea.
Folhas lanceoladas, invaginan-tes.
Flores amarelas, em espigas.
Fruto: cápsula trilocular, com sementes em cada loja.
Rizoma carnudo, branco ou amarelado por dentro, picante.
Valor terapêutico: O óleo essencial do rizoma ê usado nos casos de dispepsias, atonia do estômago, cólicas flatulentas, catarro crônico, rouquidão, bronquite, asma.
Exteriormente, é administrado, em fricções, nas dores reumáticas e nas polineurites.




terça-feira, 1 de dezembro de 2015

GENCIANA-DO-BRASIL febrífuga e vermífuga.

GENCIANA-DO-BRASIL febrífuga e vermífuga.

512 GENCIANA-DO-BRASIL (Coutoubea spicata)
Família: Gencianáceas.
Sinonímia: Raiz-amargosa.
Características: Arbusto pequeno.
Flores brancas.
Planta muito amarga.
Habitat: Do Sul do País até a Amazônia.
Valor terapêutico: A genciana-do-brasil é tônica, emenagoga, febrífuga
e vermífuga.



segunda-feira, 30 de novembro de 2015

GENCIANA-BRASILEIRA contra o reumatismo crônico e a gota.

GENCIANA-BRASILEIRA contra o reumatismo crônico e a gota.

511 GENCIANA-BRASILEIRA (Lisianthus pendulus)
Família: Gencianáceas.
Sinonímia: Genciana-do-brasil, raiz-amarga.
Característica: Planta herbácea, às vezes sub-arbustiva.
Habitat: Minas e outros Estados.
Valor terapêutico: A raiz é esurina, estomáquica, antianêmica, fe-brífuga.
Emprega-se contra a clorose, as febres intermitentes, a escro-fulose,
o reumatismo crônico, a gota.



domingo, 29 de novembro de 2015

GAMELEIRA (Ficus doliaria) para expulsar lombrigas

GAMELEIRA (Ficus doliaria) para expulsar lombrigas

510 GAMELEIRA (Ficus doliaria)
Família: Moráceas.
Sinonímia: Figueira-branca (Sul), figueira-grande, guapoí, ibapoí, figueira-brava, gameleira-branca-de-purga, gameleira-de-cansaço, ga-meleira-de-pinga, cerejeira, copaú-açu, guaporé.
Características: É uma árvore muito estimada pelo povo da roça.
No Norte é algumas vezes confundida com a caxinguba.
Tem folhas longipecioladas, ovais, lisas, lustrosas.
As flores são casulosas. O fruto é um figo de um e meio centímetros de comprimento. Não presta para comer. A madeira é branco-amarelada, porosa.
Utiliza-se para forros, caixoteria, gamelas, etc.
Fazendo-se incisões no tronco, sai uma seiva leitosa.
Habitat: No Centro-Sul do País.
Valor terapêutico:
Emprega-se internamente para expulsar lombrigas e combater a hidropisia.
Externamente se aplica o leite sobre os cravos das boubas, para curá-las.
Partes usadas: Suco leitoso, casca.
Dose: Usando-se o leite extraído do tronco, tomam-se 3 gotas diluídas em água, numa colher das de sopa, de duas em duas horas.
Pode-se também usar a casca, com a qual se prepara um chá na proporção de
15 gramas para 1 litro de água, tomando-se umas 3 ou 4 xícaras por dia.



sábado, 28 de novembro de 2015

GALINHA-CHOCA (Erythroxylum deciduum)

GALINHA-CHOCA (Erythroxylum deciduum)

508 GALINHA-CHOCA (Erythroxylum deciduum) contra as disenterias
Família: Eritroxiláceas.
Sinonímia: Cabelo-de-negro. Há também outras plantas, da mesma família, com os mesmos nomes.
Características: Árvore de 3 a 4 metros de altura.
Folhas obovais ou oboval-lanceoladas, com o ápice arredondado e a base aguda, cur-to-pecioladas, dotadas de estípolas caducas.
Fruto alongado, avermelhado, com uma grande semente revestida de uma camada polposa.
Valor terapêutico:
A casca, graças às suas propriedades adstringentes,
tem aplicação contra as disenterias rebeldes.


GALINHA-CHOCA contra as disenterias

509 GALINHA-CHOCA (Erythroxylum suberosum, Erythroxylum areolatum, Stendelia brasil)
Família: Eritroxiláceas.
Sinonímia: Azougue-do-campo, cabelo-de-negro, fruta-de-pombo, jacaré-do-campo, mercureiro, mercúrio-do-campo, sessenta-e-dois.
Características: Arbusto grande.
Caule nodoso.
Folhas obovais ou elípticas, curtopecioladas, coriáceas, estipuladas.
Flores brancas, em fâscículos axilares.
Fruto pequeno, oval, vermelho-alaranjado.
Habitat: Minas e outros Estados.
Valor terapêutico: Usa-se a casca como adstringente contra as disenterias rebeldes.



sexta-feira, 27 de novembro de 2015

FUNCHO (Anethum foeniculum, Foeniculum dulce)

FUNCHO (Anethum foeniculum, Foeniculum dulce)

507 FUNCHO (Anethum foeniculum, Foeniculum dulce)
Família: Umbelíferas.
Sinonímia: Anis-doce, erva-doce.
Características: Planta de 1 a 2 metros de elevação, verde-glauca, exalando um aroma agradável.
Haste direita, cilíndrica, glabra, lisa, estriada, ramosa.
Folhas alternas, amplas, recortadas em segmentos assovelados, quase capilares; pecíolos amplexicaules.
Flores amarelas, pequenas, em umbelas terminais, grandes, de raios numerosos e grandes.
Valor terapêutico: Têm as mesmas indicações terapêuticas que o anis (Pimpinella anisum), o cominho e o endro.
Suas sementes são aperientes, carminativas, estomáquicas, emena-gogas.
Empregam-se nas dispepsias, flatulências, cólicas, diarréias, vômitos, azia, etc.
Aumentam a secreção do leite das mães que amamentam.
Em Cataplasmas, aplicam-se sobre os tumores indolentes e sobre os ingurgitamentos atônicos.
Operam como resolutivos.
As raízes são diuréticas. O funchõ é usado na alimentação, cru, em saladas,
ou cozido. É muito saudável.
Partes usadas: Raízes e sementes.

Dose: 10 gramas de semente para 1 litro de água; 4 a 5 xícaras por dia.



quinta-feira, 26 de novembro de 2015

FUMO-DO-MATO (Coronilla stipuladissima)

FUMO-DO-MATO (Coronilla stipuladissima)

506 FUMO-DO-MATO (Coronilla stipuladissima)
Família: Leguminosas.
Sinonímia: Fumo-silvestre.
Características: Pequeno arbusto.
Caule avermelhado.
Folhas compostas, trifoliadas, no ápice.
Flores róseas, em cachos.
Fruto: vagem.
Habitat: Estados do Nordeste.
Valor terapêutico: Emprega-se o decocto, em lavagens intestinais,
contra as febres malignas.
Usa-se também o chá nos casos de catarros e pleurite.



quarta-feira, 25 de novembro de 2015

FUMARIA (Fumaria officinalis)

FUMARIA (Fumaria officinalis)

505 FUMARIA (Fumaria officinalis)
Família: Papaverâceas.
Sinonímia: Fel-da-terra, erva-moleirinha.
Características: Planta de 20 a 80 cm de altura.
Haste delgada, angulosa, ramosa, de ramos difusos, glabra, glauca.
Folhas alternas, pecioladas, profundamente recortadas em colmilhos, glabras, verde-glaucas ou acinzentadas.
Flores branco-avermelhadas, manchadas de púrpura no cimo, numerosas, pequenas, dispostas em cachos terminais.
Valor terapêutico: Tem emprego nas afecções do fígado, na arte-riosclerose, nas afecções da pele, na bronquite, no escorbuto, na histeria, na hipocondria, nas hemorróidas, no reumatismo.
Encerra também virtudes estomáquicas, aperientes, diaforéticas, laxativas e diuréticas.
Esta planta não se deve usar mais que alguns dias somente, e em doses moderadas, pois o uso prolongado ou as doses elevadas são prejudiciais.
Parte usada: Toda a planta.
Dose: 10 gramas para 1 litro de água; 4 a 5 xícaras por dia.




terça-feira, 24 de novembro de 2015

FRUTA DE CUTIA (Carpotroche longifolia) é inseticida e parasiticida.

FRUTA DE CUTIA (Carpotroche longifolia) é inseticida e parasiticida.

504 FRUTA DE CUTIA (Carpotroche longifolia)
Família: Flacurtiâceas.
Outro idioma: Cacaoillo (Peru).
Características: Árvore média.
Fruto: baga do tamanho de uma laranja; branco; saliências moles;
contém sementes oleaginosas.
Habitat: Amazônia.
Valor terapêutico: O óleo amarelo, espesso, fornecido pelas sementes,
é inseticida e parasiticida.



segunda-feira, 23 de novembro de 2015

FRUTA-DE-CACHORRO (Basanacantha spinosa) para combater a blenorragia.

FRUTA-DE-CACHORRO (Basanacantha spinosa) para combater a blenorragia.

503 FRUTA-DE-CACHORRO (Basanacantha spinosa)
Família: Rubiáceas.
Sinonímia: Limão-do-mato, jasmim-do-mato, mororó, limoeiro-do-mato.
Características: Arbusto.
Folhas ovais ou oval-alongadas, pecio-ladas.
Flores numerosas.
Valor terapêutico: Usa-se, empiricamente, para combater a blenorragia.
Partes usadas: Raiz e folhas.



domingo, 22 de novembro de 2015

FORMIGUEIRA (Triplaris noli-tangere)

FORMIGUEIRA (Triplaris noli-tangere)

502 FORMIGUEIRA (Triplaris noli-tangere)
Família: Poligonâceas.
Sinonímia: Formigueiro, pau-de-formiga, pau-de-novato.
Características: Árvore ornamental, cujas flores possuem uma pilosidade causticante.
Habitat: Medra nos Estados de Goiás, Mato Grosso, Pará, Amazonas, etc.
Valor terapêutico: Usa-se no tratamento da linfangite.




sábado, 21 de novembro de 2015

FOLHA-DE-URUBU (Pothus quadrangularis) contra o reumatismo.

FOLHA-DE-URUBU (Pothus quadrangularis) contra o reumatismo.

500 FOLHA-DE-URUBU (Pothus quadrangularis)
Família: Aráceas.
Características: Planta rasteira.
Folhas radicais, em feixes, de um metro.
Habitat: Estados do Nordeste.
Valor terapêutico: Usa-se o decocto em banhos contra o reumatismo.


FOLHA-DE-URUBU (Philodendron laciniatum)

501 FOLHA-DE-URUBU (Philodendron laciniatum)
Família: Aráceas.
Sinonímia: Guembé.
Característica: Cipó.
Valor terapêutico: O decocto das folhas é empregado, em banhos, contra o reumatismo.
Untadas com azeite quente, as folhas têm aplicação contra as nevralgias.



sexta-feira, 20 de novembro de 2015

FOLHA-DA-FORTUNA (Bryophyllum calcynum)

FOLHA-DA-FORTUNA (Bryophyllum calcynum)

499 FOLHA-DA-FORTUNA (Bryophyllum calcynum)
Família: Crassuláceas.
Sinonímia: Folha-da-costa.
Características: Notável pela propriedade de multiplicação da folha.
Uma folha pregada à parede, na sombra, logo brota.
Daí o nome vulgar da planta.
Habitat: Comum no Brasil.
Valor terapêutico: É apregoada por suas virtudes vulneráreas e refrigerantes.




quinta-feira, 19 de novembro de 2015

FLOR-DE-PAVÃO (Poinciana pulcherrima, Caesalpinia pulcherrima)

FLOR-DE-PAVÃO (Poinciana pulcherrima, Caesalpinia pulcherrima)

498 FLOR-DE-PAVÃO (Poinciana pulcherrima, Caesalpinia pulcherrima)
Família: Leguminosas-cesalpiniáceas.
Sinonímia: Brio-de-estudante, flor-do-paraíso, chagas, chagueira, barba-de-barata.
Características: Árvore pequena, ornamental, muito apreciada.
Folhas bipinadas.
Flores grandes, amarelas, vermelhas, vermelho-ala-ranjadas ou roxo-alaranjadas.
Floresce quase ininterruptamente.
Fruto: vagem chata, lenhosa, de até 10 cm de comprimento.
Valor terapêutico: As folhas, as flores e a casca, em infusão, são emenagogas e purgativas em pequena dose, porém abortivas e perigosas em doses elevadas.



quarta-feira, 18 de novembro de 2015

FLOR-DE-CORAL (Erythrina corallodendron)

FLOR-DE-CORAL (Erythrina corallodendron)

497 FLOR-DE-CORAL (Erythrina corallodendron)
Família: Leguminosas-papiloniáceas.
Sinonímia: Mulungu.
Características: Árvore pequena.
Grandes folhas compostas, tri-partidas.
Folíolos largamente ovais-romboidais. Cálice tubuloso truncado.
Flores escarlates, muito estreitas, em espigas cimosas.
No tempo da florescência, a árvore fica desfolhada.
Flor-de-coral é um nome comum a cinco plantas diferentes: uma euforbiácea (jatropha multifida), uma verbenácea ( Clerodendron fal-lax), uma escrófuláriácea (Russelia funcea), uma rubiácea (Ixora coc-cinea) e uma leguminosa (Erythrina corallodendron).
Não se deve confundir a flor-de-coral (Erytrina corallodendron) com o mulungu ou murungu (Erythrina mulungu) nem com a corticei-ra (Erytrina crista galli).
São plantas que muito se assemelham entre si.
Valor terapêutico: As folhas, em infusão, são calmantes e úteis na insônia.
A casca, em decocção, também é sedativa e soporativa: usa-se na insônia e nas excitações nervosas.
O decocto da casca serve igualmente para combater as hepatites crônicas e as obstruções do fígado.
Partes usadas: Folhas e cascas.
Dose: 20 gramas para 1 litro de água; 4 a 5 xícaras por dia.



terça-feira, 17 de novembro de 2015

FLOR-DA-NOITE (Cereus grandiflorus, Cactus grandiflorus)

FLOR-DA-NOITE (Cereus grandiflorus, Cactus grandiflorus)

496 FLOR-DA-NOITE (Cereus grandiflorus, Cactus grandiflorus)
Família: Cactáceas.
Sinonímia: Flor-do-baile, flor-cheirosa, cactus-de-flor-grande, rai-nha-da-noite.
Características: "É a linda flor, vulgarmente conhecida por flor-do-baile, de caule trepador, com três ângulos, de grandes flores, com as divisões externas amarelas e as internas brancas, com um aroma suavíssimo, de baunilha, abrindo-se à noite e fechando-se pela madrugada.
Cresce pelos muros, agarrando-se pela raiz. Há variedades de cactus, por isso, cumpre ter cuidado para evitar confusões." Dicionário Brasileiro de Plantas Medicinais, pág. 45.
Valor terapêutico: O cactus-de-flor-grande é um bom remédio para os males do coração.
Tem efeito análogo ao da digital, sendo, por isso, usado como sucedâneo desta planta.
"O rasgo característico do cactus é o de dirigir a sua ação sobre o coração e os vasos sangüíneos, dissipando suas congestões e anulando suas irritações, sem debilitar o sistema nervoso...
"Nas afecções do coração, o Cactus grandiflorus supera em ação ao Aconitum napellus, substituindo-o vantajosamente.
"Êste medicamento é utilíssimo em todas as ações exageradas do coração, principalmente pelas palpitações nervosas até às causadas pela cardite ou inflamação do coração em causas agudas; em os procedimentos hipertróficos e nas lesões valvulares gravíssimas do coração...
"Também aproveita nos resfriamentos, com supressão de suor, na bronquite crônica com ruído de mucosidade, e quando os sintomas bronquiais são devidos à sobre-excitação do coração.
Com o seu uso se consegue um alívio rápido e permanente, quando a desordem funcional do coração é simplesmente nervosa.
"O Cactus grandiflorus desenvolve uma ação mais ou menos aproveitável e de bons resultados nas febres catarrais, febre reumatismal simples, inflamatórias, e gástricas; congestões cerebrais; cefalalgia por congestão sangüínea ou reumatismal; dor pulsativa e gravitante na cabeça; dor de repuxamento no vértice; apoplexia sangüínea; epistaxe abundante; coriza seca ou fluente, oftalmia aguda; olhos salientes; otite reumatismal; reumatismo do peito e com inchação dolorosa das partes, estenocardite e hipertrofia do coração; hepatização pulmonar; asma por congestão; opressão crônica da respiração; tosse catarral com apiamento asmático; constipação com hemorróidas, também fluentes; menstruação dolorosa, abundante ou demasiado freqüente; paralisia da bexiga, caracterizada pelo fluxo de mucosidades espessas; dartros crustosos, secos, nos maléolos e nos cotovelos." Notas Sobre Plantas Brasileiras, pág. 55.
"O Dr. R. W. Wilcox recomenda vivamente o extrato fluído de Cactus grandiflorus contra algumas afecções cardíacas, sobretudo contra o enfraquecimento da energia cardíaca, por causa das lesões valvulares não compensadas, contra a degenerescência do músculo cardíaco e contra as perturbações cardíacas decorrentes de excessos alcoólicos e abusos do chá, do café e do fumo, e, enfim, nos casos de aniquilamento do pulso, resultante da excitação do pneumogástrico." Nouveaux Remedes.
Parte usada: Caule, por decocção.
Dose: 10 a 15 gramas em 1 litro de água.
Bebe-se uma xícara do chá quando se é incomodado pela dor.



segunda-feira, 16 de novembro de 2015

FIRMEZA-DOS-HOMENS (Hibiscus mutabilis)

FIRMEZA-DOS-HOMENS (Hibiscus mutabilis)

495 FIRMEZA-DOS-HOMENS (Hibiscus mutabilis)
Família: Malváceas.
Sinonímia: Amor-dos-homens, rosa-louca, rosa-paulista, rosa-cambiante-de-caiena,
papoula-de-duas-cores, inconstante.
Outro Idioma: Caractere des dames (Guiana Francesa).
Características: Arbusto pequeno.
Caule nodoso, pouco esgalha-do.
Folhas alternas, angulosas, esverdeadas.
Flores grandes, sem cheiro, brancas de manhã, róseas ao meio dia e purpúreas à tarde.
Valor terapêutico: As folhas e flores são emolientes.



domingo, 15 de novembro de 2015

FEL-DA-TERRA contra as febres contínuas

FEL-DA-TERRA contra as febres contínuas

494 FEL-DA-TERRA (Lophophytum mirabile)
Família: Balanoforáceas.
Sinonímia: Batata-de-escamas, boa-noite, espiga-da-terra, milho-de-cobra,
pinha-de-raiz, sanchim, urupetim.
Características: Planta parasita, de caule amiláceo, que os índios usam como alimento.
Contém escamas em vez de folhas.
Valor terapêutico: Usa-se como remédio contra as febres contínuas,
As batatas, secas e pulverizadas, são aconselhadas contra a icterícia.



sábado, 14 de novembro de 2015

FEDERAL (Silphium anti-dysenterica) É útil também na diarréia.

FEDERAL (Silphium anti-dysenterica) É útil também na diarréia.

493 FEDERAL (Silphium anti-dysenterica)
Família: Compostas.
Sinonímia: Federação, amor-dos-velhos, espinho-guabiru, espinho-guaburu.
Características: Planta herbácea, pequena.
Folhas moles, verde-amareladas, opostas.
Flores amarelas, pequenas, em feixes.
Habitat: Medra nos Estados do Nordeste.
Valor terapêutico: O decocto é bom contra a dor de dente.
É útil também na diarréia.
Em banhos quentes, emprega-se no tratamento do reumatismo articular agudo
ou crônico.



sexta-feira, 13 de novembro de 2015

FEDEGOSO-VERDADEIRO como antídoto de vários venenos

FEDEGOSO-VERDADEIRO como antídoto de vários venenos

492 FEDEGOSO-VERDADEIRO (Cassia occidentalis, Cassia medica)
Família: Leguminosas-cesalpiniáceas.
Sinonímia: A planta a que no Sul do País chamam fedegoso, é a que no
Norte e no Nordeste conhecem como mata-pasto, mamangá, manjerioba (Ceará),
pau-manjerioba, pajamarioba (Óbidos), paramario-ba (Monte Alegre), folha-de-pagé, lava-pratos, ibixuna, tararaçu, ta-rarucu, tararubu, fedegoso-do-rio.
Características: Arbusto pequeno.
Caule cilíndrico, ramoso e ascendente.
Folhas enrugadas, quase romboidais.
Flores tubulosas, cor de lírio ou de violeta.
Fruto: uma espécie de noz, contendo caroços redondos em uma vagem cor de chocolate.
Valor terapêutico:
O dicionário de Laudelino Freire dá: "Arbusto cuja raiz é amarga,
considerada como antídoto de vários venenos e como preventivo contra febres
palustre, tendo as folhas e sementes largo emprego na medicina."
As folhas (10 gramas em uma xícara de água, em infusão), são purgativas e emenagogas.
A casca da raiz (4 gramas em uma xícara de água fervendo) é fortemente diurética.
Usa-se (10 gramas em 1 litro de água: um gole de duas em duas horas) para combater a hidropisia e as moléstias do fígado. O decocto da raiz (10 gramas em 1 litro de água; uma xícara) age como antelmíntico enérgico. O decocto da casca (20 gramas em 1 litro de água; duas xícaras) constitui bom fe-brífugo.
As mulheres grávidas não devem usar esta planta, pois pode provocar aborto.
"A pessoa achacada da erisipela, quando sentir os sintomas da invasão da moléstia, deve tomar uma gota de Cassia medica (fedegoso) em uma colher de água repetindo esta dose de meia em meia hora, até o desaparecimento do mal.
Quando com o emprego da Cassia medica não se conseguir fazer abortar o ataque, ao menos conseguir-se-á que este seja brando.
Alguns doentes têm tirado do uso deste medicamento resultados maravilhosos, curando-se da moléstia tão rebelde." Notas Sobre Plantas Brasileiras, pág. 79.
As folhas também podem aplicar-se topicamente, em forma de cataplasmas,
para combater as impigens e inflamações.
Partes usadas: Folhas, casca e raiz.




quinta-feira, 12 de novembro de 2015

FEDEGOSO (Cassia hirsuta) É uma planta antifebril e anti-sifilítica.

FEDEGOSO (Cassia hirsuta) É uma planta antifebril e anti-sifilítica.

491 FEDEGOSO (Cassia hirsuta)
Família: Leguminosas-cesalpiniáceas.
Sinonímia: Paramarioba.
Característica: Arbusto pequeno.
Habitat: Em terrenos abandonados.
Valor terapêutico: É uma planta antifebril e anti-sifilítica.



quarta-feira, 11 de novembro de 2015

FAVA-DE-TONCA contra as dores de ouvido.

FAVA-DE-TONCA contra as dores de ouvido.

490 FAVA-DE-TONCA (Dipteryx odorata)
Família: Leguminosas.
Sinonímia: Cumaru, cumbaru, muira-paié, árvore-dos-feiticeiros.
Características: Bela árvore.
Floresce em abril e maio.
Os frutos são carregados pelos morcegos.
Habitat: Amazônia.
Valor terapêutico: Socadas e esprimidas as favas, fornecem um azeite bom
contra as dores de ouvido.
As favas encerram propriedades emenagogas e diaforéticas.



terça-feira, 10 de novembro de 2015

FAVA-DE-IMPIGEM combater as manchas da pele

FAVA-DE-IMPIGEM combater as manchas da pele

489 FAVA-DE-IMPIGEM (Vatairea guianensis)
Família: Leguminosas-papilionáceas.
Sinonímia: Fava-de-bolacha, faveira-amarela, faveira-de-impigem, faveira-grande, faveira-grande-do-iguapó, lombrigueira.
Outro Idioma: Dartier ou Bois à Dartres (Guiana Francesa).
Características: Árvore média ou grande.
Madeira muito resistente à umidade.
Flores roxas, lindas.
Fruto largo, chato, suberoso.
Habitat: Comum nas margens dos rios e nos igapós de água preta.
Valor terapêutico: A casca, por incisão, fornece uma goma ver-melho-escura, adocicada, adstringente.
As sementes, piladas com vinagre ou gordura de coco, são empregadas para curar impigens.
O suco acre do fruto é usado para combater as manchas da pele (sardas, efélides, etc.).



segunda-feira, 9 de novembro de 2015

FAVA-DE-ARARA para desinflamar e cicatrizar feridas.

FAVA-DE-ARARA para desinflamar e cicatrizar feridas.

488 FAVA-DE-ARARA (Hippocratea volubilis)
Família: Hipocrateáceas.
Características: Cipó.
Fruto: vagem grossa, que encerra duas a três sementes (amêndoas) alongadas, tortas, curiosamente imbricadas de forma a lembrar um bico de arara.
As amêndoas, ligeiramente amargas, são comestíveis.
Valor terapêutico:
O emplastro das folhas é bom para desinflamar e cicatrizar feridas.



domingo, 8 de novembro de 2015

FAVA (Vicia sativa)

FAVA (Vicia sativa)

486 FAVA (Vicia sativa)
Família: Leguminosas.
Características: Planta herbácea.
Folhas em palmas.
Flores brancas.
Valor terapêutico: Empregam-se as folhas como emolientes e resolutivas.



FAVA-BRANCA (Dyphisa fiava) para matar os piolhos dos animais.

487 FAVA-BRANCA (Dyphisa fiava)
Família: Leguminosas.
Sinonímia: Catinga-de-macaco-manso.
Características: Arbusto trepador.
Caule delgado.
Folhas trifolia-das.
Flores miúdas, azuladas, em espigas.
Fruto: vagem (de uns 60 a 90 cm) estreita, parda.
Valor terapêutico: Usa-se o decocto, em banhos, para matar os piolhos dos animais.



sábado, 7 de novembro de 2015

FANFÃ (Hibiscus bifurcatus)

FANFÃ (Hibiscus bifurcatus)

485 FANFÃ (Hibiscus bifurcatus)
Família: Malváceas.
Sinonímia: Fanfa, algodão-do-brejo, algodão-bravo, majorana, maioranta,
amanduerana, amandurana, amaniu-rana, vinagreira, malva-vinagreira,
vinagreira-do-campo, uaicima-do-brejo.
Características: Arbusto de 1 a 2 metros.
Longos galhos escan-dentes.
Pequenos espinhos no caule e na face inferior das folhas.
Flores róseo-violáceas, grandes.
Habitat: Em terrenos úmidos e inundados.
Valor terapêutico: As folhas, azedas, comestíveis, são emolientes.



sexta-feira, 6 de novembro de 2015

FALSA ESPELINA (Clitoria guianensis) contra as cistites e uretrites.

FALSA ESPELINA (Clitoria guianensis) contra as cistites e uretrites.

484 FALSA ESPELINA (Clitoria guianensis)
Família: Leguminosas-papilionáceas.
Sinonímia: Espelina-falsa.
Características: Erva volúvel.
Flores róseas ou brancas, grandes.
Habitat: Nos campos altos.

Valor terapêutico: A raiz, diurética, é empregada, em infusão,
contra as cistites e uretrites.
As sementes, em pó, são usadas como purgativo.




quinta-feira, 5 de novembro de 2015

EUCALIPTO (Eucalyptus globulus)

EUCALIPTO (Eucalyptus globulus)

483 EUCALIPTO (Eucalyptus globulus)
Família: Mirtâceas.
Característica: Árvore alta.
O eucalipto (do grego eu, bem; e calyptus, cubro) é originário da Austrália e aclimatado no Brasil.
Conhecem-se cerca de quatrocentas espécies dessa planta.
Valor terapêutico: É uma planta recomendada para tratar inúmeras enfermidades.
Em chás, as folhas verdes têm aplicação nos seguintes casos: asma, asma cardíaca, afecções catarrais, adenites, bronquite, coqueluche, coriza, cistite, catarro da bexiga, disenteria, diabetes, febres, gripe, leucorréia, maleita, nefrite, rinite, tuberculose.
Nas afecções das vias respiratórias, inclusive na sinusite, é bom também aspirar o vapor do cozimento das folhas de eucalipto.
Um bom chá para pneumonia prepara-se com folhas de eucalipto, pé-de-galinha e alfavacão.
Em cataplasmas e compressas empregam-se exteriormente para aliviar a dor em casos de ciática, reumatismo, gota, nevralgias, etc.
Em loções, o eucalipto é um bom antisseptico.
Aplica-se exteriormente o chá para lavar feridas, úlceras, etc.
Tem efeito não só desinfetante, senão também curativo.
O óleo que se extrai do eucalipto é adstringente, febrífugo e tônico.
Emprega-se, em linimento, nas dores reumáticas e musculares.
Parte usada: Folhas verdes, em infusão.
Dose: 20 gramas para 1 litro de água; 4 a 5 xícaras por dia.




quarta-feira, 4 de novembro de 2015

ESTRAMÔNIO (Datura stramonium) contra as dores reumáticas

ESTRAMÔNIO (Datura stramonium) contra as dores reumáticas

482 ESTRAMÔNIO (Datura stramonium)
Família: Solanáceas.
Sinonímia: Figueira-do-inferno, mamoninho-bravo, trombeta, zabumba, jabumba, aubaitinga-dos-índios, erva-dos-mágicos, erva-dos-feiticeiros, erva-do-diabo, erva-dos-demoníacos, pomo-espinhoso, po-mo-do-diabo.
Outros idiomas: Chamico, Estramico, Yerbà hedionda, Tronpetilla (Argentina); Pomme épineuse, Herbe aux sorciers, Endormie (França); DeviTs apple (Inglaterra); Stechapfel (Alemanha); Pomo spinoso (Itália), Durman (Rússia).
Características: Planta herbácea.
Caule cilíndrico, glabro, algo pubescente na parte superior, muito ramificado.
Folhas grandes, ovais, acuminadas, sinuoso-denteadas, longipecioladas, alternas.
Flores brancas ou violáceas, grandes, solitárias, afuniladas.
Fruto: cápsula ovóide, espinhosa.
Especialmente o fruto e as sementes são muito tóxicos.
Habitat: Vegeta em todos os campos, especialmente nos lugares úmidos.
Valor terapêutico: As folhas e sementes frescas, trituradas e cozidas em azeite,
têm aplicação, em fricções, contra as dores reumáticas e as produzidas por golpes.
Usa-se também a erva seca em cataplasmas e fomentações.





terça-feira, 3 de novembro de 2015

ESTORAQUEIRO no tratamento das úlceras crônicas

ESTORAQUEIRO no tratamento das úlceras crônicas

481 ESTORAQUEIRO (Styrax aurea, Pamphilia aurea)
Família: Estiracáceas.
Sinonímia: Benjoeiro, beijoeiro, estoraque, estoraqueiro-do-brasil.
Característica: Árvore muito conhecida pela goma-resina que fornece,
por incisão do caule.
Habitat: Encontra-se nos Estados de Minas, Bahia, Alagoas, etc.
Valor terapêutico: O bálsamo que se extrai desta árvore tem aplicação
no tratamento das úlceras crônicas, da blenorragia, da leucorréia,
sendo também indicado nos casos de tosse, dispnéia, rouquidão.
É também cordial e calmante.



segunda-feira, 2 de novembro de 2015

ESTANCA-SANGUE (Chrysocoma sanguínea) contra hemorragias

ESTANCA-SANGUE (Chrysocoma sanguínea) contra hemorragias

480 ESTANCA-SANGUE (Chrysocoma sanguínea)
Família: Compostas.
Características: Arbusto ou cipó. Caules em touceiras.
Folhas ásperas, lanceoladas.
Flores em cachos (palhentinhas brancas, pintadas de roxo).
Frutos: agulhetas pretas, com um feixe de pelos, voando com facilidade.
Habitat: Vegeta no Nordeste.
Valor terapêutico: Usa-se, externa e internamente, nos golpes,
ferimentos e hemorragias.



domingo, 1 de novembro de 2015

ESTACA-CAVALOS (Gratiola officinalis) suspender as hemorragias

ESTACA-CAVALOS (Gratiola officinalis) suspender as hemorragias

479 ESTACA-CAVALOS (Gratiola officinalis)
Família: Escrofulariáceas.
Outros idiomas: Yerba dei pobre, Sen de los prados (Argentina), Gratiole officinelle (França), Hedge hyssop (Inglaterra), Gnadenkraut (Alemanha), Stanca cavallo (Itália).
Característica: Planta herbácea.
Valor terapêutico:
Emprega-se o decocto das folhas para suspender as hemorragias intermitentes
e para combater a gota e os desequilíbrios mentais.
Cozinha-se uma só folhã num litro d'àgua, durante 10 minutos, e tomam-se duas colheradas do chá por dia.
Externamente, usa-se nos casos de golpes e ferimentos.




sábado, 31 de outubro de 2015

ESPORA (Delphininum ajacis, Delphinium simplex)

ESPORA (Delphininum ajacis, Delphinium simplex)

478 ESPORA (Delphininum ajacis, Delphinium simplex)
Família: Ranunculáceas.
Sinonímia: Espora-dos-jardins, flores-reais, pé-de-calhandra-dos-jardins.
Característica: Planta herbácea, cultivada nos jardins.
Valor terapêutico: As sementes encerram propriedades emenagogas.




sexta-feira, 30 de outubro de 2015

ESPONJA (Mimosa farnesiana) contra a dor de dente.

ESPONJA (Mimosa farnesiana) contra a dor de dente.

476 ESPONJA (Mimosa farnesiana)
Família: Leguminosas-mimosáceas.
Sinonímia: Esponjeira.
Características: Arbusto espinhoso.
Folhas miudinhas, em palmas.
Flores amarelas, axilares.
Fruto: vagem parda, chata, contendo grãos semelhantes aos de feijão.
Valor terapêutico: A casca tem aplicação contra as dores articula-res.
As folhas são antiespasmódicas.
Empregam-se também contra a dor de dente.


ESPONJEIRA (Pithecolobium acacioides)

477 ESPONJEIRA (Pithecolobium acacioides)
Família: Leguminosas-mimosáceas.
Sinonímia: Arapiraca, jurema-branca, árvore-de-macaco.
Características: Árvore média, cheia de espinhos.
Copa disposta em umbela grande.
Os macacos lhe procuram os frutos.
Habitat: Na mata de terra firme, nos pontos mais secos, vizinhos de campos arenosos, na Amazônia.
Valor terapêutico: A casca é adstringente.



quinta-feira, 29 de outubro de 2015

ESPINHO-DE-VINTÉM contra as dores de dente

ESPINHO-DE-VINTÉM contra as dores de dente

475 ESPINHO-DE-VINTÉM (Xanthoxylum rhoifolium)
Família: Rutáceas.
Sinonímia: Betaru-amarelo, espinheiro, laranjinha, mamica-de-ca-chorra,
mamica-de-cadela, mamica-de-porca, maminha-de-porca, tam-bataruga,
tamanqueira, tembetaru-de-espinho, tinguaciba.
Característica: Árvore.
Valor terapêutico: A casca, em decocção, é eficaz contra as dores de dente
e de ouvido.
Banham-se as partes doloridas.



quarta-feira, 28 de outubro de 2015

ESPINHO-DE-MARICÁ contra as congestões do fígado

ESPINHO-DE-MARICÁ contra as congestões do fígado

474 ESPINHO-DE-MARICÁ (Mimosa sepiaria)
Família: Leguminosas-mimosáceas.
Sinonímia: Espinheira, espinho-de-cerca, espinheiro-de-cerca, espinho-roxo,
unha-de-gato, maricá.
Característica: Arbusto muito esgalhado.
Habitat: No Rio e outros Estados.
Valor terapêutico: O infuso das folhas novas combate os acessos asmáticos e,
em gargarejos, cura as anginas.
O decocto das folhas é bom remédio contra as congestões do fígado e as
cólicas hepáticas.



terça-feira, 27 de outubro de 2015

ESPINHO-BRANCO contra a dor de dente.

ESPINHO-BRANCO contra a dor de dente.

473 ESPINHO-BRANCO (Broussonetia tinctoria, Morus tinctoria)
Família: Urticáceas.
Sinonímia: Espinheiro-bravo, tatajuba, tatarema, tataíba, amoreira.
Características: Árvore de lindo aspecto.
Casca esbranquiçada, lactífera.
Folhas em forma de palmas, ovais, recortadas.
Valor terapêutico:
O suco leitoso extraído da casca é usado contra a dor de dente.



segunda-feira, 26 de outubro de 2015

ESPINHEIRA-SANTA regulariza as funções gastro-intestinais

ESPINHEIRA-SANTA regulariza as funções gastro-intestinais

472 ESPINHEIRA-SANTA (Maytenus ilicifolia)
Família: Celastráceas.
Sinonímia: Espinheira-divina, salva-vidas, sombra-de-touro, can-crosa, cancerosa, maiteno, limãozinho.
Cuidado: também há um li-mãozinho (Machaeonia spinosa) na família das Rubiáceas.
Característica: Árvore pequena, de folhas espinhosas.
Valor terapêutico: Entre as Celastráceas, diz João Siegfried Decker, "salienta-se o Maytenus ilicifolius, cujas folhas espinhosas fornecem um chá de grande valor terapêutico."
F. C. Hoehne afirma que, das Celastráceas, "melhor representado aqui é o gênero Maytenus, de que, conforme dito, vem a Espinheira-santa, que se emprega com certo resultado contra a hiperacidez e ul-cerações do estômago, graças às suas propriedades tônicas e balsâmi-cas,
"O efeito terapêutico do Maytenus", ensina o Dr. J. Monteiro da Silva, "manifesta-se não somente no estômago, combatendo as dispep-sias, gastralgias hiperclorídicas, etc., mas também rio intestino, evitando as fermentações e a formação de gases intestinais.
"Exercendo uma ação analgésica, o Maytenus tem feliz indicação na hiperacidez gástrica, particularmente no tratamento das úlceras gástricas, pilóricas, duodenais, acalmando rapidamente a dor.
"Os doentes que se queixam de acidez, dores, vômitos, flatulên-cias, ficam aliviados após o uso das primeiras doses."
Segundo o Dr. Alberto Seabra, a espinheira-santa
"é indicada nas dispepsias em geral, regulariza as funções gastro-intestinais
e paraliza as fermentações anormais, as flatulências, etc.".
O Dr. Aluízio França reconhece no Maiteno propriedades analgésicas,
antissépticas, cicatrizantes e tônicas.
Alegam alguns autores, ainda, que esta planta é boa para o fígado e os rins,
cura as afecções cutâneas e tem propriedades laxantes e diuréticas.
O decocto das folhas é muito bom para lavar úlceras, feridas,
etc.
Parte usada: Folhas, em infusão.
Dose: 20 gramas em 1 litro d'água; 3 a 4 xícaras por dia.




domingo, 25 de outubro de 2015

ESPINAFRE-DE-CAIENA é purgante.

ESPINAFRE-DE-CAIENA é purgante.

471 ESPINAFRE-DE-CAIENA (Phytolacca octandra)
Família: Fitolacáceas.
Sinonímia: Espinafre-da-guiana.
Características: Arbusto invasor das plantações.
Folhas comestíveis.
Fruto: pequena baga vermelho-escura, algo violácea.
Valor terapêutico:
O suco da raiz e dos frutos verdes é empregado como purgante.



sábado, 24 de outubro de 2015

ESPIGA-DE-SANGUE contra as diarréias e as hemorragias.

ESPIGA-DE-SANGUE contra as diarréias e as hemorragias.

470 ESPIGA-DE-SANGUE (Helosis guianensis, Helosis brasiliensis)
Família: Belanoforáceas.
Características: Parasita de diversas árvores (imbaubeiras).
Rizoma roliço e tuberoso.
Haste erecta e tortuosa, com pedúnculos avermelhados, terminados por
flores pequenas, vermelhas, em capítulos.
Habitat: Nos lugares sombrios da mata virgem.
Valor terapêutico: Como adstringente, tem aplicação
contra as diarréias e as hemorragias.
Partes usadas: Batatas e flores.




sexta-feira, 23 de outubro de 2015

ESPIA-CAMINHO diurética e eficaz contra a hidropisia.

ESPIA-CAMINHO diurética e eficaz contra a hidropisia.

469 ESPIA-CAMINHO (Clitoria urinaria)
Família: Leguminosas.
Sinonímia: Espinhâ-caminho, erva-mijona.
Características: Planta herbácea.
Folhas compostas de três folíolos.
Flórés em cachos pequenos, brancas, com manchas roxas.
Fruto: vagem contendo grãos semelhantes aos do feijão.
Habitat: Ê muito conhecida no Nordeste, onde se alastra à beira dos caminhos.
Valor terapêutico: É reputada como diurética e eficaz contra a hidropisia.



quinta-feira, 22 de outubro de 2015

ESPELINA combate a asma, bronquite e catarro pulmonar

ESPELINA combate a asma, bronquite e catarro pulmonar

468 ESPELINA (Perianthopodus spelina)
Família: Cucurbitáceas.
Sinonímia: Tomba, purga-de-carijó.
Característica: Planta trepadeira.
Habitat: São Paulo, Minas e outros Estados.
Valor terapêutico:
Tem indicação nos casos de asma, bronquite, catarro pulmonar, coqueluche, diarréia, dispepsia, epilepsia, hemorragia, mordedura de animais venenosos, vômitos da gravidez. É, além disso, uma planta de efeitos drásticos.



quarta-feira, 21 de outubro de 2015

ESCOMILHA cura as estomatites e as aftas.

ESCOMILHA cura as estomatites e as aftas.

467 ESCOMILHA (Lagerstroemia indica)
Família: Rcsáceas.
Sinonímia: Norma, minerva, minerva-dos-jardins, mimosa-dos-jardins, extremosa.
Características: Árvore pequena, ornamental.
Flores róseas ou violáceás, em panículas.
Valor terapêutico: A raiz, em decocção, cura as estomatites e as aftas.




terça-feira, 20 de outubro de 2015

ESCADA-DE-JABUTI (Bauhinia splendens) anti-sifilítica.

ESCADA-DE-JABUTI (Bauhinia splendens) anti-sifilítica.

466 ESCADA-DE-JABUTI (Bauhinia splendens)
Família: Leguminosas-cesalpiniáceas.
Sinonímia: Cipó-escada, cipó-unha-de-boi, cipó-florão, mororó-cipó,
unha-de-boi, unha-de-vaca, mata-matá.
Características: Cipó. Caule achatado, com curvas alternadas,
dando o aspecto de uma escada.
Habitat: Na mata e capoeira de terra firme, no Norte e Nordeste.
Valor terapêutico:
É uma planta adstringente, anti-reumática e anti-sifilítica.



segunda-feira, 19 de outubro de 2015

ERVA-TOSTÃO (Boerhavia hirsuta) contra icterícia

ERVA-TOSTÃO (Boerhavia hirsuta) contra icterícia

465 ERVA-TOSTÃO (Boerhavia hirsuta)
Família: Nictagináceas.
Sinonímia: Agarra-pinto, amarra-pinto, pega-pinto, tangaraca, bre-do-de-porco.
Características: É uma erva cujos ramos crescem até cerca de 70 cm de altura.
Folhas quase redondas, opostas, brancas, dispostas em panículas.
Frutos parecidos com os da erva-doce, porém, bem maiores, verdes, pegajosos (agarram-se na roupa e na pele dos animais). Raiz roxa por fora e branca por dentro.
Valor terapêutico:
Recomenda-se para: Anúria, cistite, congestão do fígado, hemoptises da tuberculose, hidropisia, icterícia, nefrite, albuminúria.
"Os que sofrem de icterícia, não podem ignorar que a erva-tostão Boerhavia
hirsuta e outras afins é o seu melhor remédio." F. C. Hoehne, Plantas e Substâncias Vegetais Tóxicas e Medicinais, pág. 112.
O Dr. J. Monteiro da Silva diz que a erva-tostão, diurética e anti-ictérica,
"combate as congestões do fígado, os derramamentos biliosos e a icterícia."
Dá bons resultados também na hepatite, na uretrite, na blenor-ragia,
na leucorréia, na dispepsia.
Põe-se a planta, em água fria, ao fogo.
Deixa-se ferver durante 10 a 15 minutos.
Deixa-se bem tapado durante mais 15 a 20 minutos.
Tomam-se 4 a 5: xícaras por dia.
Partes usadas: Folhas, raiz e sementes.
Dose: 20 gramas para 1 litros de água; 4 a 5 xícaras por dia.



domingo, 18 de outubro de 2015

ERVA-SERENO para curar sapinhos e feridas da boca das crianças.

ERVA-SERENO para curar sapinhos e feridas da boca das crianças.

463 ERVA-SERENO (Corysa lanuginea)
Família: Compostas.
Características: Planta herbácea, verde-esbranquiçada.
Folhas alternas, espatuladas.
Flores miudinhas.
Habitat: Estados do Nordeste.
Valor terapêutico: O decocto é usado para curar sapinhos e feridas da boca das crianças.


ERVA-SILVINA (Polypodium vaccinifolium)

464 ERVA-SILVINA (Polypodium vaccinifolium)
Família: Polipodiáceas.
Sinonímia: Erva-teresa.
Característica: Planta parasita que vive especialmente nas mangueiras.
Valor terapêutico:
O decocto ou o infuso é usado contra os escarros sangüíneos.



sábado, 17 de outubro de 2015

ERVA SARACURA (Begônia acida)

ERVA SARACURA (Begônia acida)

462 ERVA SARACURA (Begônia acida)
Família: Begoniáceas.
Sinonímia: Erva-de-sapo, azedinha-do-brejo, erva-azeda, azeda-de-ourives.
Características: Planta herbácea.
Folhas alternas.
Fruto capsular.
Valor terapêutico: Emprega-se o suco desta erva para combater os
catarros da bexiga, a disenteria e o escorbuto.
O mesmo suco é bom para tirar manchas de tinta de escrever, da roupa.



sexta-feira, 16 de outubro de 2015

ERVA-SANTA (Baccharis ochracea) própria para curar feridas.

ERVA-SANTA (Baccharis ochracea) própria para curar feridas.

460 ERVA-SANTA (Baccharis ochracea)
Família: Compostas.
Sinonímia: Quiabinho.
Característica: Planta herbácea, de sabor amargo.
Habitat: É conhecida no Rio Grande do Sul.
Valor terapêutico: Tem propriedades vulnerárias e emenagogas.
Nos casos de amenorréia, prepara-se um chá com um punhado de raízes, e toma-se uma xícara ao deitar-se, depois de um pedilúvio quente.
(Vulnerário: Diz-se de uma substância própria para curar feridas.)


ERVA-SANTA (Baccharis vulneraria) contra herpes, feridas e úlceras.

461 ERVA-SANTA (Baccharis vulneraria)
Família: Compostas.
Características: Planta herbácea.
Existe outra erva-santa, que tem o nome científico de Baccharis ochracea.
Habitat: Comum em São Paulo.
Valor terapêutico: Usa-se com vantagem nos casos de herpes, feridas e úlceras.
Parte usada: Folhas, em lavagens.



quinta-feira, 15 de outubro de 2015

ERVA-PREÁ (Chrysocoma repanda) no tratamento da erisipela e dos reumatismos.

ERVA-PREÁ (Chrysocoma repanda) no tratamento da erisipela e dos reumatismos.

459 ERVA-PREÁ (Chrysocoma repanda)
Família: Compostas.
Característica: Trepadeira.
Habitat: Medra no Rio de Janeiro.
Valor terapêutico: O decocto é usado, em banhos,
no tratamento da erisipela e dos reumatismos.



quarta-feira, 14 de outubro de 2015

ERVA-MOURA sobre feridas e úlceras.

ERVA-MOURA sobre feridas e úlceras.

458 ERVA-MOURA (Solanum nigrum, Solanum crenato dentatum, Solanum hortense, Solanum inops, Solanum officinarum, Solanum pterocaubon, Solanum ptycanthum)
Família: Solanáceas.
Sinonímia: Carachichu, maria-preta, pimenta-de-cachorro, pimenta-de-rato,
pimenta-de-galinha, guaraquinha, aguaraquiia, erva-do-bi-cho.
Características: Planta herbácea, de até 50 cm de elevação.
Haste angulosa, ramificada, raramente simples.
Folhas esparsas, peciola-das, freqüentemente geminadas, ovais, acuminadas, quase trapesodais, desigualmente lobadas, às vezes inteiras, verde-escuras.
Flores em pequenas formações umbeliformes, brancas, curtamente pedunculadas.
O fruto é uma baga, verde a princípio, negra quando madura, de sabor amargo e nauseante. É venenoso.
Habitat: Perto das habitações.
Valor terapêutico: Aplicam-se as folhas frescas, machucadas, sobre feridas e úlceras.
O decocto das folhas é bom para lavar as partes inflamadas, intu-mescidas,
irritadas, dolorosas.
Em cataplasmas, aplicam-se sobre dartros vivos e dolorosos, úlceras dolorosas,
tumores inflamatórios, furúnculos, flegmões, panarícios, queimaduras.
Usam-se as folhas, também, em banhos, contra as dores reumáticas.
Afirma-se que, cozidas, as folhas perdem as propriedades tóxicas.
Parte usada: Folhas.




terça-feira, 13 de outubro de 2015

ERVA-MACAÉ (Leonurus sibiricus) É estomacal e eupéptica.

ERVA-MACAÉ (Leonurus sibiricus) É estomacal e eupéptica.

456 ERVA-MACAÉ (Leonurus sibiricus)
Família: Labiadas.
Sinonímia: Erva-de-macaé, marroio.
Característica: Planta herbácea.
Habitat: Rio de Janeiro e outros Estados.
Valor terapêutico: É estomacal e eupéptica.
Usa-se contra os vômitos, os embaraços gástricos, a gastrenterite.
(Eupéptico: Que tem boa digestão.)


ERVA-MINUANA (Oenothera affinis)

457 ERVA-MINUANA (Oenothera affinis)
Família: Oenoteráceas.
Características: Planta herbácea campestre.
Pétalas amarelas, com desenhos vermelhos no fundo da corola.
Habitat: Estados do Sul.
Valor terapêutico: Usa-se machucada, para curar feridas.



segunda-feira, 12 de outubro de 2015

ERVA-GROSSA (Elephantopus scaber, Elephantopus tomentosus)

ERVA-GROSSA (Elephantopus scaber, Elephantopus tomentosus)

455 ERVA-GROSSA (Elephantopus scaber, Elephantopus tomentosus)
Família: Compostas.
Sinonímia: Suaçu-caá, sussuaia, cuaçuaia, erva-colégio, língua-de-vaca,
fumo-da-mata, fumo-bravo, erva-do-veado, pé-de-elefante.
Características: Arbusto de quase um metro de altura.
Floresce em setembro.
Habitat: Nos terrenos abandonados, frescos e úmidos.
Valor terapêutico:
As folhas, em decocção, são sudoríficas; em cataplasmas,
são emolientes e resolutivas.
O suco fresco das folhas é indicado como remédio contra os cálculos urinários.
A raiz é adstringente e febrífuga.
A erva-grossa tem fama, igualmente, de combater o catarro pulmonar e curar
a elefantíàse.



domingo, 11 de outubro de 2015

ERVA DO PÂNTANO em cataplasmas, contra as hérnias.

ERVA DO PÂNTANO em cataplasmas, contra as hérnias.

453 ERVA DO PÂNTANO (Sagitaria brasiliensis)
Família: Alismatáceas.
Característica: Planta herbácea.
Habitat: Dá à margem dos regatos, rios e lagoas.
Valor terapêutico: As folhas são usadas topicamente como emo-lientes.
Secas e reduzidas a pó, são empregadas, em cataplasmas, contra as hérnias.


ERVA-DUTRA (Mikania martusiana)

454 ERVA-DUTRA (Mikania martusiana)
Família: Melastomáceas.
Características: Arbusto de até 4 metros de altura.
Ramos cilíndricos, erectos.
Folhas erectas, opostas, cruzadas, verde-claras na face superior.
Valor terapêutico: Emprega-se para abscessos internos, anginas,
diarréia rebelde, hemoptises, rouquidão, vômitos.
Partes usadas: Folhas e talos.
Dose: 20 gramas para 1 litro de água; 4 a 5 xícaras por dia.



sábado, 10 de outubro de 2015

ERVA-DO-PAI-CAETANO (Verbena littoralis)

ERVA-DO-PAI-CAETANO (Verbena littoralis)

452 ERVA-DO-PAI-CAETANO (Verbena littoralis)
Família: Verbenáceas.
Característica: Planta herbácea.
Habitat: Encontra-se no Sul do Brasil.
Valor terapêutico: É apregoada por suas virtudes estimulantes,
febrífugas e cicatrizantes.



sexta-feira, 9 de outubro de 2015

ERVA-DE-SOLDADO (Piper elongatum, Piper angustifolium, Piper purpurascens)

ERVA-DE-SOLDADO (Piper elongatum, Piper angustifolium, Piper purpurascens)

451 ERVA-DE-SOLDADO (Piper elongatum, Piper angustifolium, Piper purpurascens)
Família: Piperáceas.
Sinonímia: Matico.
Característica: Arbusto.
Habitat: Comum em Minas Gerais e no Espírito Santo.
Valor terapêutico: O infuso das folhas constitui poderoso remédio contra a leucorréia e a blenorragia.
"O Piper angustifolium ... é aplicado pelo povo nas doenças pulmonares e urinárias, bem como no tratamento de feridas." João S. Decker, Aspectos Biológicos da Flora Brasileira, pág. 2.
"As folhas (secas, pulverizadas) são hemostáticas... Em infusão, usam-se contra as diarréias e disenterias ( 10 a 15 folhas)." Paul le Cointe, Árvores e Plantas Úteis, pág. 185.
Parte usada: Folhas.
Dose: 20 gramas para 1 litro de água; 4 a 5 xícaras por dia.




quinta-feira, 8 de outubro de 2015

ERVA-DE-SAPO-DA-VERMELHA (Begônia sanguínea)

ERVA-DE-SAPO-DA-VERMELHA (Begônia sanguínea)

450 ERVA-DE-SAPO-DA-VERMELHA (Begônia sanguínea)
Família: Begoniáceas.
Sinonímia: Begônia-sangue.
Característica: Planta herbácea.
Habitat: É conhecida no Rio de Janeiro.
Valor terapêutico: É apregoada como febrífuga e diurética.




quarta-feira, 7 de outubro de 2015

ERVA-DE-SAPO Tem propriedades diuréticas e febrífugas.

ERVA-DE-SAPO Tem propriedades diuréticas e febrífugas.

446 ERVA-DE-SAPO (Begônia bi-dentata)
Família: Begoniáceas.
Sinonímia: Azeda-dos-ilhéus.
Característica: Planta herbácea.
Habitat: É comum no Rio de Janeiro, no Espírito Santo, no Sul da Bahia.
Valor terapêutico: Tem propriedades diuréticas e febrífugas.


ERVA-DE-SAPO (Begônia cuculata)

447 ERVA-DE-SAPO (Begônia cuculata)
Família: Begoniáceas.
Sinonímia: Azedinha-do-brejo. Há também outras plantas, da mesma família,
com os mesmos nomes.
Outro idioma: Agrio-agrial (Argentina).
Característica: Planta herbácea.
Habitat: Rio de Janeiro, Minas Gerais, Mato Grosso, Estados do Sul.
Valor terapêutico: Usa-se para combater os catarros da bexiga e todas as classes de febres.
Emprega-se também como diurético.

ERVA-DE-SAPO (Begônia hirtella)

448 ERVA-DE-SAPO (Begônia hirtella)
Família: Begoniáceas.
Na mesma família, há várias outras ervas com os mesmos nomes.
Sinonímia: Saracura, erva-de-saracura.
Característica: Planta herbácea.
Habitat: Estados do Norte e Nordeste.
Valor terapêutico: É útil contra os catarros vesicais e as diarréias.
É também diurética.

ERVA-DE-SAPO (Begônia undulata)

449 ERVA-DE-SAPO (Begônia undulata)
Família: Cucurbitáceas. Há também outras ervas-de-sapo, da família das Begoniáceas.
Característica: Erva trepadeira.
Habitat: Comum no Rio de Janeiro.
Valor terapêutico: É uma planta diurética e febrífuga.



terça-feira, 6 de outubro de 2015

ERVA-DE-SÃO-PEDRO contra o reumatismo.

ERVA-DE-SÃO-PEDRO contra o reumatismo.

445 ERVA-DE-SÃO-PEDRO (Hiptis melepoefolia)
Família: Labiadas.
Características: Planta herbácea, semelhante à erva-cidreira.
Habitat: Amazônia.
Valor terapêutico: Usa-se, em infusão, contra as cefalalgias,
as gastralgias, as afecções nervosas, a histeria.
Externamente, emprega-se, em banhos, contra o reumatismo.



segunda-feira, 5 de outubro de 2015

ERVA-DE-SÃO-MARTINHO É uma planta diurética e antioftálmica.

ERVA-DE-SÃO-MARTINHO É uma planta diurética e antioftálmica.

444 ERVA-DE-SÃO-MARTINHO (Sauvagesia erecta)
Família: Ocnáceas, Violáceas.
Sinonímia: Adima, ioaba, sauvagesia.
Características: Erva de caule prostrado, arroxeado.
Flores arroxeadas.
Habitat: Nos terrenos brejosos.
Valor terapêutico: É uma planta diurética e antioftálmica.
É "empregada contra moléstias pulmonares, inflamações dos olhos,
uremias, como estomáquico e antifebril."
F. C. Hoehne, Plantas e Substâncias Vegetais Tóxicas e Medicinais, pág. 194.



domingo, 4 de outubro de 2015

ERVA-DE-SANTA-MARIA para afugentar pulgas

ERVA-DE-SANTA-MARIA para afugentar pulgas

443 ERVA-DE-SANTA-MARIA (Chenopodium ambrosioides)
Família: Quenopodiáceas.
Sinonímia: Erva-formigueira, erva-vomiqueira, caácica.
No Norte do País a erva chama-se mentruz, mastruz ou mastruço; no Sul mas-truço é outra planta.
Outro idioma: Poudre aux vers (Guiana Francesa).
Características: Subarbusto.
Folhas alternas, sésseis, ascendentes, atenuadas em ambas as extremidades, algo sinuosas, e fortemente denteadas.
As superiores são lanceoladas, inteiras.
Inflorescência em cachos alongados nas extremidades das ramificações do caule.
Flores miúdas, esverdeadas.
Toda a planta tem cheiro forte, desagradável.
Valor terapêutico: A erva-de-santa-maria é empregada para afugentar pulgas e percevejos.
Para este fim, os nossos caboclos costumam varrer seus cômodos com os ramos desta planta, colocando-os também sob os colchões.
Para se conseguir uma essência inseticida ativa costuma-se destilar somente as sementes limpas desta erva em banho-maria, ou seja, por meio de vapor. A proporção que se emprega é de 1-3 por mil.
Pode-se, no entanto, destilar toda a planta, para obter um bom inseticida.
Esta erva no Brasil é muito famosa como vermífuga.
Aliás a maior parte dos vermífugos são compostos de erva-de-santa-maria.
A dose que se recomenda para este fim, é de 10 gramas de folhas em 1 litro de água.
Costuma tomar-se um gole de hora em hora.
Depois de se tomar o chá desta erva, tomam-se umas colheres de óleo de rícino.
Fazemos estas referências, só porque o uso desta planta para combater vermes, inclusive a tênia (solitária), é muito generalizado no Brasil.
Caso contrário, não a incluiríamos aqui.
As plantas venenosas preferimos deixar de lado, porque o seu uso, ainda que, em doses pequenas, possa trazer algum benefício, é perigoso.
É também indicada para combater a dança-de-são-vito e usada empiricamente contra a tuberculose.
(Uma colher de sopa do sumo em jejum).
É geralmente conhecido o efeito abortivo desta planta.
Portanto as mulheres grávidas não devem usá-la de maneira alguma.
Não se ignora tampouco que doses mais ou menos fortes da essência desta erva, quando usada para combater vermes, trazem doenças e algumas vezes até a morte.
Partes usadas: Folhas, sumidades floridas e sementes, em infusão.
Dose: 10 gramas em 1 litro de água; 3 xícaras por dia.
Não se deve ir além desta dose.




sábado, 3 de outubro de 2015

ERVA-DE-PASSARINHO (Oryctanthus ruficaulis)

ERVA-DE-PASSARINHO (Oryctanthus ruficaulis)

440 ERVA-DE-PASSARINHO (Oryctanthus ruficaulis)
Família: Lorantáceas.
Sinonímia: Erva-passarinheira, enxerto-de-passarinho, enxerco, gui-rarepoti.
Características: Subarbusto parasita.
O fruto fornece um visgo e um pouco de borracha.
Valor terapêutico: Como resolutivo enérgico, usa-se na orquite e
nos tumores diversos.
Parte usada: Folhas.


ERVA-DE PASSARINHO em úlceras crônicas

441 ERVA-DE PASSARINHO (Struthanthus flexicaulis)
Família: Lorantáceas.
Sinonímia: Erva-passarinheira, enxerto-de-passarinho, enxerco, guirarepoti.
Características: Erva-de-passarinho é um nome dado a várias plantas de
caule flexuoso, as quais parasitam as árvores, especialmente as laranjeiras,
por disseminação feita pelos pássaros, ávidos dos pequenos frutos dessas espécies, da família das Lorantáceas. É uma planta que se propaga com muita facilidade, e cobre literalmente todos os ramos da árvore, matando-a em pouco tempo.
Valor terapêutico: Emprega-se contra a leucorréia, a bronquite e a hemoptise.
Em clister, combate as diarréias.
Parte usada: Folhas, em decocção.
Família: Euforbiáceas.
Sinonímia: Erva-andorinha.
Características: Planta herbácea.
Cresce até uns 60 cm de altura.
Caule nodoso.
Quando se faz um talho, sai um suco leitoso, muito cáustico.
Folhas oblongas, agudas, pequenas.
Flores pequenas, vermelhas.
Habitat: Nos lugares úmidos, à beira dos riachos: Bahia, Rio, S.
Paulo e outros Estados.
Valor terapêutico:
As folhas machucadas aplicam-se, em forma de cataplasmas, em úlceras crônicas,
feridas velhas, etc.
Tem aplicação, também, nos casos de oftalmias purulentas e inflamações das pálpebras.



sexta-feira, 2 de outubro de 2015

ERVA-DE-LAGARTO (Tournefortia laevígata)

ERVA-DE-LAGARTO (Tournefortia laevígata)

438 ERVA-DE-LAGARTO (Tournefortia laevígata)
Família: Borragináceas.
Sinonímia: Língua-de-teju.
Característica: Planta herbácea.
Valor terapêutico: É uma planta hidragoga, útil, portanto, na hidropisia.
Tem aplicação, igualmente, na sífilis.
Partes usadas: Folhas e raiz, em decocção.


ERVA DE PASSARINHO (Phthirusa theobromae)

439 ERVA DE PASSARINHO (Phthirusa theobromae)
Família: Lorantáceas.
Características: Parasita dos cacaueiros.
O fruto fornece um pouco de borracha.
Valor terapêutico: As folhas e flores são vulnerárias.
Os frutos são venenosos.
(Vulnerário: Diz-se de uma substância própria para curar feridas.)


quinta-feira, 1 de outubro de 2015

ERVA-DE-COBRA contra picadas de cobras.

ERVA-DE-COBRA contra picadas de cobras.

437 ERVA-DE-COBRA (Mikania opifera, Eupatorium crenatum, Cacalia cordata,
Euphorbia unicolor)
Família: Compostas.
Características: Planta de haste trepadeira, angulosa.
Folhas pe-cioladas, cordiformes na base.
Flores em calátides.
Habitat: Rio, Minas, S. Paulo e outros Estados.
Valor terapêutico: Emprega-se contra: anúria, febres adinâmicas;
e, como o nome indica, os sertanejos usam esta planta interna e externamente
contra picadas de cobras.
Parte usada: Toda a planta.
Dose: 20 gramas para 1 litro de água; 4 a 5 xícaras por dia.



quarta-feira, 30 de setembro de 2015

ERVA-DE-CHUMBO contra os cálculos biliários.

ERVA-DE-CHUMBO contra os cálculos biliários.

436 ERVA-DE-CHUMBO (Cassytha americana)
Família: Lauráceas.
Características: Cipó rasteiro.
Caules filiformes, compridos, amarelos.
Habitat: Nos campos de terra firme, arenosos.
Valor terapêutico: O infuso é bom remédio contra os cálculos biliários.



terça-feira, 29 de setembro de 2015

ERVA-DE-BUGRE (Casearia sylvestris, Samyda sylvestris)

ERVA-DE-BUGRE (Casearia sylvestris, Samyda sylvestris)

435 ERVA-DE-BUGRE (Casearia sylvestris, Samyda sylvestris)
Família: Flacurtiáceas.
Sinonímia: Erva-de-lagarto, erva-de-teiú, língua-de-teiú, café-bra-vo.
Os cablocos dão às caseárias, de modo genérico, o nome de guaçatuga.
Características: Árvore de mais de 10 metros.
Folhas alternas, oval-acuminadas, serreadas.
Valor terapêutico: É depurativa do sangue.
Usa-se contra a hi-dropsia, as moléstias da pele, a sífilis.
Partes usadas: Folhas e raiz.
Dose: 20 gramas para 1 litro de água; 4 a 5 xícaras por dia.




segunda-feira, 28 de setembro de 2015

ERVA DAS ESCALDADELAS (Scrophularia aquatica)

ERVA DAS ESCALDADELAS (Scrophularia aquatica)

433 ERVA DAS ESCALDADELAS (Scrophularia aquatica)
Família: Escrofulariáceas.
Sinonímia: Betônica-d'água, iquetaia, iquetária.
Outro idioma: Grande morele, Herbe aux hémorroides, herve du siege, Orvalle d'eau (França).
Características: Planta herbácea.
Caule quadrangular.
Folhas cordiformes.
Flores em cachos.
Habitat: Medra junto das águas.
Valor terapêutico:
O decocto (cozimento) é usado contra as hemorróidas, a pleurisia,
a malária e a apoplexia.
As folhas machucadas têm indicação como vulnerárias e resolutivas.



ERVA-DE-BICHO (Cuphea speciosa, Cuphea melvilla)

434 ERVA-DE-BICHO (Cuphea speciosa, Cuphea melvilla)
Família: Litráceas.
Sinonímia: Erva-do-bicho. Não se deve confundir esta planta com
outra de igual nome, da família das Poligonáceas (Polygonum acre),
também chamada pimenta-d'água ou cataia.
Característica: Planta herbácea.
Habitat: Mato Grosso e outros Estados.
Valor terapêutico:
"A Cuphea melvilla de Mato Grosso, ou 'erva-de-bicho',
é antelmíntica e anti-hemorroidária." J. S. Decker,
Aspectos Biológicos da Flora Brasileira, pág. 231.



domingo, 27 de setembro de 2015

ERVA-COBRE contra gota e reumatismo.

ERVA-COBRE contra gota e reumatismo.

432 ERVA-COBRE (Mikania cordifolia)
Família: Compostas.
Sinonímia: Coração-de-jesus, erva-de-cobra, guaco.
Características: Planta trepadeira.
Folhas opostas, cordiformes.
Capítulos pequenos, em cimeiras.
Há várias espécies de guaco. A espécie de que estamos falando aqui, tem folhas cordiformes.
Valor terapêutico:
Em banhos, emprega-se contra gota e reumatismo.
O suco das folhas dá bom resultado em fricções, nas partes doloridas, em casos de reumatismo, gota, nevralgias, contusões.



sábado, 26 de setembro de 2015

ERVA CIDREIRA VERDADEIRA (Melissa officinalis)

ERVA CIDREIRA VERDADEIRA (Melissa officinalis)

431 ERVA CIDREIRA VERDADEIRA (Melissa officinalis)
Família: Labiadas.
Sinonímia: Melissa, melissa-romana, cidrilha, chá-de-frança, melitéia.
Outros idiomas: Melisa, Toronjil (países de fala castelhana), Mélisse (França),
Balm (Inglaterra, EEUU), Zitronenkrant (Alemanha), Er-ba citrata (Itália).
Características: Planta de até um metro de altura.
Folhas opostas, pecioladas, ovais, serreadas, algo pontiagudas, algo grandes,
ver-de-claras, acinzentadas, de superfície marginal áspera.
Pequeninas flores de cor branca, de cheiro semelhante ao do limão.
Habitat: Aclimada e cultivada no Brasil.
Valor terapêutico:
Emprega-se, com bons resultados, nos seguintes casos:
afecções gástricas e nervosas, amenorréia, arrotos, cãibras intestinais
e da matriz, debilidade geral, dispepsia, desmaios, dores de cabeça,
dores reumáticas, enfermidades do baixo ventre, epilepsia, enxaquecas, espasmos,
flatulências, hipocondria, histerismo, icterícia, má circulação do sangue,
palpitação do coração, pericardite, paralisia, resfriados, tosse, vertigens.
Folhas frescas de erva-cidreira, aplicadas sobre as pálpebras, acalmam as dores
em casos de inflamação dos olhos.
Lavagens intestinais mornas, com o chá desta planta dão bons resultados
contra o tenesmo e diarréias com sangue.
Bochechos com um pouco de chá quente de erva-cidreira, acalmam as dores de dentes.
O suco que se obtém das folhas machucadas, e que se mistura com um pouco de sal,
aplica-se vantajosamente contra a caxumba.
As cataplasmas desta planta, aplicadas quentes sobre o ventre, acalmam toda
a classe de dores do estômago, intestino, fígado e matriz.
Parte usada: Folhas frescas.
Dose: 20 gramas para 1 litro de água; 4 a 5 xícaras por dia.





sexta-feira, 25 de setembro de 2015

ERVA-CIDREIRA-DO-MATO na redução dos gases intestinais.

ERVA-CIDREIRA-DO-MATO na redução dos gases intestinais.

429 ERVA-CIDREIRA-DO-MATO (Citriosma apiossyce)
Família: Monimiáceas.
Característica: Arbusto.
Habitat: É conhecida na Bahia e no Espírito Santo.
Valor terapêutico: Encerra propriedades carminativas e estimulantes.
É difusiva.
(Carminativo: Diz-se dos remédios usados na redução dos gases intestinais.)


ERVA-CIDREIRA-DOS-CAMPOS (Siparuna camporum, Citriosma camporum)

430 ERVA-CIDREIRA-DOS-CAMPOS (Siparuna camporum, Citriosma camporum)
Família: Monimiáceas.
Sinonímia: Limão-bravo.
Característica: Arbusto.
Valor terapêutico: Ê estimulante, antiespasmódica, estomáquica, carminativa.
(Carminativo: Diz-se dos remédios usados na redução dos gases intestinais.)


quinta-feira, 24 de setembro de 2015

ERVA-CIDREIRA (Lantana canescens) estomáquica e emenagoga.

ERVA-CIDREIRA (Lantana canescens) estomáquica e emenagoga.

427 ERVA-CIDREIRA (Lantana canescens)
Família: Verbenáceas.
Características: Subarbusto.
Valor terapêutico: É uma planta antiespasmódica, estomáquica e emenagoga.
(Emenagogo: Diz-se de, ou substância que provoca a menstruação. )


ERVA-CIDREIRA (Lippia geminata)

428 ERVA-CIDREIRA (Lippia geminata)
Família: Verbenáceas.
Sinonímia: Erva-cidreira-do-campo, salva-do-brasil.
Características: Subarbusto.
Cresce até um metro de altura.
Tem cheiro de erva-cidreira-verdadeira.
Valor terapêutico: É peitoral, estomáquica, emenagoga, antiespasmódica.



quarta-feira, 23 de setembro de 2015

ERVA-ANDORINHA remédio contra a asma.

ERVA-ANDORINHA remédio contra a asma.

426 ERVA-ANDORINHA (Euphorbia pilulifera)
Família: Euforbiáceas.
Sinonímia: Caá-cica, caá-tiá, erva-de-santa-luzia.
Características: Planta herbácea.
Folhas ovais, oblongas, serrea-das.
Flores aglomeradas.
Valor terapêutico: o látex e o decocto das folhas são empregados nas doenças dos olhos.
O mesmo decocto tem aplicação como diurético e como remédio contra a asma.




terça-feira, 22 de setembro de 2015

ENXERTO-DE-PASSARINHO (Loranthus americanus)

ENXERTO-DE-PASSARINHO (Loranthus americanus)

425 ENXERTO-DE-PASSARINHO (Loranthus americanus)
Família: Lorantáceas.
Características: Planta parasita que, em grupos, vegeta nas árvores.
Tubérculos na base.
Folhas verticiladas em três, ovais, reviradas, carnosas.
Flores avermelhadas, tubiformes, em cachos.
Fruto: baga oval, verde, curvada, com uma semente no interior.
Habitat: Nos Estados do Nordeste.
Valor terapêutico: O suco fresco tem propriedades resolutivas.
Toma-se o decocto para combater as afecções crônicas do peito.



segunda-feira, 21 de setembro de 2015

ENVIRA combate as cólicas do útero

ENVIRA combate as cólicas do útero

422 ENVIRA (Guatteria ouregou)
Família: Anonáceas.
Características: Árvore grande.
Madeira alvacenta, dura. Dá fibras e estopa.
Folhas e frutos picantes.
Valor terapêutico: Usa-se para combater as cólicas do útero,
a dor de estômago, a dispepsia.
Parte usada: Sementes, em infusão.


ENVIRA (Xylopia frutescens)

423 ENVIRA (Xylopia frutescens)
Família: Anonáceas.
Sinonímia: Pindaíba, pindaúba, jejerecu, pimenta-de-gentio, imbi-ra, ibira.
Outro idioma: Coguerécou (Guiana Francesa).
Características: Árvore pequena ou arbusto.
Assemelha-se aos araticuns. A casca dá fibras para cordoaria.
Os frutos substituem a pimenta-do-reino.
Habitat: Amazônia.
Valor terapêutico: É uma planta carminativa.
(Carminativo: Diz-se dos remédios usados na redução dos gases intestinais.)
Parte usada: Sementes, em infusão.


ENVIRA-BRANCA Combate a febre

424 ENVIRA-BRANCA (Xylopia grandiflora)
Família: Anonáceas.
Sinonímia: Pimenta-do-sertão.
Característica: Árvore.
Os frutos substituem a pimenta-do-reino.
Habitat: Nas capoeiras da Amazônia, Minas Gerais, Rio de Janeiro e outros Estados.
Valor terapêutico: A casca é febrífuga.
Os frutos e as sementes são carminativos.



domingo, 20 de setembro de 2015

ENDRO Usa-se nas cólicas, dispepsias, arrotos, flatulências

ENDRO Usa-se nas cólicas, dispepsias, arrotos, flatulências

421 ENDRO (Anethum graveolens, Pastinaca anethum)
Família: Umbelíferas.
Características: Planta herbácea, de 30 cm a 1 metro de altura, muito cheirosa.
Raiz esbranquiçada, mais ou menos ramificada.
Haste cilíndrica, pouco ramosa, glabra, estriada, glauca.
Folhas alternas, dilatadas na base, abarcantes, recortadas em numerosos segmentos lineares, vassovelados, glabros.
Flores amarelas, pequenas, dispostas em amplas umbelas terminais, de 30 a 40 raios.
Valor terapêutico:
Na medicina caseira o endro tem as mesmas aplicações que o anis,
o cominho e o funcho.
Usa-se nas cólicas, dispepsias, arrotos, flatulências, hiperacidez estomacal, etc.
O chá das sementes é bom remédio contra a insônia.
Nas inflamações dos olhos, aplicam-se compressas do chá das sementes.
"Os banhos de vapor, de endro, tiram as dores da matriz.
"O endro fervido em azeite de oliva, e aplicado quente sobre furúnculos, etc., amadurece-os e tira a dor em todos os casos." Dr. Leo Manfred.
Parte usada: Sementes, em infusão.
Dose: 5 a 10 gramas para 1 litro de água; 4 a 5 xícaras por dia.




sábado, 19 de setembro de 2015

EMBIRATAÍ contra o reumatismo.

EMBIRATAÍ contra o reumatismo.

420 EMBIRATAÍ (Duguetia riparia)
Família: Anonáceas.
Sinonímia: Envirataí.
Características: Árvore.
Madeira amarelo-pardacenta.
Valor terapêutico: Emprega-se contra o reumatismo.
Partes usadas: Casca e raiz, em banhos.



sexta-feira, 18 de setembro de 2015

EMBIRA-DE-CAÇADOR contra as flatulências intestinais.

EMBIRA-DE-CAÇADOR contra as flatulências intestinais.

419 EMBIRA-DE-CAÇADOR (Gualteria vilosissima, Polyandria polyginia)
Família: Anonáceas.
Sinonímia: Prindaíba.
Características: Arbusto ou árvore.
Ramos flexíveis.
Folhas grandes, oblongas.
Fruto capsular, oval, chato, contendo uma semente.
Valor terapêutico: As sementes contêm virtudes estomàquicas e carminativas.
Recomendam-se contra as flatulências intestinais.



quinta-feira, 17 de setembro de 2015

ÉGRIO contra os catarros pulmonares.

ÉGRIO contra os catarros pulmonares.

418 ÉGRIO (Nasturtium pumilum)
Família: Crucíferas.
Características: Planta herbácea quase sem caule.
As folhas, que brotam à superfície da terra, são como lâminas sinuosas,
com recortes laterais irregulares.
Flores brancas.
Usa-se em salada.
Habitat: Rio de janeiro e outros Estados.
Valor terapêutico: Tem indicação como antiespasmódica e é usada contra
os catarros pulmonares.




quarta-feira, 16 de setembro de 2015

DRAGÃO-FEDORENTO (Monstera Adansonii)

DRAGÃO-FEDORENTO (Monstera Adansonii)

417 DRAGÃO-FEDORENTO (Monstera Adansonii)
Família: Aráceas.
Característica: Planta trepadeira, que se assemelha ao cipó-imbé.
Valor terapêutico: As folhas, contusas, aplicadas^ nas regiões mas-toideanas, são úteis nas otites.
Colocadas sobre o ventre, combate a ascite. A raiz tem a propriedade de cauterizar feridas provocadas pela picada de insetos.




terça-feira, 15 de setembro de 2015

DOURADINHA-DO-PARÁ (Lindernia crustacea, Vandelia crustacea)

DOURADINHA-DO-PARÁ (Lindernia crustacea, Vandelia crustacea)

416 DOURADINHA-DO-PARÁ (Lindernia crustacea, Vandelia crustacea)
Família: Escrofulariáceas.
Sinonímia: Douradinha-do-campo, matacana, matucana, orelha-de-rato.
Características: Erva pequena, ramosa, rasteira.
Flores azul-purpú-
reas.
Habitat: Em campos argilosos, secos, abertos.
Valor terapêutico: É diurética, purgativa, emenagoga, emética, antibiliosa.
Dá bons resultados contra o amarelão. É tóxica em dose elevada.
Parte usada: Folhas.



segunda-feira, 14 de setembro de 2015

DOURADINHA-DO CAMPO (Lindernia diffusa, Vandelia diffusa)

DOURADINHA-DO CAMPO (Lindernia diffusa, Vandelia diffusa)

415 DOURADINHA-DO CAMPO (Lindernia diffusa, Vandelia diffusa)
Família: Escrofulariáceas.
Sinonímia: Caá-ataia, orelha-de-rato, papaterra, purga-de-joão-pais.
Características: Erva miúda, ramosa, rasteira.
Flores azul-violá-ceas e brancas.
Habitat: Em campos argilosos, secos, abertos.
Valor terapêutico: É uma planta diurética, purgativa, emenagoga, emética, antibiliosa, como douradinha-do-pará.
Usa-se, com bons resultados, contra o amarelão. É, porém, venenosa em alta dose.
Parte usada: Folhas.



domingo, 13 de setembro de 2015

DOURADINHA para amolecer tumores e limpar úlceras

DOURADINHA para amolecer tumores e limpar úlceras

414 DOURADINHA (Waltheria douradinha, Stemodia arenaria)
Família: Esterculiáceas.
Sinonímia: Douradinha-verdadeira-dos-campos.
Características: Subarbusto.
Caule e ramos pubescentes.
Folhas ovais, algumas cordiformes na base, serreadas.
Pecíolo empubescido.
Inflorescência em calátides.
Habitat: Minas e Estados do Sul.
Valor terapêutico: É uma planta vulgarmente empregada nas moléstias pulmonares.
Também se usa na sífilis.
F. C. Hoehne diz a respeito das Waltherias:
"Muitas delas encontram ... emprego na terapêutica popular contra bronquites,
tosses, e para amolecer tumores e limpar úlceras velhas.
Elas são emolientes e maturativas.
Merecem menção especial como tais a Waltheria douradinha, que é a douradinha-verdadeira-dos-campos, e a Waltheria viscosissima, que é mais alta e rica em óleo etéreo e mucilagem."
Parte usada: Folhas, em infusão.
Dose: 20 gramas para 1 litro de água; 4 a 5 xícaras por dia.




sábado, 12 de setembro de 2015

DIAMBARANA É usada contra os vermes e nas afecções do estômago.

DIAMBARANA É usada contra os vermes e nas afecções do estômago.

412 DIAMBARANA (Coutoubea ramosa)
Família: Gencianáceas.
Características: Arbusto.
Flores purpúreas.
Habitat: Nas margens dos igapós.
Valor terapêutico: É usada contra os vermes e nas afecções do estômago.


DISCIPLINA-DE-FREIRA As folhas são emolientes.

413 DISCIPLINA-DE-FREIRA (Amarantus caudatus)
Família: Amarantáceas.
Sinonímia: Disciplina-de-religiosa, rabo-de-gato, veludo-de-penca, amaranto-cauda-de-raposa.
Características: Planta herbácea, cujas flores formam cordões compridos.
Folhas alternas, pecioladas, desprovidas de estipulas.
Habitat: Bahia.
Valor terapêutico: As folhas são emolientes.
As flores, em xarope, são peitorais. São, também, ligeiramente adstringentes.



sexta-feira, 11 de setembro de 2015

DENTE-DE-LEÃO contra as enfermidades do fígado

DENTE-DE-LEÃO contra as enfermidades do fígado

411 DENTE-DE-LEÃO (Taraxacum officinale, Taraxacum dens leonis, Leontodon taraxacum)
Família: Compostas.
Sinonímia: Taraxaco.
Características: Erva vivaz.
Raiz pivotada.
Folhas radicais, disposta em roseta, lanceoladas; algumas são inteiras, outras são onduladas, outras (a maioria) apresentam recortes mais ou menos profundos e irregulares, formando lobos desiguais, triangulares, terminados por uma ponta aguda. O limbo das folhas é sustentado por um pecíolo curto, abarcante, freqüentemente avermelhado.
Do ápice do caule subterrâneo partem hastes florais erectas, curvas, mais compridas que as folhas, fistulosas, terminadas por uma inflorescência amarela.
Cada capítulo floral compõe-se unicamente de flores liguladas, de maneira que parecem dobradas, como acontece com os cravos.
Os frutos são aquênios.
Terminam em apêndices compridos e coroados de topetes de cerdas finíssimas, estendidas por todos os lados, dando ao conjunto um aspecto de pára-quedas.
Os frutos se deslocam com o mais leve toque da brisa ou do assopro, voando para longe.
As folhas, hastes e flores, sofrendo a mínima lesão, emitem um látex que deixa manchas na roupa.
Valor terapêutico:
As folhas novas dão uma salada muito saudável, de efeito depurativo do sangue.
Tanto a salada como o suco das folhas são, outrossim, um bom remédio
contra as enfermidades do fígado, especialmente contra a congestão hepática
e a icterícia.
Nas hidropsias, usa-se o taraxaco como diurético. É útil também contra a acidose.
Partes usadas: Folhas e raiz.
Dose: duas a três colheradas de suco por dia.





quinta-feira, 10 de setembro de 2015

DAMIANA (Turnera diffusa)

DAMIANA (Turnera diffusa)

410 DAMIANA (Turnera diffusa)
Família: Turneráceas.
Características: Arbusto muito ramoso e pubescente.
Habitat: Nos Estados do Norte.
Valor terapêutico: É uma planta apregoada como estimulante,
tônica para os nervos, diurética e útil contra a neurastenia, a impotência,
a dispepsia, a leucorréia, a diabete, a malária e as paralisias.



quarta-feira, 9 de setembro de 2015

CUTITIRIBÁ (Lucuma rivicoa)

CUTITIRIBÁ (Lucuma rivicoa)

409 CUTITIRIBÁ (Lucuma rivicoa)
Família: sapotáceas.
Sinonímia: Cututiribá, cutiti, guité-tiribá, guiti-toroba, tuturuba,
tutiribá, uititiribá, uiti-toroba.
Outro idioma: Cainito ou Jaune d'oeuf (Guiana Francesa)
Características: Árvore grande ou média, muito frondosa.
Madeira amarelada. A massa do fruto, comestível, tem a aparência de
uma gema de ovo.
Habitat: Amazônia.
Valor terapêutico: A casca é antidisentérica.
Ralada e aplicada com um pouco de água, leite ou azeite mornos,
num pouco de algodão, é bom remédio contra as otites.
As sementes prestam-se para os mesmos fins.



terça-feira, 8 de setembro de 2015

CURRALEIRA emprega-se nas afecções sifilíticas, cancros venéreos, erupções da pele

CURRALEIRA emprega-se nas afecções sifilíticas, cancros venéreos, erupções da pele

407 CURRALEIRA (Croton antisyphiliticus, Croton perdiceps, Stemo-dia camphorata)
Família: Euforbiáceas.
Sinonímia: Alcanforeira (Minas), pé-de-perdiz, erva-mular, erva-curraleira, mercúrio-do-campo.
Características: Erva pequenina, que vegeta em diversos Estados do Brasil.
Folhas curtamente pecioladas.
Inflorescência em espigas terminais.
Flores monóicas. O fruto é uma cápsula trilocular, encerrando 3 caroços.
Valor terapêutico: Dado o seu poder depurativo, emprega-se nas
afecções sifilíticas, cancros venéreos, erupções da pele, úlceras, etc.
Também se usa, com bom efeito, na disenteria.
Parte usada: Folhas e raiz.
Dose: 10 gramas para 1 litro de água; 4 a 5 xícaras por dia.


CURUMI (Muntingia calabura)

408 CURUMI (Muntingia calabura)
Família: Tiliáceas.
Sinonímia: Pau-de-seda, calabura.
Outro idioma: Bois ramier (Guiana Francesa).
Características: Árvore média.
Na rotura da casca, as fibras parecem uma verdadeira renda de seda.
Prestam-se para o fabrico de cordas.
Fruto: bagas vermelhas, doces, comestível.
Habitat: Amazônia.
Valor terapêutico: É uma planta antiespasmódica.
Parte usada: Flores.



segunda-feira, 7 de setembro de 2015

CUMARI (Capsicum fructescens, Capsicum cumarim)

CUMARI (Capsicum fructescens, Capsicum cumarim)

404 CUMARI (Capsicum fructescens, Capsicum cumarim)
Família: Solanáceas.
Sinonímia: Cumbari, cumbarim, pimenta-cumari.
Característica: Arbusto que produz a pimenta cumari.
Valor terapêutico: O decocto das folhas, com algumas pimentas,
é útil no combate às anginas, em gargarejos.
Em lavagens intestinais, é bom contra as hemorróidas.


CUMARU (Coumarouna odorata)

405 CUMARU (Coumarouna odorata)
Família: Leguminosas-papilionáceas.
Sinonímia: Camaru-verdadeiro, cumaru-amarelo, cumaru-do-ama-zonas,
cumaruzeiro, paru, cumbari, muirapagé.
Outro idioma: Feve tonka e Faux gaiac (Guiana Francesa).
Características: Árvore grande.
Madeira castanho-amarelada.
Flores vermelhas, aromáticas.
Fruto: Fava amarga, não comestível.
Habitat: Na mata de terra firme, em todo o Baixo Amazonas.
Valor terapêutico: A tintura das favas é tônica e antiespasmódica.
Emprega-se como moderador da respiração e dos movimentos cardíacos.



CUPÂNIA (Cupania sapida)

406 CUPÂNIA (Cupania sapida)
Família: Sapindáceas.
Características: Árvore.
Folhas compostas de três ou quatro folíolos oval-lanceolados.
Fruto: cápsula deicente, quase do tamanho de um ovo de galinha,
avermelhada ou alaranjada, em cachos pendentes.
Valor terapêutico: O fruto cozido serve para amadurecer abscessos.