quinta-feira, 30 de abril de 2015

CAIAPIÁ (Dorstenia brasiliensis, Dorstenia multiforme)

CAIAPIÁ (Dorstenia brasiliensis, Dorstenia multiforme)

203 CAIAPIÁ (Dorstenia brasiliensis, Dorstenia multiforme, Dorstenia arifolia, Dorstenia tomentosa, Dorstenia montevidensis)
Família: Moráceas.
Sinonímia: Caiapiá-verdadeiro, caapiá-açu, chupa-chupa, conta-de-cobra, contra-erva, taropé, tiu, teiu, teju-açü.
Características: Planta herbácea, quase rasteira.
Folhas oval-alon-gadas, baças, muito ásperas, quase radicais, longipecioladas.
Pecíolos carnosos.
Flor em forma de pendão.
Valor terapêutico: A raiz, que é fibrosa, rugosa e nodosa, é indicada nos casos de perturbações gástricas, cólicas, afecções uterinas, febre tifóide, amenorréia.



quarta-feira, 29 de abril de 2015

CAGAITEIRA (Stenocalyx dysentericus, Eugenia dysenterica, Myrtus dysenterica) contra as disenterias.

CAGAITEIRA (Stenocalyx dysentericus, Eugenia dysenterica, Myrtus dysenterica) contra as disenterias.

202 CAGAITEIRA (Stenocalyx dysentericus, Eugenia dysenterica, Myrtus dysenterica)
Família: Mirtáceas.
Características: Árvore ou arbusto que se assemelha à pitangueira.
Ramos tortuosos.
Casca lisa.
Folhas ovais, lustrosas.
Flores grandes, brancas, parecidas com as da goiabeira.
Fruto globoso, amarelo quando maduro.
Valor terapêutico: O fruto, graças às suas qualidades adstringentes,
é útil contra as disenterias.



terça-feira, 28 de abril de 2015

CAFERANA (Tachia guianensis)

CAFERANA (Tachia guianensis)

200 CAFERANA (Tachia guianensis)
Família: Gencianáceas.
Sinonímia: Jacaréaru, jacaruaru, quássia-do-pará, quina-amargosa, quina-cruzeiro, quina-do-amazonas, quina-do-pará, tinguá-aba, tingua-ciba-do-pará, tuparapó, tuparobá.
Outro idioma: Tachi (Guiana Francesa).
Características: Arbusto.
Caule quadrangular, fistuloso.
Folhas opostas, oblongas, acuminadas na base.
Flores amarelas.
Fruto: cápsula oblonga.
Habitat: Amazônia.
Valor terapêutico: É uma planta vermífuga, antidispéptica, antife-bril, antipalúdica.
Partes usadas: Haste e raiz, em infusão.
Dose: 20 gramas para 1 litro de água; 4 a 5 xícaras por dia.


CAFERANA VERDADEIRA (Picrolemma pseudocoffea)

201 CAFERANA VERDADEIRA (Picrolemma pseudocoffea)
Família: Simarubáceas.
Características: Arbusto.
Raízes castanho-amarelas, muito amargas.
Fruto escarlate.
Habitat: Na terra firme da Amazônia.
Valor terapêutico: É útil como febrífuga e antelmíntica.
Parte usada: Toda a planta, por infusão.



segunda-feira, 27 de abril de 2015

CAFÉ DO MATO (Cordia salicifolia)

CAFÉ DO MATO (Cordia salicifolia)

199 CAFÉ DO MATO (Cordia salicifolia)
Família: Borragináceas.
Sinonímia: Laranja-do-mato (Marajó), chá-de-bugre, chá-de-negro-mina, porangaba.
Características: Arbusto.
Madeira branca.
Flores brancas, campa-nuladas.
Fruto: drupa vermelha, parecida com o café.
Habitat: Minas, Goiás, Bahia.
Valor terapêutico: É muito útil em caso de obesidade e edema.
Parte usada: Folhas, por infusão.
Dose: 20 gramas para 1 litro de água; 4 a 5 xícaras por dia.



domingo, 26 de abril de 2015

CAUCAUEIRO (Theobroma cacao) para tirar manchas do rosto.

CAUCAUEIRO (Theobroma cacao) para tirar manchas do rosto.

198 CAUCAUEIRO (Theobroma cacao)
Família: Esterculiáceas.
Sinonímia: Cacau-verdadeiro.
Características: Árvore pequena, muito esgalhada.
Folhas inteiras, oval-alongadas, acuminadas.
Florés branco-arroxeadas.
Frutos oblongos, grandes, contendo muitas sementes cobertas de polpa.
Valor terapêutico:
A manteiga de cacau serve para curar as rachas dos lábios e dos bicos do seio,
e para tratar as hemorróidas.
Serve também para tirar manchas do rosto.



sábado, 25 de abril de 2015

CABUÇU (Coccoloba Martii)

CABUÇU (Coccoloba Martii)

196 CABUÇU (Coccoloba Martii)
Família: Poligonáceas.
Sinonímia: Caba-açu, guajabara, guajuvira.
Características: Arbusto.
Flores brancas, aromáticas.
Habitat: Amazônia.
Valor terapêutico: A raiz é útil contra a diarréia, a leucorréia e as anginas.
O suco dos frutos é refrigerante e algo adstringente.


CABUREICICA (Myrocarpus fastigiatus)

197 CABUREICICA (Myrocarpus fastigiatus)
Família: Leguminosas.
Sinonímia: Cabureíba, pau-amarelo, cabreúva-do-campo, bálsamo-do-espírito-santo, óleo-pardo.
Característica: Árvore.
Valor terapêutico: A resina que exsuda desta árvore é boa para curar feridas recentes e úlceras crônicas.



sexta-feira, 24 de abril de 2015

CABOATÃ-DE-LEITE (Mauria lactifera) contra o reumatismo.

CABOATÃ-DE-LEITE (Mauria lactifera) contra o reumatismo.

195 CABOATÃ-DE-LEITE (Mauria lactifera)
Família: Terebintáceas.
Características: Arbusto.
Casca acastanhada.
Folhas oval-alonga-das, aloiradas, em palmas.
Flores branco-amareladas, miúdas, em cachos piramidais.
Fruto ovóide, pequeno.
Valor terapêutico: As folhas, em decocção, constituem bom remédio
contra o reumatismo.



quinta-feira, 23 de abril de 2015

CABOATÃ (Cupania vernalis) contra a asma e a tosse

CABOATÃ (Cupania vernalis) contra a asma e a tosse

194 CABOATÃ (Cupania vernalis)
Família: Sapindáceas.
Sinonímia: Caboatã-da-capoeira.
Características: Arbusto.
Caule quadrangular.
Folhas compostas.
Folíolos alongados, grandes, brilhantes, interiormente revestidos de
um pêlo macio, alternos.
Flores quase brancas, em pequenos cachos.
Fruto: noz coriácea.
Valor terapêutico: A casca é bom remédio contra a asma e a tosse convulsa.



quarta-feira, 22 de abril de 2015

CABELO-DE-VÊNUS (Nigella damascena)

CABELO-DE-VÊNUS (Nigella damascena)

193 CABELO-DE-VÊNUS (Nigella damascena)
Família: Ranunculáceas.
Sinonímia: Nigela-dos-jardins, nigela-de-damasco, dama-entre-verdes.
Outro idioma: Barbe-de-capucin (França).
Características: Planta herbácea.
Caule angular.
Folhas muito recortadas.
As folhas superiores formam um invólucro em torno da flor branca ou azulada.
Valor terapêutico: Encerra virtudes emenagogas e carminativas.



terça-feira, 21 de abril de 2015

CABAÇA-AMARGOSA (Lagenaria vulgaris, Cucurbita lagenaria)

CABAÇA-AMARGOSA (Lagenaria vulgaris, Cucurbita lagenaria)

191 CABAÇA-AMARGOSA (Lagenaria vulgaris, Cucurbita lagenaria)
Família: Cucurbitáceas.
Sinonímia: Cuieté, cuitezeira, taqüera, purunga, jamuru, cacom-bro, cabaça,
cabaça-de-cuia, cabaça-marimba, cabaça-purunga, caba-ça-para-vasilhas, cabaça-de-colo, cabaceiro-amargoso, cuia, porongo.

Características: Cipó. Caule cilíndrico, coberto de pêlos duros.
Folhas longipecioladas. A polpa dos frutos pequenos, verdes, doces, é comestível; as variedades amargas são tóxicas.
Os frutos grandes (Jamarus de vários litros), ocos, de casca lenhosa, são usados como vasilhas domésticas.
Vaior terapêutico: A polpa verde tem propriedades emolientes e maturativas.
A polpa madura é purgativa. O decocto das sementes é bom contra nefrites.
Partes usadas: Polpa do fruto e sementes.


CABELO-DE-NEGRO (Erythroxylum campestre)

192 CABELO-DE-NEGRO (Erythroxylum campestre)
Família: Eritroxiláceas.
Sinonímia: Fruta-de-tucano.
Características: Arbusto.
Flores em cachos, nas axilas dos ramos e das folhas.
Habitat: Vegeta no Rio, em Minas, em Goiás, em S. Paulo e outros Estados.
Valor terapêutico: As raízes recém-colhidas, em decocção, constituem excelente purgativo.
Emprega-se também a entrecasca raspada, em infusão, como purgante.



segunda-feira, 20 de abril de 2015

CAAXIÓ (Cryptocaria guianensis)

CAAXIÓ (Cryptocaria guianensis)

190 CAAXIÓ (Cryptocaria guianensis)
Família: Lauráceas.
Características: Árvore grande.
Madeira de cheiro agradável.
Frutos muito aromáticos.
Valor terapêutico: O fruto ê carminativo.
(Carminativo: Diz-se dos remédios usados na redução dos gases intestinais.)


domingo, 19 de abril de 2015

CAAPOMONGA (Plumbago scandens) contra as verrugas

CAAPOMONGA (Plumbago scandens) contra as verrugas

189 CAAPOMONGA (Plumbago scandens)
Família: Plumbagináceas.
Sinonímia: Caataia (Amazonas), louco, folha-de-louco (Ceará), erva-do-diabo, jasmim-azul, queimadura, queimadeira, joão-de-melo.
Características: Planta trepadeira.
Caule verde.
Folhas alternas, lanceoladas, estreitas.
Flores brancas, em espigas.
Tem a propriedade de queimar a pele.
Valor terapêutico: As folhas, cáusticas quando machucadas, são aplicadas topicamente para fazer abortar os panarícios e os unheiros.
O suco, cáustico e venenoso, é usado contra as verrugas.
A raiz, ve-sicatória, tem efeito revulsivo enérgico.
Tem aplicação no tratamento das úlceras.



sábado, 18 de abril de 2015

CAAPITIÚ (Siparuna guyanensis, Siparuna mollicoma)

CAAPITIÚ (Siparuna guyanensis, Siparuna mollicoma)

187 CAAPITIÚ (Siparuna guyanensis, Siparuna mollicoma)
Família: Monimiáceas.
Sinonímia: Vulnerária-das-guianas, limão-bravo.
Outro idioma: Vulnéraire (Guiana Francesa).
Características: Árvore pequena.
Cheiro desagradável.
Habitat: Na terra firme, desde a Amazônia até o Rio de janeiro.
Valor terapêutico: É uma planta estimulante, carminativa, efusiva.
Partes usadas: Folhas e flores.


CAAPITUIÚ FEDORENTO (Siparuna foetida)

188 CAAPITUIÚ FEDORENTO (Siparuna foetida)
Família: Monimiâceas.
Características: Arbusto de casca malodrosa.
Verde, cheira a peixe; seca, cheira a mel de abelha.
Habitat: Amazônia.
Valor terapêutico: Tem aplicação contra a cólica ventosa e como antiespasmódico.
Partes usadas: Folhas e flores.



sexta-feira, 17 de abril de 2015

CAAPI (Banisteria caapi) anestésico local

CAAPI (Banisteria caapi) anestésico local

185 CAAPI (Banisteria caapi)
Família: Malpiguiâceas.
Sinonímia: Timbó-branco, iagê.
Outro idioma: Ayahuasca ou lluasca (Peru).
Características: Cipó. Flores róseas, em grandes panículas piramidais.
Fruto: sâmara.
Habitat: Cultivado em toda a Amazônia.
Valor terapêutico: O caapi tem aplicação como anestésico local.


CAÁ-PIÁ (Dorstenia reniformis)

186 CAÁ-PIÁ (Dorstenia reniformis)
Família: Moráceas.
Sinonímia: Apií (Pará), teiú, boca-de-acari, contra-erva, caiapiá.
Características: Planta herbácea.
Folhas reniformes.
Flores e frutos pequeninos, agrupados num receptáculo carnoso.
Habitat: Brasil central e Amazônia.
Valor terapêutico: É uma planta empregada, com bons resultados.
nas atonias do tubo digestivo, nas afecções gangrenosas, na febre tifóide.
na clorose, nas bronquites, sendo também recomendada como diurética e emenagoga.
Parte usada: Rizoma.



quinta-feira, 16 de abril de 2015

CAAPEBA contra as picadas de cobra.

CAAPEBA contra as picadas de cobra.

183 CAAPEBA (Cissampelos glaberrima, Cissampelos tomentosa)
Família: Menispermáceas.
Sinonímia: Cipó-de-cobra, erva-de-nossa-senhora, parreira-brava-da-branca, pani.
Características: Planta trepadeira.
Folhas redondas, peitadas, gla-bras, quase sésseis.
Flores em cachos, à maneira de campana, recortadas na margem.
Não se deve confundir esta planta com a pariparoba, que também se chama caapeba, e cujo nome científico é Piper umbellatum.
Valor terapêutico: Usa-se para dispepsia e afecções das vias urinárias e asma.
De há muito tempo vem sendo indicada, igualmente, como diuré-tica e diaforética, tendo aplicação, além disso, nas febres intermitentes.
Em alguns lugares também se emprega contra as picadas de cobra.
Parte usada: Raiz, por decocção.
Dose: 10 gramas para 1 litro de água; 3 xícaras por dia.

CAAPEBA-CHEIROSA (Piper marginatum, Piper decumanum, Piper catalpaefolia)

184 CAAPEBA-CHEIROSA (Piper marginatum, Piper decumanum, Piper catalpaefolia)
Família: Piperáceas.
Sinonímia: Pimenta-do-mato, nhandi.
Característica: Arbusto cujo fruto substitui a pimenta do reino.
Habitat: Amazônia.
Valor terapêutico: É uma planta tônica e resolutiva, empregada nos ingurgitamentos do fígado e do baço.
A raiz ê sudorífica, sialago-ga, diurética.



quarta-feira, 15 de abril de 2015

CAÁ-CAMBUI (Euphorbia serpens)

CAÁ-CAMBUI (Euphorbia serpens)

181 CAÁ-CAMBUI (Euphorbia serpens)
Família: Euforbiáceas.
Sinonímia: Erva-de-cobra.
Característica: Planta herbácea.
Habitat: Rio, Espírito Santo, Bahia, Amazônia.
Valor terapêutico: O caá-cambuí tem propriedades hidragogas, diuréticas e drásticas.
É útil, externamente, no tratamento das úlceras.
Parte usada: Folhas.


CAÁ-MEMBECA (Polygala spectabilis, Polygala paraensis)

182 CAÁ-MEMBECA (Polygala spectabilis, Polygala paraensis)
Família: Poligaláceas.
Característica: Arbusto pequeno.
Habitat: Nas capoeiras do estuário e do litoral paraense.
Valor terapêutico: É uma planta expectorante, béquica, peitoral e anti-hemorroidosa.



terça-feira, 14 de abril de 2015

BUTUA (Cocculus cineraceus)

BUTUA (Cocculus cineraceus)

179 BUTUA (Cocculus cineraceus)
Família: Menispermáceas.
Características: Arbusto ramoso.
Folhas iongipecioladas, em forma de palma.
Habitat: Comum nos Estados de S. Paulo e Minas.
Valor terapêutico: A raiz encerra propriedades desobstruentes, diuréticas, emenagogas e antifebris.
Tem aplicação nos casos de hi-dropisia, amenprréia, dismenorréia, febres, inclusive febre intermitente.


BUTUA-DO-CURVO (Maximiliana regia)

180 BUTUA-DO-CURVO (Maximiliana regia)
Família: Menispermáceas.
Sinonímia: Butua-do-corvo.
Características: Árvore.
Folhas alternas, coriáceas, em forma de palma.
Flores amarelas, grandes, em cachos.
Habitat: Em Minas e outros Estados.
Valor terapêutico.
O decocto da raiz é útil contra as dores internas, especialmente as provocadas por contusões.
É igualmente recomendado contra os abscessos.



segunda-feira, 13 de abril de 2015

BURANHÉM (Pradosia lactescens) Bronquite crônica

BURANHÉM (Pradosia lactescens) Bronquite crônica

178 BURANHÉM (Pradosia lactescens, Lucuma glyciphloea, Chryso-phyllum buranhem)
Família: Sapotáceas.
Sinonímia: Cuaranhém, monésia, casca-doce, miica, pau-de-remo, pau-doce.
Características: Árvore alta, de casca lisa, vermelho-escura.
Folhas oblongas.
Fruto semelhante à azeitona.
Valor terapêutico: "A casca, quando fresca, contém até 30% de u.
suco leitoso aconselhado como adstringente e tônico, internamente, no tratament.
de catarros crônicos, hemoptises, blenorragias; e externamente nas úlceras cutâneas.
oftalmias purulentas" Plantas Medicinais Brasileiras, do Dr.
Frederico W. Freise.
Emprega-se, outrossim, o cozimento da casca, para os seguintes casos.
Bronquite crônica, diarréia, disenteria, escrófulas, leucorréia, moléstias do aparelho digestivo, tuberculose pulmonar,
Parte usada: Casca.
Dose: 20 gramas para 1 litro de água; 4 a 5 xícaras por dia.



domingo, 12 de abril de 2015

BUGIO (Combretum bugio)

BUGIO (Combretum bugio)

177 BUGIO (Combretum bugio)
Família: Combretáceas.
Sinonímia: Rabo-de-bugio.
Características: Arbusto trepador.
Folhas grandes, ovais, lustrosas.
Flores miúdas, brancas, em cachos.
Fruto parecido com a azeitona.
Habitat: Comum no Estado de Alagoas.
Vegeta às margens dos rios.
Valor terapêutico: É reputado como antissifilítíco eficaz, sendo, porém.
mais usado contra a sarna e as dermatoses em geral.



sábado, 11 de abril de 2015

BUCHA (Luffa aegyptiaca, Luffa cylindrica)

BUCHA (Luffa aegyptiaca, Luffa cylindrica)

175 BUCHA (Luffa aegyptiaca, Luffa cylindrica)
Família: Cucurbitáceas.
Sinonímia: Bucha-paulistana, bucha-dos-paulistas, bucha-dos-pes-cadores.
fruta-dos-paulistas, quingombô-grande.
Outros idiomas: Courge torchon (Antilhas), gourd (Inglaterra).
Características: Planta trepadeira, análoga ao melão-de-são-caetano.
Dá frutos volumosos (15 a 50 cm de comprimento e 6 a 8 cm de diâmetro).
cilíndricos.
Depois de secos, tira-se a casca e aproveita-s.
o tecido reticular elástico e resistente, que envolve as sementes com.
"esponja vegetal".
Essas esponjas são usadas na fabricação de luvas para fricções, sandália.
para banhos, chapéus, cestinhas e outros objetos.
A Luffa aegyptiaca dá frutos muito grandes e alargados na base.
a Luffa cylindrica produz frutos menores, oblongos.
Habitat: Em solos argilosos.
Valor terapêutico: Emprega-se o caule e as folhas contra as afecções hepáticas.
a amenorréia, a clorose; a polpa do fruto maduro e a raiz como purgativas.
as sementes, por infusão, como vermífugo.
Parte usada: Toda a planta.
Dose: 20 gramas para 1 litro de água; 4 a 5 xícaras por dia.


BUCHINHA-DO-NORTE (Luffa operculata, Momordica opercu-lata)

176 BUCHINHA-DO-NORTE (Luffa operculata, Momordica opercu-lata)
Família: Cucurbitáceas.
Sinonímia: Buchinha, bucha-dos-paulistas, bucha-dos-pescadores.
abobrinha-do-norte, purga-dos-paulistas, purga-do-joão-pais, cabacinha (Amazonas).
Características: Planta trepadeira.
Frutos menores do que os da bucha, ou seja, do tamanho de um ovo de galinha, com protuberân-cias moles.
Habitat: Nos terrenos altos, arenosos.
Valor terapêutico: O uso desta planta como medicamento requer cuidados, pois que inflama as mucosas e age como drástico violento.
A buchinha, em forma de chá, é purgativa e expectorante.
Em clisteres, usa-se para combater a hidropisia.
a prisão de ventre, a melancolia, a clorose.
Para combater a sinusite, aspira-se o vapor da planta.
Parte usada: Polpa do fruto.
Dose: 10 g para 1 litro de água; 3 a 4 xícaras por dia.
Usam-se xícaras pequenas, porque, em dose elevada, a buchinha produz hemorragias perigosas.



sexta-feira, 10 de abril de 2015

BREU-JAUARICICA (Icica icicariba, Protium icicariba, amyris ambrosiaca)

BREU-JAUARICICA (Icica icicariba, Protium icicariba, amyris ambrosiaca)

174 BREU-JAUARICICA (Icica icicariba, Protium icicariba, amyris ambrosiaca)
Família: Terebintáceas (Subfamília: Burseráceas).
Sinonímia: Ubiraciquá, teí, resina-icica, icicariba.
Características: Árvore grande, que fornece uma resina aromática.
branca ou amarelada, com cheiro de funcho, chamada "almécega" ou resina "elemi".
Valor terapêutico: A resina é utilizada no preparo de medicamentos contra a enteralgia, as diarréias, as afecções dos olhos, as hérnias.



quinta-feira, 9 de abril de 2015

BOTÃO-DE-OURO (Xyris pallida)

BOTÃO-DE-OURO (Xyris pallida)

173 BOTÃO-DE-OURO (Xyris pallida)
Família: Xiridáceas.
Sinonímia: Maiacá.
Característica: Planta herbácea.
Habitat: Nos solos argilosos, encharcados, da Amazônia.
Valor terapêutico: Contusa, tem aplicação contra as afecções cutâneas.
(eczema, dartros, impigens, etc.).



quarta-feira, 8 de abril de 2015

BORRAGEM (Borrago officinalis)

BORRAGEM (Borrago officinalis)

170 BORRAGEM (Borrago officinalis)
Família: Borragináceas.
Sinonímia: Foligem.
Características: Planta de haste erecta, de até 60 cm de elevação, ramificada.
recoberta de uma pelugem vasta.
Folhas grandes, alternas, rugosas, elípticas, crenadas, inteiras.
eriçadas de pêlos; as inferiores são maiores e quase sésseis; as superiores são menores e amplexi-caules.
Flores ordinariamente azuis, raramente róseas ou brancas, dispostas em cimeiras.
Valor terapêutico: Emprega-se contra as inflamações dos rins e da bexiga, mas o seu uso principal é contra o reumatismo e a debilidade do coração.
Usa-se também como remédio contra os resfriados.
Devido ao seu efeito sudorífico, é também empregada, esta planta, no sarampo e mesmo na escarlatina.
Toma-se quente.

As folhas frescas, machucadas, aplicadas sobre abscessos, inflamações, tumores, favorecem o processo de cura; aplicadas sobre queimaduras, acalmam a dor.
As cataplasmas de folhas de borragem fervidas dão excelente resultado nos ataques de gota, acalmando ou fazendo desaparecer a dor em pouco tempo.
Na debilidade geral, é um bom remédio, a borragem machucada, que se come misturada com mel.
As folhas tenras, frescas, misturadas com outras ervas, em saladas, ou preparadas em ensopados, são um bom remédio para o fígado.
As sementes secas, moídas, misturadas na comida, ou tomadas com algum líquido, aumentam a secreção do leite das mães lactantes.
Partes usadas: Folhas e sementes.
Dose: 20 gramas para 1 litro de água; 4 a 5 xícaras por dia.



BORRAGEM-BRAVA (Heliotropium indicum, Heliophytum indicum)

171 BORRAGEM-BRAVA (Heliotropium indicum, Heliophytum indicum)
Família: Borragináceas.
Sinonímia: Aguará-ciunhã-açu, jacuacanga, crista-de-galo (Amazônia), fedegoso (Ceará), erva-de-são-fiacre, heliotropo.
Características: Planta herbácea.
Flores brancas ou de cor lilás.
Toda a planta exala um cheiro fétido.
Habitat: É comum nos lugares abandonados.
Valor terapêutico: A borragem-brava é uma planta útil como vul-nerária e cicatrizante.
O suco das folhas é eficaz nas moléstias das mucosa.
(aftas, esto-matites e afecções cutâneas diversas).
O infuso das folhas dá bons resultados na asma, nas bronquites e nas hemorróidas de sangue.
Parte usada: Folhas.



BORRAGEM-DO-CAMPO (Echium plantagineum, Echium viola-ceum)

172 BORRAGEM-DO-CAMPO (Echium plantagineum, Echium viola-ceum, Echium bonariense, Echium creticum, Echium lusitanicum, Heliotropium anchusaefolium)
Família: Borragináceas.
Sinonímia: Borracha-chimarrona.
Outro idioma: Borrajera cimarrona, Flor morada, Borraja dei campo (Argentina).
Característica: Planta herbácea.
Habitat: Estados do Sul.
Valor terapêutico: Encerra propriedades cordiais, peitorais, sudorí-ficas, emenagogas, emolientes.
Emprega-se para combater a tosse, os resfriados, os catarros.
É muito útil no sarampo.
Para fazer desaparecer as manchas da pele, usa-se a flor machucada.
em forma de cataplasmas.
Parte usada: Folhas e sumidades floridas.
Dose: 20 gramas para 1 litro de água; 4 a 5 xícaras por dia.



terça-feira, 7 de abril de 2015

BOLSA-DE-PASTOR é um poderoso adstringente.

BOLSA-DE-PASTOR é um poderoso adstringente.

169 BOLSA-DE-PASTOR (Capsella bursa pastoris)

Família: Crucíferas.
Características: Planta herbácea, de até 60 cm de altura.
Folhas empubescidas, de forma variável, a saber, partidas (as inferiores).
oval-lanceoladas (mais acima), etc.
Flores brancas em cachos.
Valor terapêutico: Esta planta é um poderoso adstringente.
É indicada nos casos de vômitos e escarros de sangue, disenterias, regras abundantes, hemorragia nasal.
hemorragia uterina.
Para esses fins, usam-se 20 a 30 gramas de folhas ou raízes para 1 litro de água, por infusão.
O suco fresco da planta, tomado em jejum, 30 gramas em um copo de água.
é bom para combater a blenorragia.
Na falta da planta fresca, pode usar-se.
para o mesmo fim, a planta seca, na dose de 100 gramas para 1 litro de água.
Toma-se em jejum.
Aplica-se o suco fresco da planta, topicamente, para curar a supuração dos ouvidos.
A planta fresca, machucada, aplicada em forma de cataplasma, sobre partes doloridas e inflamadas, alivia a dor e a inflamação.
Em gargarejos, na dose de 30 gramas para 1 litro de água, usa-se a bolsa-de-pastor para curar as inflamações da garganta.
Partes usadas: Folhas e raízes.



segunda-feira, 6 de abril de 2015

BOI-GORDO (Cassia rugosa)

BOI-GORDO (Cassia rugosa)

168 BOI-GORDO (Cassia rugosa)
Família: Leguminosas-cesalpiniáceas.
Sinonímia: Alcaçus-bravo, amendoeirana, bico-de-córvo, cabo-ver-de.
mendobi-bravo, paratudo, raiz-de-corvo, raiz-preta, volácio.
Características: Planta herbácea.
Folhas compostas, ovais.
Habitat: Minas e outros Estados.
Valor terapêutico: O decocto desta planta é indicado para combater tosse.
e catarros nasais. É também bom remédio contra a erisipela.



domingo, 5 de abril de 2015

BOA-NOITE (Ipomoea bona-nox) anti-reumática.

BOA-NOITE (Ipomoea bona-nox) anti-reumática.

166 BOA-NOITE (Ipomoea bona-nox)
Família: Convolvuláceas.
Sinonímia: Cipó-café, coerana, flor-do-norte, erva-trombeta.
Características: Trepadeira de lindas flores para jardins.
Folhas alternas, grandes, inteiras, cordiformes, longipecioladas. Flores roxas, que simulam uma trombeta.
Valor terapêutico: Em banhos quentes, esta planta é usada como anti-reumática.


BOA-TARDE (Oenothera acaulis)

167 BOA-TARDE (Oenothera acaulis)
Família: Oenoteráceas.
Características: Planta herbácea, sem caule.
Folhas crenulado-denteadas, em roseta.
Tubo floral grande.
As flores abrem-se à tarde e fecham-se de manhã.
Valor terapêutico: A raiz tem propriedades aperientes.
Externamente tem aplicação como cicatrizante.



sábado, 4 de abril de 2015

BICUÍBA-REDONOA para dores reumáticas

BICUÍBA-REDONOA para dores reumáticas

163 BICUÍBA-REDONOA (Myristica officinalis, Myristica bicuiba.
Família: Miristicáceas.
Sinonímia: Bicuíba-redonda, vicuíba, noz-moscada-do-brasil, bi-cuíba-açu, moscadeira-do-brasil.
Características: Árvore.
Folhas simples, lanceoladas ou alongadas, alternas.
O fruto contém uma semente envolta por um arilo e uma substância oleosa (óleo-de bicuiba).
Habitat: Estados do Sul.
Valor terapêutico: O óleo de bicuiba é usado como ungüento nas dores reumáticas e nos tumores artríticos.


BIRIBA (Rollinia orthopetala)

164 BIRIBA (Rollinia orthopetala)
Família: Anonáceas.
Sinonímia: Baribá.
Característica: Árvore.
Habitat: Pará, Maranhão e outros Estados.
Valor terapêutico: O fruto tem aplicação, como bálsamo,
nas feridas provocadas por golpes.


BIURÁ (Coix lacrima)

165 BIURÁ (Coix lacrima)
Família: Gramíneas.
Sinonímia: Lágrima-de-nossa-senhora, lágrima-de-santa-maria, lágrima-de-jó.
contas-de-nossa-senhora, capim-rosário, capim-miçanga, capim-de-contas, capiá.
Outro idioma: Larme de job (Guiana francesa).
Características: Planta herbácea de grandes cariopses cinzentas azuladas ou esbranquiçadas.
lustrosas, com as quais os índios fazem ornamentos (colares, rosários, etc.).
Esses frutos, que são do tamanho de uma ervilha, dão uma farinha de grande valor nutritivo.
Valor terapêutico: A tintura das sementes é diurética e emoliente, e útil nas afecções catarrais.
Emprega-se também em fricções, contra os reumatismos.




sexta-feira, 3 de abril de 2015

BIBIRU (Ocotea rodiaei) tônica, febrífuga

BIBIRU (Ocotea rodiaei) tônica, febrífuga

162 BIBIRU (Ocotea rodiaei)
Família: Laurãceas.
Sinonímia: Itaúba-branca (Amazônia), beberu, louro-bibiru, itaú-ba-vermelha.
Outros idiomas: Bois de fer (Guiana Francesa), Greenheart (Inglaterra).
Características: Árvore grande.
Madeira muito dura, castanho-esverdeada ou verde-escura.
Habitat: Amazônia.
Valor terapêutico: É uma planta tônica, febrífuga, calmante nas nevralgias.
Parte usada: Casca.



quinta-feira, 2 de abril de 2015

BERTALHA (Basella rubra)

BERTALHA (Basella rubra)

161 BERTALHA (Basella rubra)
Família: Baseláceas.
Características: Erva trepadeira que fornece folhas comestíveis como espinafre.
Folhas ovais.
Flores em forma de botões.
Valor terapêutico: É uma planta emoliente e refrescante.
Parte usada: Raiz, em decocção.



quarta-feira, 1 de abril de 2015

BEQUE-CHEIROSO (Piper aromaticum) propriedades sedativas

BEQUE-CHEIROSO (Piper aromaticum) propriedades sedativas

160 BEQUE-CHEIROSO (Piper aromaticum)
Família: Piperáceas.
Características: Subarbusto pouco esgalhado.
Folhas ovais, com um prolongamento semelhante a um esporão na base.
Flores envoltas num receptáculo parecido com um sabugo de milho.
Valor terapêutico:
Graças às suas propriedades sedativas, usa-se o decocto contra as
dores reumáticas.