quarta-feira, 13 de maio de 2015

CAMBUÍ (Piptadenia colubrina)

CAMBUÍ (Piptadenia colubrina)

224 CAMBUÍ (Piptadenia colubrina)
Família: Leguminosas.
Sinonímia: Acácia, angico-branco.
Características: Árvore alta.
Aparência de cobra.
Casca parda.
Folhagem miúda, em palminhas, de ramagem bem disposta, com muitas flores brancas, pequenas.
Fruto: pequena vagem chata, parda, com sementes pequeninas.
Habitat: Nas caatingas.
Valor terapêutico: É peitoral e emoliente.
Muito usado para as vias respiratórias, nas afecções pulmonares, bronquites, tosses, faringi-tes e asma.
Ajuda a expectoração do catarro.
É, outrossim, adstringente.
Usa-se, também, para: debilidade, diarréia, disenterias, escrófulas, hemorragias, inapetência.
Partes usadas: Casca e resina (goma).
Dose: 50 gramas de casca ou 25 gramas de resina para 1 litro de água.
Cozinha-se, coa-se e acrescenta-se um pouco de mel.
Tomam-se, desse xarope, umas seis colheres das de sopa por dia.
O angico vermelho tem as mesmas virtudes medicinais que o branco,
podendo ser usado para os mesmos fins e na mesma dose.


CAMBUÍ DA RESTINGA (Eugenia crenata)

225 CAMBUÍ DA RESTINGA (Eugenia crenata)
Família: Mirtáceas.
Sinonímia: Cambuí-da-praia, cambuí-pitanga, cambuí, cambuí-de-cachorro,
cambuí-verdadeiro, goiabeira-do-mato.
Características: Árvore pequena.
Caule erecto.
Assemelha-se à jaboticabeira.
Fruto pequeno, esbranquiçado, doce.
Valor terapêutico: As sementes encerram propriedades febrífugas.




Nenhum comentário:

Postar um comentário