domingo, 31 de maio de 2015

CAPIM-MEMBECA (Andropogon virginicus)

CAPIM-MEMBECA (Andropogon virginicus)

252 CAPIM-MEMBECA (Andropogon virginicus)
Família: Gramíneas.
Sinonímia: Barba-de-velho (Marajó).
Característica: Planta herbácea, boa como forragem.
Habitat: Nos campos secos e arenosos.
Valor terapêutico: O rizoma é diurético.


CAPIM-PEBA (Andropogon bicornis)

253 CAPIM-PEBA (Andropogon bicornis)
Família: Gramíneas.
Sinonímia: Capim-d'água, capim-de-bezerro, capim-mole, capim-puba,
capim-vassoura, capupuba, rabo-de-raposa, sapé, sucapé.
Características: Planta herbácea, invasora das plantações.
Habitat: Nos campos altos de terra firme, argilosa.
Valor terapêutico: É emoliente, diurética, sudorífica, dissolvente.
Tem aplicação nas febres biliosas, no beribéri e na hidropisia.
Parte usada: Raiz, em infusão.



sábado, 30 de maio de 2015

CAPIM-LIMÃO (Andropogon Schoenanthus) óleo de citronela

CAPIM-LIMÃO (Andropogon Schoenanthus) óleo de citronela

251 CAPIM-LIMÃO (Andropogon Schoenanthus)
Família: Gramíneas.
Sinonímia: Capim-de-cheiro, capim-cheiroso, capim-cidreira, capim-cidrilho,
capim-catinga, capim-ciri, erva-cidreira, grama-cidreira.
Outro idioma: Lemon grass (Inglaterra).
Características: Planta herbácea universalmente conhecida.
Folhas cinéreo-azuladas.
Fornece o "óleo de citronela", que cheira a limão.
Valor terapêutico: O campim-limão é um excelente sudorífico.
Parte usada: Folhas frescas, em infusão.



sexta-feira, 29 de maio de 2015

CAPIM-DE-UM-SÓ-BOTÃO (Kyllinga pungens, Kyllinga pumila)

CAPIM-DE-UM-SÓ-BOTÃO (Kyllinga pungens, Kyllinga pumila)

249 CAPIM-DE-UM-SÓ-BOTÃO (Kyllinga pungens, Kyllinga pumila)
Família: Ciperáceas.
Características: Planta herbácea.
Forragem inferior.
Valor terapêutico: Tem aplicação nas febres, na gripe e nos resfriados.
Parte usada: Raiz, em infusão.


CAPIM-GORDURA (Panicum melinis, Agrostis glutinosa, Triste-gis glutinosa

250 CAPIM-GORDURA (Panicum melinis, Agrostis glutinosa, Triste-gis glutinosa,
Suardia picta, Agrostis polypogon, Agrostis polygonoides)
Família: Gramíneas.
Sinonímia: Capim-melado, capim-cabelo-de-negro, capim-catin-gueiro,
capim-de-frei-luís, capim-gordo, capim-meloso, catingueiro.
Características: Planta herbácea, gordurosa, tomentosa.
Valor terapêutico: O decocto é muito eficaz para debelar disenterias.



quinta-feira, 28 de maio de 2015

CAPIM-DE-BURRO (Cynodon dactylon)

CAPIM-DE-BURRO (Cynodon dactylon)

247 CAPIM-DE-BURRO (Cynodon dactylon)
Família: Gramíneas.
Sinonímia: Capim-da-cidade, capim-seda, grama, grama-comum, grama-das-boticas,
grama-de-marajó, grama-de-são-paulo, grama-fina, grama-rasteira, grama-verdadeira, graminha, grama-roxa, gramão, gra-minha-comum, graminha-da-cidade, graminha-de-raiz, graminha-do-mato, graminha-fina, graminha-seda, erva-das-bermudas, mata-me-embora, pé-de-galinha.
Outros idiomas: Chiendent (França), Bermuda grass (Inglaterra).
Valor terapêutico: A raiz tem propriedades diuréticas e antiabortivas.


CAPIM-DE-PLANTA (Panicum maximum)

248 CAPIM-DE-PLANTA (Panicum maximum)
Família: Gramíneas.
Características: Planta herbácea de um ou dois metros de altura.
Caule nodoso.
Folhas lanceoladas, estreitas, macias, dotadas de pêlos brancos.
Flores miúdas, arroxeadas, em cachos terminais.
Valor terapêutico: É indicado como antiespasmódico.



quarta-feira, 27 de maio de 2015

CAPIM CIDREIRA (Kyllinga odorata) perturbações nervosas.

CAPIM CIDREIRA (Kyllinga odorata) perturbações nervosas.

246 CAPIM CIDREIRA (Kyllinga odorata)
Família: Ciperáceas.
Sinonímia: Capim-de-cheiro, capim-cheiroso, capim-marinho, capim-limão, jaçapé, jacaré.
Características: Capim de cheiro e sabor iguais aos da erva-cidreira.
Pequenas flores brancas, aglomeradas, e cercadas de brácteas verdes bem compridas.
Valor terapêutico:
O capim-cidreira é usado como diurético, diaforético, estomáquico,
carminativo, antiespasmódico.
É bom remédio contra as afecções das vias urinárias, a histeria e
outras perturbações nervosas.
Parte usada: Toda a planta.
Dose: 20 gramas para 1 litro de água; 4 a 5 xícaras por dia.



terça-feira, 26 de maio de 2015

CAPIM-AMARGOSO (Sporobolus asperifolius)

CAPIM-AMARGOSO (Sporobolus asperifolius)

245 CAPIM-AMARGOSO (Sporobolus asperifolius)
Família: Gramíneas.
Sinonímia: Capim-sapé (Marajó).
Características: Planta herbácea.
Boa forragem.
Habitat: Amazônia.
Valor terapêutico: É uma planta diurética, dissolvente, sudorífica.
Eficaz nas febres biliosas e no beribéri.
Parte usada: Raiz.



segunda-feira, 25 de maio de 2015

CAPIM-AÇU (Caladium brasiliense) nas tosses

CAPIM-AÇU (Caladium brasiliense) nas tosses

244 CAPIM-AÇU (Caladium brasiliense)
Família: Ciperáceas.
Características: Capim.
Folhas verde-azuladas, estreitas e radicais, com a serrilha formando bainha.
Flores amarelo-esverdinhadas, pequeninas.
Habitat: Comum nos Estados do Nordeste.
Valor terapêutico: Tem aplicação nas tosses e no catarro pulmonar.
Parte usada: Raiz.



domingo, 24 de maio de 2015

CAOPIÁ (Vismia guyanensis)

CAOPIÁ (Vismia guyanensis)

243 CAOPIÁ (Vismia guyanensis)
Família: Gutiferáceas.
Sinonímia; Lacre, pau-de-lacre, goma-lacre, árvore-da-febre, caapiá.
Outros idiomas: Bois cossais, Bois à dartres (Guiana Francesa),
Blood-wood (Inglaterra).
Características: Arbusto ou árvore pequena.
Folhas ovais, oblongas. A incisão do tronco faz exsudar uma resina amarelo-avermelhada,
chamada goma-lacre ou goma-guta.
Habitat: Comum nas capoeiras: Norte e Nordeste.
Valor terapêutico:
O decocto das folhas é usado no tratamento do reumatismo.
A casca, em decocção, é gabada como tônica e febrífuga.
A resina é drástica e eficaz contra as moléstias urinárias.
Usa-se internamente em chás e externamente em banhos.



sábado, 23 de maio de 2015

CANUDO-DE-PITO (Carpotroche brasiliensis) inseticida e parasiticida.

CANUDO-DE-PITO (Carpotroche brasiliensis) inseticida e parasiticida.

242 CANUDO-DE-PITO (Carpotroche brasiliensis)
Família: Flacurtiáceas.
Sinonímia: Fruta-de-cutia, fruta-de-babado, fruta-de-lepra, fruta-de-macaco,
fruta-de-sapucainha, fruteira-de-cutia, fruteira-de-macaco, mata-piolho,
papo-de-anjo, pau-de-anjo, pau-de-cachimbo, pau-de-cutia, cutia, pau-de-lepra,
sapucainha, canudeiro, canudo-de-pito-verda-deiro.
Características: Árvore grande.
Flores grandes, rosadas, em raci-mos axilares.
Fruto: baga globosa, grande, munida de membranas grossas.
Habitat: Amazônia.
Valor terapêutico: A casca é febrífuga.
As sementes dão um óleo amarelado, que é inseticida e parasiticida.



sexta-feira, 22 de maio de 2015

CANSANÇÃO DE LEITE (Jatropha urens) na cura da catarata.

CANSANÇÃO DE LEITE (Jatropha urens) na cura da catarata.

241 CANSANÇÃO DE LEITE (Jatropha urens)
Família: Euforbiáceas.
Sinonímia: Urtiga, urtiga-cansanção, pinha-queimadura.
Características: Arbusto lactescente.
Flores brancas, em cimeiras.
Fruto revestido de pêlos que produzem uma sensação de queimadura.
Habitat: Nas capoeiras, em muitos Estados do Brasil.
Valor terapêutico:
A seiva é empregada na cura da catarata.
A raiz é tônica e diurética.



quinta-feira, 21 de maio de 2015

CANINANA (Chiococca densifolia)

CANINANA (Chiococca densifolia)

240 CANINANA (Chiococca densifolia)
Família: Rubiáceas.
Sinonímia: Raiz-preta.
Característica: Trepadeira.
Habitat: É abundante em Minas.
Valor terapêutico: A raiz é drástica e diurética, sendo usada nas hidropisias
e opilações.



quarta-feira, 20 de maio de 2015

CANELA DE CHEIRO (Ocotea opifera)

CANELA DE CHEIRO (Ocotea opifera)

238 CANELA DE CHEIRO (Ocotea opifera)
Família: Lauráceas.
Sinonímia: Caneleira-de-cheiro, louro, louro-de-cheiro.
Característica: Árvore grande.
Valor terapêutico:
Mediante distilação, obtém-se dos frutos um óleo aromático,
útil, em fricções, nas dores reumáticas e no beribéri.


CANELEIRA-DE-CHEIRO (Oreodaphne opifera)

239 CANELEIRA-DE-CHEIRO (Oreodaphne opifera)
Família: Lauráceas.
Característica: Árvore da qual se extrai um óleo aromático.
Valor terapêutico: Usa-se o óleo em ungüentos, para fricções,
nos reumatismos e nas contraturas dos membros (membros encolhidos).



terça-feira, 19 de maio de 2015

CANAMBAIA (Rhipsalis pachytera) contra as úlceras

CANAMBAIA (Rhipsalis pachytera) contra as úlceras

237 CANAMBAIA (Rhipsalis pachytera)
Família: Cactãceas.
Características: Cactâcea que se assemelha ao rabo-de-jacaré (Rhipsalis macrocarpa).
Gomos chatos e crenulados.
Pende das árvores.
Os artículos apresentam, em cada ângulo das crenas, uma flor miúda, amarela.
Fruto: pequena baga branca.
Valor terapêutico: Usa-se como remédio contra as úlceras, o escorbuto,
e as febres gástricas e biliosas.




segunda-feira, 18 de maio de 2015

CANAFÍSTULA (Cassia ferruginea) purgativa

CANAFÍSTULA (Cassia ferruginea) purgativa

234 CANAFÍSTULA (Cassia ferruginea)
Família: Leguminosas-cesalpiniáceas.
Sinonímia: Canafrista, tapira-coiana.
Características: Árvore.
Madeira branca, mole.
Folhas compostas.
Folíolos oblongos, obtusos.
Os ramos novos, os pecíolos e a inflorescência são revestidos de uma
pubescência cor de ferrugem.
Flores cor de ouro, em cachos.
Valor terapêutico: É conhecida por suas propriedades purgativas.
Parte usada: Polpa das vagens, em decocção.


CANAFÍSTULA-DE-IGAPÓ (Cassia leiandra)

235 CANAFÍSTULA-DE-IGAPÓ (Cassia leiandra)
Família: Legu m i nosas-cesal pi n iáceas.
Sinonímia: Marimari.
Características: Linda árvore que se cobre de flores cor de ouro, em cachos.
Fruto: vagem grande contendo sementes envoltas numa polpa verde, de sabor agradável.
Habitat: Amazônia.
Valor terapêutico: A folha que envolve a semente encerra virtudes laxativas.


CANAFÍSTULA-VERDADEIRA (Cassia fistula)

236 CANAFÍSTULA-VERDADEIRA (Cassia fistula)
Família: Leguminosas-cesalpiniáceas.
Sinonímia: Canafrista, canafístula-imperial, chuva-de-ouro.
Características: Árvore grande.
Folhas compostas.
Folíolos ovais ou oval-alongados.
Flores róseas, em cachos.
Fruto: vagem grande contendo sementes envoltas numa polpa luzidia, escura, de sabor adocicado.
Valor terapêutico: A polpa do fruto tem efeito purgativo, sendo também eficaz contra a nefrolitíase e outras afecções dos rins.
O suco das folhas é bom para combater as impigens.
Aplica-se misturado com uma clara de ovo e um pouco de sal.
A raiz tem propriedades febrífugas.



domingo, 17 de maio de 2015

CANA-DE-MACACO (Costus pisonis) nas dores nefríticas.

CANA-DE-MACACO (Costus pisonis) nas dores nefríticas.

232 CANA-DE-MACACO (Costus pisonis, Costus spiralis, Alpinia spiralis)
Família: Zingiberáceas.
Sinonímia: Cana-branca-do-brejo, também conhecida simplesmente por cana-do-brejo,
cana-branca, cana-do-mato, caatinga, jacuanga, pacová.
Características: Planta herbácea.
Haste erecta, até 2 metros de altura, verde clara.
Folhas espiraladas, invaginantes.
Flores de cores diversas, em espiga terminal.
Valor terapêutico: As folhas frescas se empregam em forma de cataplasmas para
resolver tumores.
Usa-se o infuso das hastes (dose normal) nas afecções dos rins e da bexiga.
O suco desta zingiberácea é mucilaginoso, refrigerante e ligeiramente ácido.
De há muito tempo vem sendo indicado nas dores nefríticas.
Empiricamente, empregâ-se na assistolia (insuficiência cardíaca adiantada),
na albuminúria, na hidropisia, na disúria, na arteriosclero-se, na sífilis.
O suco das hastes velhas e das folhas é um poderoso diurético, usado nas gonorréias.
F. C. Hoehne informa que esse vegetal é empregado para vários misteres medicinais, como por exemplo, "contra a gonorréia e as manifestações sifilíticas, em forma de decocto dos caules e rizomas, e também como emenagogo ... e há quem assevere ser útil como esto-máquico, aperitivo e diurético."
Parte usada: Toda a planta.


CANA-DO-BREJO (Costus spicatus, Costus arabicus, Alpinia spicata)

233 CANA-DO-BREJO (Costus spicatus, Costus arabicus, Alpinia spicata, Sagitaria tuberosa)
Família: Zingiberáceas.
Sinonímia: Cana-roxa-do-brejo, cana-roxa, cana-do-mato, cana-do-brejo, cana-de-macaco, pacp-catinga, jacuacanga, ubacaia, periná.
Características: Planta herbácea.
Haste dura.
Folhas alternas, oblongas, invaginantes, verde-escuras, com bainha pilosa e avermelhada nas margens.
Flores amarelas com brácteas cor de carmim.
Valor terapêutico: O rizoma é diurético, diaforético, tônico e emenagogo.
O suco das hastes frescas, diluído em água (dose normal), é usado contra as gonorréias.
O cozimento das hastes (50 gramas para 1 litro de água) é empregado, em lavagens, para combater a leucorréia; e, como chá (dose normal), para combater as dores nefríticas.
O rizoma se usa para os mesmos casos.
A haste e o rizoma, secos, reduzidos a pó, são empregados em cataplasmas adstringentes, para curar hérnias, etc.
Os nossos caboclos usam as folhas, untadas com sebo, topica-mente, como emoliente, nas contusões e inchaços.
Partes usadas: Folhas, rizoma, casca.



sábado, 16 de maio de 2015

CANA-BRAVA (Anthoxanthium gigans) diurética

CANA-BRAVA (Anthoxanthium gigans) diurética

231 CANA-BRAVA (Anthoxanthium gigans)
Família: Cramíneas.
Características: e uma planta parecida com a cana-de-açúcar;
é, porém, mais vertical e não forma touceiras.
Valor terapêutico: O decocto da raiz tem propriedades diuréticas.



sexta-feira, 15 de maio de 2015

CAMPAINHA AZUL (Ipomoea longicuspis)

CAMPAINHA AZUL (Ipomoea longicuspis)

228 CAMPAINHA AZUL (Ipomoea longicuspis) laxativa
Família: Convolvuláceas.
Sinonímia: Flor-de-são-joão.
Características: Cipó. Folhas trilobadas.
Flores roxas.
Valor terapêutico: As sementes são drásticas.


CAMPAINHA-BRANCA (Ipomoea littoralis)

229 CAMPAINHA-BRANCA (Ipomoea littoralis)
Família: Convolvuláceas.
Sinonímia: Cipó-da-praia, salsa-da-praia.
Característica: Cipó rasteiro, de grande utilidade para fixar as dunas.
Habitat: Nas praias.
Valor terapêutico: As raízes feculentas são laxativas.


CAMPAINHA-FOLHA-DE-ALTÉIA (Convolvulus althaeoides)

230 CAMPAINHA-FOLHA-DE-ALTÉIA (Convolvulus althaeoides)
Família: Convolvuláceas.
Sinonímia: Campanilha.
Características: Planta herbácea, trepadeira.
Valor terapêutico: A raiz é purgativa.



quinta-feira, 14 de maio de 2015

CAMOMILA DA ALEMANHA perturbações estomacais em geral

CAMOMILA DA ALEMANHA perturbações estomacais em geral

226 CAMOMILA DA ALEMANHA (Matricaria chamomilla, Chamo-milla vulgaris)
Família: Compostas.
Sinonímia: Camomila, camomila-dos-alemães, matricária, macela.
Características: Planta herbácea, anual.
Haste ereçta, ramificada.
Folhas irregulares, recortadas em colmilhos, glabras, alternas, nascendo nos nós
das ramificações da haste.
Flores amarelas, pequeninas, na extremidade dos ramos, que servem de pedúnculo
aos capítulos florais.

Valor terapêutico:
A camomila é indicada na dispepsia, perturbações estomacais em geral, diarréia,
náuseas, inflamações das vias urinárias, regras dolorosas.
Age como sudorífico e emoliente.
Exteriormente, emprega-se o infuso em compressas, ou o pó das sementes esmiuçadas, sobre feridas difíceis de curar, afecções da pele em geral, hemorróidas, inflamações dos olhos.
Em bochechos, usa-se nas inflamações da boca.
Parte usada: Os capítulos florais, em infusão.
Dose: 10 a 15 gramas para 1 litro de água, 4 a 5 xícaras por dia.



CAMOMILA-ROMANA (Anthemis nobilis, Ormenis nobilis, Chamomilla nobilis)

227 CAMOMILA-ROMANA (Anthemis nobilis, Ormenis nobilis, Chamomilla nobilis)
Família: Compostas.
Sinonímia: Camomila.
Características: Planta vivaz, de 10 a 30 cm, rasteira, cerrada, de aroma forte e agradável.
Haste prostrada, simples e ramosa, cilíndrica, estriada, pubescente, verde-esbranquiçada, munida de raízes adventí-cias na parte rastejante.
Folhas pequenas, alternas, irregularmente recortadas em colmilhos, pubescentes, aveludadas.
Flores solitárias na extremidade dos ramos, amarelas, com lígulas brancas.
Valor terapêutico: Emprega-se nas cãibras do estômago, cólicas provocadas por ventosidades, cólicas espasmódicas, constipação atônica, clorose, dismenorréia, febres, histerismo, indigestão, vermes intestinais.
Usa-se também como emoliente.
Usa-se também em fomentações e compressas quentes na gota e no reumatismo.
Nestes casos o óleo das sementes da camomila é igualmente indicado.
Parte usada: Os capítulos florais, em infusão.
Dose: 10 a 15 gramas para 1 litro de água; 4 a 5 xícaras por dia.



quarta-feira, 13 de maio de 2015

CAMBUÍ (Piptadenia colubrina)

CAMBUÍ (Piptadenia colubrina)

224 CAMBUÍ (Piptadenia colubrina)
Família: Leguminosas.
Sinonímia: Acácia, angico-branco.
Características: Árvore alta.
Aparência de cobra.
Casca parda.
Folhagem miúda, em palminhas, de ramagem bem disposta, com muitas flores brancas, pequenas.
Fruto: pequena vagem chata, parda, com sementes pequeninas.
Habitat: Nas caatingas.
Valor terapêutico: É peitoral e emoliente.
Muito usado para as vias respiratórias, nas afecções pulmonares, bronquites, tosses, faringi-tes e asma.
Ajuda a expectoração do catarro.
É, outrossim, adstringente.
Usa-se, também, para: debilidade, diarréia, disenterias, escrófulas, hemorragias, inapetência.
Partes usadas: Casca e resina (goma).
Dose: 50 gramas de casca ou 25 gramas de resina para 1 litro de água.
Cozinha-se, coa-se e acrescenta-se um pouco de mel.
Tomam-se, desse xarope, umas seis colheres das de sopa por dia.
O angico vermelho tem as mesmas virtudes medicinais que o branco,
podendo ser usado para os mesmos fins e na mesma dose.


CAMBUÍ DA RESTINGA (Eugenia crenata)

225 CAMBUÍ DA RESTINGA (Eugenia crenata)
Família: Mirtáceas.
Sinonímia: Cambuí-da-praia, cambuí-pitanga, cambuí, cambuí-de-cachorro,
cambuí-verdadeiro, goiabeira-do-mato.
Características: Árvore pequena.
Caule erecto.
Assemelha-se à jaboticabeira.
Fruto pequeno, esbranquiçado, doce.
Valor terapêutico: As sementes encerram propriedades febrífugas.



terça-feira, 12 de maio de 2015

CAMBUCAZEIRO (Eugenia edulis)

CAMBUCAZEIRO (Eugenia edulis)

223 CAMBUCAZEIRO (Eugenia edulis)
Família: Mirtáceas.
Características: Ê uma árvore muito conhecida no Brasil.
Produz a saborosa fruta chamada cambucá, esférica, de 6 a 9 cm de diâmetro,
amarela; polpa gelatinosa, amarelo-avermelhada, espessa, doce e refrigerante.
Habitat: Em muitos Estados do Brasil.
Valor terapêutico: Usa-se nos casos de bronquite, coqueluche, tosse.
Ensina o Dr. J. Monteiro da Silva:
"Árvore que tão bons frutos produz, ainda tem (o cambucazeiro)
a vantagem de suas folhas servirem para o tratamento da coqueluche com resultado formidável.
"A tradição tem conservado este efeito admirável do cambucá nas bronquites,
tosses, e sobretudo na coqueluche o martírio das crianças doença morosa e persistente, rebelde ao tratamento, a qual tem nas folhas do cambucazeiro o seu remédio vegetal, sem perigo, e de ação rápida.
Aliviando os acessos, ele extingue essa doença, que é o pavor das pobres mães,
pelo sofrimento que traz para as infelizes crianças, juntamente com outras doenças graves.
Para esses casos pode-se usar com segurança a tintura das folhas do cambucá.
Toma-se uma colher das de café, num cáiice d'água, antes das refeições
e à noite antes de deitar-se."
Parte usada: Folhas, em infusão.
Dose: 20 gramas para 1 litro de água; 4 a 5 xícaras por dia.



segunda-feira, 11 de maio de 2015

CAMBOATÁ (Picramnia camboata) contra a linfangite.

CAMBOATÁ (Picramnia camboata) contra a linfangite.

221 CAMBOATÁ (Picramnia camboata)
Família: Simarubáceas.
Característica: Árvore.
Habitat: Comum em vários Estados do País.
Valor terapêutico: O decocto é tônico, eupéptico, antitérmico e
útil contra a linfangite. (Inflamação dos vasos linfáticos.)


CAMBOATÁ-DA-BAHIA (Picramnia bahiensis)

222 CAMBOATÁ-DA-BAHIA (Picramnia bahiensis)
Família: Simarubáceas.
Características: Árvore cujas folhas fornecem matéria corante vio-lácea.
Habitat: Bahia, Sergipe e outros Estados.
Valor terapêutico: O decocto é útil como tônico, eupéptico, fe-brífugo,
sendo também eficaz contra a linfangite.



domingo, 10 de maio de 2015

CAMBARÁ (Lantana spinosa)

CAMBARÁ (Lantana spinosa)

218 CAMBARÁ (Lantana spinosa)
Família: Verbenáceas.
Sinonímia: Camará, camará-de-chumbo, cambará-de-folha-grande, erva-sagrada.
Características: Arbusto muito comum.
Caule ramificado desde a raiz.
Galhos cruzados, formando moita.
Pequenos espinhos nos ramos.
Folhas ovais, recortadas, ásperas, baças, de cheiro semelhante ao da erva-cidreira.
Flores em capítulos, amarelas a princípio, vermelhas posteriormente.
Fruto globuloso, semelhante a um chumbinho de espingarda.
Habitat: Nas capoeiras, nas vizinhanças das habitações, em diversos Estados.
Valor terapêutico: Usa-se para asma, tosse catarral, coqueluche.
Parte usada: Folhas, por infusão.
Dose: 20 gramas para 1 litro de água; 4 a 5 xícaras por dia.


CAMBARÁ-DE-CHEIRO (Acrodiclidium camara)

219 CAMBARÁ-DE-CHEIRO (Acrodiclidium camara)
Família: Lauráceas.
Sinonímia: Itaúba-camará, camacamará.
Características: Árvore média.
Flores amarelas.
Fruto: baga oblonga, aromática.
Valor terapêutico: Os frutos, aromáticos, são antiespasmódicos e
antidisentéricos.


CAMBARÁ-DE-ESPINHO (Lantana camara)

220 CAMBARÁ-DE-ESPINHO (Lantana camara)
Família: Verbenáceas.
Sinonímia: Cambará-de-chumbo, cambará-de-cheiro, cambará-miúdo,
cambará-verdadeiro, camarajuba.
Outro idioma: Herbe à plomb (Guiana Francesa).
Características: Pequeno arbusto ramificado desde a raiz.
Pequenos espinhos nos ramos.
Folhas ovais.
Cheiro análogo ao da erva-ci-dreira.
Flores vermelhas ou amareladas, dispostas em capítulos.
Habitat: Comum nas capoeiras, em diversos Estados do Brasil.
Valor terapêutico: Tem aplicação nas afecções catarrais,
nas afecções pulmonares e na coqueluche.
Parte usada: Folhas.



sábado, 9 de maio de 2015

CAMAPU (Physalis angulata) afecções do fígado.

CAMAPU (Physalis angulata) afecções do fígado.

215 CAMAPU (Physalis angulata)
Família: Solanáceas.
Sinonímia: Juapoca, juá-de-capote, mata-fome, bucho-de-rã.
Característica: Arbusto pequeno.
Valor terapêutico: A seiva desta planta é usada nas dores de ouvido.
O infuso da raiz é empregado como diurético ativo, sendo também utilizado
contra os reumatismos e as afecções do fígado.


CAMAPU (Physalis edulis)

216 CAMAPU (Physalis edulis)
Família: Solanáceas.
Sinonímia: Bate-testa.
Características: Planta herbácea, esgalhada.
Folhas oval-arredon-dadas, sinuosas.
Flores franzidas, cinzentas. É comestível.
Valor terapêutico: O decocto, em uso interno, é eficaz contra o reumatismo
crônico, as dermatoses (especialmente as impigens), os catarros, a disúria.
É, outrossim, apregoado como calmante. O caule é depurativo.
O fruto é desobstruente.


CAMAPU (Physalis pubescens)

217 CAMAPU (Physalis pubescens)
Família: Solanáceas.
Sinonímia: Alquequenje-amarelo, juá-de-capote, batoto.
Outro idioma: Herbe à cloques (Guiana Francesa).
Característica: Arbusto pequeno.
Valor terapêutico: A seiva desta planta é usada nas dores de ouvido.
As folhas, diuréticas, têm aplicação contra as inflamações da bexiga e icterícia.
O fruto verde, cru, é laxativo e diurético.



sexta-feira, 8 de maio de 2015

CAMAÇÃ (Caraipa piramidata)

CAMAÇÃ (Caraipa piramidata)

214 CAMAÇÃ (Caraipa piramidata)
Família: Teáceas (também chamada Ternstremiáceas ou Cameliáceas).
Sinonímia: Camaçari-vermelho, camaçari-de-caruncho.
Características: Árvore de forma piramidal.
Folhagem densa.
Folhas ovais.
Flores brancas, como o jasmim, em cachos.
Fruto: cápsula.
Fornece uma resina viscosa, rosada.
Valor terapêutico: O suco pegajoso é bom para untar os pés como proteção contra o bicho-de-pé.



quinta-feira, 7 de maio de 2015

CALÊNDULA (Calendula officinalis) nas úlceras gastroduodenais

CALÊNDULA (Calendula officinalis) nas úlceras gastroduodenais

212 CALÊNDULA (Calendula officinalis)
Família: Compostas.
Sinonímia: Malmequer, maravilhas.
Características: Planta ornamental, de folhas ovais ou lanceoladas;
flores amarelas, grandes, largas; haste direita, angular, ramosa;
raiz amarelo-clara, cilíndrica, cabeluda; sementes em forma de barquinho,
ligeiramente curvas.
Valor terapêutico:
Empregada externamente para cicatrizar feridas e úlceras.
Socam-se as folhas e flores até se obter uma pasta, que se aplica diretamente,
ou entre dois panos, sobre a ferida.
Internamente, emprega-se, em chás, nas úlceras gastroduodenais.
Partes usadas: Flores e folhas.


CALUNGA (Quassia ferruginea, Simaba ferruginea, Picroden-drom calunga)

213 CALUNGA (Quassia ferruginea, Simaba ferruginea, Picroden-drom calunga)
Família: Simarubáceas.
Características: Árvore.
Folhas imparipenadas.
Folíolos elípticos.
Flores em panículas.
Habitat: Medra nos Estados de Minas, Bahia, Pernambuco, etc.
Valor terapêutico: O decocto da casca e da raiz tem propriedades eupépticas,
tônicas, febrífugas, antidisentéricas.
Usa-se também contra a hidropisia.



quarta-feira, 6 de maio de 2015

CÁLAMO-AROMÁTICO (Calamus aromaticus paraénsis)

CÁLAMO-AROMÁTICO (Calamus aromaticus paraénsis)

211 CÁLAMO-AROMÁTICO (Calamus aromaticus paraénsis)
Família: Ciperáceas.
Sinonímia: Junco-de-cobra.
Característica: Planta herbácea.
Habitat: S. Paulo e outros Estados.
Valor terapêutico: Usa-se como diaforético e diurético,
bem como para combater a cardialgia e certas afecções do estômago
(gastralgia, gastrite, dispepsia).
Parte usada: Rizoma, em decocção ou infusão.



terça-feira, 5 de maio de 2015

CAJÁ (Spondias lutea)

CAJÁ (Spondias lutea)

209 CAJÁ (Spondias lutea)
Família: Anacardiãceas.
Sinonímia: Cajazeiro, taperebá, tapiribá, cajá-mirim.
Outros idiomas: Prunier mombin (Guiana Francesa), Hog plum (Inglaterra).
Características: Árvore muito grande, frondosa.
Ramos folhudos, cobertos de lentilhas.
Folhas compostas, imparipenadas.
Folíolos oblongos ou elípticos.
Flores em grandes panículas terminais.
Fruto ovóide, amarelo, aromático, de sabor ácido e agradável, do tamanho de uma ameixa.
Habitat: Na várzea e na terra firme, argilosa.
Valor terapêutico: A casca e os grelos, em decocção, são preconizados contra a inchação erisipelatosa dos pés (uso externo).
Em uso interno, o decocto da casca é emético, adstringente, tônico, estimulante, e útil contra as cólicas abdominais e a blenorragia.
O decocto das flores, externamente, é empregado nas laringites (em gargarejos) e nas oftalmias (em loções).
Internamente, as flores, em decocção, são indicadas contra a debilidade geral e as palpitações.
Agem como tônico do coração.
O fruto é muito usado nas anginas atônicas e nas úlceras da vagi-na e do colo do útero.


CAJARANA (Cabralea cangerana)

210 CAJARANA (Cabralea cangerana)
Família: Meliáceas.
Sinonímia: Canjerana, canjarana, cajá-espúrio.
Características: Árvore grande.
Folhas imparipenadas.
Folíolos opostos, grandes, coriàceos.
Flores em panículas axilares.
Valor terapêutico: Goza de reputação por suas propriedades reconstituintes
e febrífugas.
Parte usada: Casca, em decocção.



segunda-feira, 4 de maio de 2015

CAINCA (Chiococca brachiata)

CAINCA (Chiococca brachiata)

207 CAINCA (Chiococca brachiata)
Família: Rubiáceas.
Sinonímia: Caninana, dambrê, quina-de-raiz-preta, raiz-preta, raiz-fedorenta, cipó-cruz, cipó-cruz-verdadeiro, purga-preta (Minas), co-singa, cruzeirinha.
Características: É um arbusto sarmentoso, de 2 a 4 metros de altura.
Folhas ovais.
Flores paniculadas (em racemos), pequenas, brancas. O fruto é uma baga branca, de duas sementes, como as do café.
Valor terapêutico: "A infusão das cascas da raiz, muito amarga e acre, é diurética, purgativa, emenagoga, anti-hidrópica; usada contra a hipoemia intertropical.
Os índios empregam a casca da raiz contusa na água contra o veneno das cobreis. Tóxico em alta dose." Paul Le Cointe, Árvores e Plantas Úteis, pág. 146.
"O caboclo emprega o seu extrato, convicto de que serve para neutralizar o veneno ofídico e faz decoctos das suas raízes para outras mazelas." F. C. Hoehne, Plantas e Substâncias Vegetais Tóxicas e Medicinais, pág. 275.
Usa-se também nos seguintes casos: Albuminúria, angina, anúria, blenorragia, bronquite, laringite, hidrofobia, mordeduras de animais venenosos, prisão de ventre, reumatismo, sífilis.
Parte usada: Raiz, em decocção.
Dose: 10 gramas em 1 litro de água; duas até três xícaras por dia.


CAIUIA-VERMELHA (Calycogonium punctatum)

208 CAIUIA-VERMELHA (Calycogonium punctatum)
Família: Melastomáceas.
Sinonímia: Caiuia-grande.
Características: Árvore semilenhosa.
Caule cilíndrico, peludo.
Folhas opostas, recobertas de pêlos vermelhos, macios.
Flores brancas, em cachos. É parecida com a caiuia-brava.
Habitat: Estados do Nordeste.
Valor terapêutico: Esse vegetal é reputado como antissifilítico eficaz, e ê empregado para combater as úlceras e os cancros vené-reos.



domingo, 3 de maio de 2015

CAIMITO (Chrysophyllum caimito)

CAIMITO (Chrysophyllum caimito)

206 CAIMITO (Chrysophyllum caimito)
Família: Sapotáceas.
Sinonímia: Caimiteiro, camiquié.
Outros idiomas: Caimitier (Guiana Francesa), Star apple (Inglaterra).
Características: Árvore média.
Folhas verde-escuras na face superior e cobertas de pêlos curtos e sedosos na face inferior.
Fruto: baga arredondada, da grossura de uma laranja pequena, contendo uma polpa gelatinosa, branca.
Habitat: Amazônia.
Valor terapêutico: Usa-se como adstringente.
Parte usada: Casca.



sábado, 2 de maio de 2015

CAIMBÉ (Coussapoa asperifolia)

CAIMBÉ (Coussapoa asperifolia)

205 CAIMBÉ (Coussapoa asperifolia)
Família: Moráceas.
Sinonímia: Caimbé-rana.
Características: Árvore média.
Madeira amarelo-castanha.
Habitat: Nos igapós de águas escuras da Amazônia.
Valor terapêutico: A seiva resinosa, amarelada, que se obtém dos cortes feitos
no tronco, é detersiva e cicatrizante.




sexta-feira, 1 de maio de 2015

CAIATÉ Substitui com vantagem o óleo de rícino.

CAIATÉ Substitui com vantagem o óleo de rícino.

204 CAIATÉ (Omphalea diandra)
Família: Euforbiáceas.
Sinonímia: Castanha-caiaté ou castanha-caeté (Amazonas), casta-nha-de-cutia,
castanha-de-peixe, castanha-purgativa, comadre-do-azeite.
Outros idiomas: Graine de l'Anse, Liane Papaye (Martinica),
Oua-bé, Omphalier (Guiana Francesa).
Características: Cipó grande.
Fruto esférico.
Habitat: Nos terrenos argilosos, alagadiços, em toda a Amazônia.
Valor terapêutico:
O azeite extraído das amêndoas é purgativo.
Substitui com vantagem o óleo de rícino. Não tem cheiro nem sabor.