segunda-feira, 31 de agosto de 2015

CRUÁ (Cucurbita odorata)

CRUÁ (Cucurbita odorata)

394 CRUÁ (Cucurbita odorata)
Família: Cucurbitáceas.
Sinonímia: Melão-de-cabloco, cruatina.
Características: É uma planta trepadeira semelhante às suas congêneres:
melancia, abóbora, etc.
Folhas palmadas com pêlos ásperos.
Flores brancas ou amareladas e rosetadas.
Fruto de comprimento de 50 cm, mais ou menos. A massa interna é amarela como a do gerimum (abóbora).
Valor terapêutico:
As sementes são emenagogas enérgicas e anti-febris.
Come-se um punhadinho (5 a 10 gramas de cada vez, três ou quatro vezes ao dia).
A casca do fruto (20:1000, decocção), é bom remédio para as moléstias dos intestinos.
Os talos e as folhas são indicadas para: afecções uterinas, cloro-se, leucorréia, metrite.
Parte usada: Toda a planta.



domingo, 30 de agosto de 2015

CRAVO-DE-DEFUNTO (Tagetes patula, Tagetes erecta) vermífugo

CRAVO-DE-DEFUNTO (Tagetes patula, Tagetes erecta) vermífugo

393 CRAVO-DE-DEFUNTO (Tagetes patula, Tagetes erecta)
Família: Compostas.
Sinonímia: Cravo-da-índia, cravinho-da-índia, cravo-de-tunes, cravina-de-tunes,
rosa-da-índia.
Outro idioma: Rose d'lnde (França).
Características: Planta herbácea.
Caule sulcado, esverdinhado.
Folhas palmadas, escuras.
Flores amarelas, algo avermelhadas.
Valor terapêutico:
O infuso das flores é sudorífico, peitoral, anti-histérico, vermífugo.
Indicado contra as dores reumáticas, as afecções uterinas, os resfriados,
a bronquite, a tosse.
As sementes são aperitivas, purgativas e detersivas.
A raiz é laxativa.
Partes usadas: Flores, sementes, raiz.



sábado, 29 de agosto de 2015

CRAVO-DA-TERRA Para cólicas das crianças e nas verminoses.

CRAVO-DA-TERRA Para cólicas das crianças e nas verminoses.

392 CRAVO-DA-TERRA (Myrtus caryophyllata, Myrtus pseudocaryo-phyllus, Eugenia pseudocaryophyllus)
Família: Mirtáceas.
Sinonímia: Videira-falso-craveiro.
Características: Árvore.
Folhas ovais, reviradas.
Flores em cachos.
Fruto: baga.
Valor terapêutico: Usa-se nas cólicas das crianças e nas verminoses.



sexta-feira, 28 de agosto de 2015

CRAVO (Dianthus caryophyllus)

CRAVO (Dianthus caryophyllus)

390 CRAVO (Dianthus caryophyllus)
Família: Cariofiláceas.
Sinonímia: Craveiro.
Características: Planta herbácea.
Flor de jardim.
Folhas estreitinhas, compridas, verde-azuladas.
Flores terminais, de diversas cores.
Habitat: Medra por toda parte.
Valor terapêutico: A flor do cravo encarnado, em infusão,
dá um chá de bom efeito como sudorífico e como medicamento contra a vertigem
e a dor de cabeça.




CRAVO-DA-ÍNDIA (Caryophyllus aromaticus)

391 CRAVO-DA-ÍNDIA (Caryophyllus aromaticus)
Família: Mirtáceas.
Sinonímia: Cravo-girofe.
Outro idioma: Ciou de girofle (França).
Características: Árvore cujas flores, desprovidas das pétalas e dos estames,
recebem o nome aqui indicado.
Valor terapêutico: O óleo de cravo acalma a dor de dente.




quinta-feira, 27 de agosto de 2015

CRAVEIRO-DA-TERRA (Calyptranthes aromatica)

CRAVEIRO-DA-TERRA (Calyptranthes aromatica)

387 CRAVEIRO-DA-TERRA (Calyptranthes aromatica)
Família: Mirtáceas.
Característica: Arbusto.
Habitat: Ê comum no Estado do Rio.
Valor terapêutico: A casca aromática, pulverizada, é carminativa, antiespasmódica.


CRAVINA-DO-CAMPO (Schultesia stenophylla)

388 CRAVINA-DO-CAMPO (Schultesia stenophylla)
Família: Gencianáceas.
Sinonímia: Fel-da-terra, mata-zombando.
Outro idioma: Centaurelle (Guiana francesa).
Características: Planta herbácea.
Flores amarelas e róseas, vistosas.
Habitat: Amazônia.
Valor terapêutico: É uma planta tônica e febrífuga.



CRAVINHO-DE-CAMPINA (Pycnatum alternum)

389 CRAVINHO-DE-CAMPINA (Pycnatum alternum)
Família: Labiadas.
Características: Planta trepadeira.
Caule quadrangular, roxo-escu-ro.
Folhas crespas, lustrosas, ovais, opostas.
Flores brancas, em grupos.
Fruto: cápsula contendo quatro sementes pretas.
Habitat: Medra nas campinas.
Valor terapêutico: Emprega-se o decocto contra as impigens, co-ceiras, boubas, sarnas, etc.



quarta-feira, 26 de agosto de 2015

COUVINHA (Porophyllum ruderale)

COUVINHA (Porophyllum ruderale)

386 COUVINHA (Porophyllum ruderale)
Família: Compostas.
Sinonímia: Couve-cravinho, erva-couvinha, cravo-de-urubu.
Características: Planta herbácea.
Folhas inteiras, elípticas, às vezes crenuladas, longipecioladas, verde-azuladas.
Habitat: Nos lugares cultivados.
Valor terapêutico: O decocto é diaforético e útil nas afecções do útero e na orquite.



terça-feira, 25 de agosto de 2015

COTÓ-COTÓ (Palicourea densifolia, Rudgea viburnoides)

COTÓ-COTÓ (Palicourea densifolia, Rudgea viburnoides)

385 COTÓ-COTÓ (Palicourea densifolia, Rudgea viburnoides)
Família: Rubiáceas.
Sinonímia: Tangaraçá-açu, congonha-de-gentio, chá-de-bugre (Estados do Sul).
Características: Arbusto.
Folhas compostas, oval-alongadas.
Flores brancas, em panículas terminais. O fruto é uma baga reniforme, preta, contendo 2 caroços no interior.
Habitat: S. Paulo, Rio, Minas; fronteiras da Bolívia, do Peru, da Colômbia.
Valor terapêutico: Afecções da bexiga e das vias urinárias, astenia geral, diarréia, dispepsia, gota, reumatismo, sífilis.
É de grande efeito depurativo.
Partes usadas: Raiz e cascas.
Dose: 20 gramas para 1 litro de água; 4 a 5 xícaras por dia.



segunda-feira, 24 de agosto de 2015

CORTICEIRA (Erythrina crista-galli)

CORTICEIRA (Erythrina crista-galli)

383 CORTICEIRA (Erythrina crista-galli)
Família: Leguminosas-papilionáceas.
Sinonímia: Flor-de-coral, mulungu, ceibo, sananduva, suiná, sumaüveira,
coraleira-cristada.
Características: Árvore alta, pouco espinhosa.
Folhas compostas.
Folíolos oval-lanceolados.
Flores cor de coral brilhante, axilares, em número de duas ou três, pendentes,
com o estandarte oval-alongado, enrolado e recurvo.
Há também outra espécie de corticeira, conhecida pelos nomes de mututi (Breves)
e tinteira (Belém).
Valor terapêutico: O cozimento da casca serve para acalmar o sistema nervoso.
Também, em forma de compressas, se emprega topicamente em casos de golpes,
contusões, etc.
Parte usada: Casca, em decocção.
Dose: 20 gramas para 1 litro de água; 4 a 5 xícaras por dia.



CORTICEIRA (Pterocarpus draco)

384 CORTICEIRA (Pterocarpus draco)
Família: Leguminosas.
Sinonímia: Mututi (Breves), tinteira (Belém), sangue-de-dragão.
Outro idioma: Moutouchi bouchon (Guiana Francesa).
Características: Árvore média, resinosa.
Folhas alternas, lisas.
Flores amarelas.
Fruto: vagem.
Habitat: No litoral e nos igapós do estuário, na Amazônia.
Valor terapêutico: A incisão da casca fornece um líquido vermelho,
o "sangue de dragão".
A resina é tônica e adstringente.



domingo, 23 de agosto de 2015

CORTA-ASMA (Psychotria involucrata)

CORTA-ASMA (Psychotria involucrata)

382 CORTA-ASMA (Psychotria involucrata)
Família: Rubiáceas.
Outro idioma: Asier à I'asthme (Guiana Francesa).
Característica: Arbusto.
Valor terapêutico: O infuso das folhas é antiasmático, sendo, porém,
tóxico em alta dose.



sábado, 22 de agosto de 2015

CORDÃO-DE-FRADE (Leonotis nepetaefolia)

CORDÃO-DE-FRADE (Leonotis nepetaefolia)

380 CORDÃO-DE-FRADE (Leonotis nepetaefolia)
Família: Labiadas.
Sinonímia: Cordão-de-são-francisco, pau-de-praga, rubim.
Esta planta também se chama cordão-de-frade-verdadeiro e cordão-de-frade-pequeno. Não deve ser confundida com outras igualmente conhecidas por cordão-de-frade.
Características: Erva quase arbustiva, de até um metro e meio de comprimento.
Cheiro aromático.
Caule quadrangular.
Folhas opostas, lanceoladas.
Flores alaranjadas, dispostas em verticilos globulares nas axilas das folhas.
Os frutos são quatro grãos pretos, trapezóides.
Habitat: Em lugares abertos e secos, na vizinhança das habitações.
Valor terapêutico: Emprega-se nos acessos de asma, na disúria, no reumatismo.
Boa planta para eliminar o ácido úrico.
É, além disso, estimulante, antiespasmódica e eficaz contra as
hemorragias uterinas.
Externamente usa-se em banhos contra o reumatismo articular agudo.
Também quando há dificuldade em urinar, o decocto de cordão-de-frade, em forma de banhos, presta grande auxílio.
Esses mesmos banhos são muito bons para fortalecer as crianças débeis.
Partes usadas: Folhas e talos.
Dose: 20 gramas para 1 litro de água; 4 a 5 xícaras por dia.



COROA-DE-FRADE (Melocactus depressus)

381 COROA-DE-FRADE (Melocactus depressus)
Família: Cactáceas.
Características: Cactácea globoso-cônica.
Arestas fortemente acu-leadas.
Cabeça grande, que se alonga.
Flores róseas.
Fruto: baga rósea.
Habitat: Nos Estados do Nordeste.
Valor terapêutico: Tem indicação por suas propriedades antiescor-búticas.



sexta-feira, 21 de agosto de 2015

CORAÇÃO DE JESUS (Mikania officinalis)

CORAÇÃO DE JESUS (Mikania officinalis)

379 CORAÇÃO DE JESUS (Mikania officinalis)
Família: Compostas.
Sinonímia: Cacália, erva-cobra.
Características: Planta herbácea, lenhosa.
Folhas opostas.
Flores brancas ou roxas, dispostas em corimbo.
Fruto: aquênio.
Valor terapêutico: Usam-se as folhas nos casos de anúria, dispepsia,
febres intermitentes.
10 gramas para 1 litro de água; até duas xícaras por dia.
Os sertanejos preparam um chá da raiz em cozimento, contra mordeduras de cobras e insetos venenosos.
Partes usadas: Folhas e raiz.



quinta-feira, 20 de agosto de 2015

COQUINHO (Phyllanthus pendulus) Parar hemorragias.

COQUINHO (Phyllanthus pendulus) Parar hemorragias.

378 COQUINHO (Phyllanthus pendulus)
Família: Euforbiáceas.
Características: Planta herbácea.
Folhas miúdas, elípticas, palmadas.
Flores ao longo do pecíolo das folhas.
Fruto pequeno, contendo três sementes.
Valor terapêutico: Encerra propriedades hemostáticas. (Parar hemorragias.)



quarta-feira, 19 de agosto de 2015

COQUIDA (Swartzia crysantha)

COQUIDA (Swartzia crysantha)

377 COQUIDA (Swartzia crysantha)
Família: Leguminosas-cesalpiniáceas.
Características: Árvore pequena.
Flores amarelas, brilhantes.
Habitat: Nos igapós de terra firme, na Amazônia.
Valor terapêutico: O decocto é empregado, em banhos,
contra a amenorréia e a dismenorréia.



terça-feira, 18 de agosto de 2015

COQUEIRINHO (Marica paludosa, Cipura paludosa)

COQUEIRINHO (Marica paludosa, Cipura paludosa)

375 COQUEIRINHO (Marica paludosa, Cipura paludosa)
Família: Iridáceas.
Sinonímia: Alho-da-campina, alho-do-campo, alho-do-mato.
Características: Planta herbácea, de uns 25 cm de altura,
que sai da terra em forma de 3 ou 4 folhas ascendentes, estreitas,
sulcadas longitudinalmente.
Do meio dessas folhas partem umas hastes ou pe-dúnculos que sustentam uma
flor azul. Há uma cebolinha na raiz.
Habitat: Medra nos lugares úmidos e paludosos.
Valor terapêutico: Internamente usa-se, em decocção, contra a escrofulose;
em banhos usa-se o decocto contra a blenorragia.


COQUEIRO ARIRI (Cocos schizophylla)

376 COQUEIRO ARIRI (Cocos schizophylla)
Família: Palmáceas.
Característica: Palmeira.
Habitat: É vulgar na Bahia e em outros Estados.
Valor terapêutico: O suco deste coco, verde, tem propriedades antioftálmicas.



segunda-feira, 17 de agosto de 2015

COPAÍBA-MARIMARI Bom remédio contra a psoríase.

COPAÍBA-MARIMARI Bom remédio contra a psoríase.

374 COPAÍBA-MARIMARI (Copaifera reticulata)
Família: Leguminosas-cesalpiniáceas.
Sinonímia: Copaíba-jutaí.
Característica: Árvore grande.
Habitat: Amazônia.
Valor terapêutico: O óleo resinoso é antiblenorrágico, detergente e cicatrizante.
Bom remédio contra a psoríase.



domingo, 16 de agosto de 2015

COPAÍBA (Copaifera Martii)

COPAÍBA (Copaifera Martii)

372 COPAÍBA (Copaifera Martii)
Família: Leguminosas-cesalpiniáceas.
Sinonímia: Copaúba, copai ba-jutaí, copaibarana, jutai-pororoca, óleo-vermelho.
Característica: Árvore.
Habitat: Vegeta em Minas e outros Estados.
Valor terapêutico:, Tem as mesmas aplicações medicinais da outra copaíba
(Copaifera Langsdorfii).



COPAÍBA (Copaifera officinalis)

373 COPAÍBA (Copaifera officinalis)
Família: Leguminosas-cesalpiniáceas.
Sinonímia: Copaiba-verdadeira, copaúva, jatobâ-mirim, cupaúba, cupiúba,
óleo-branco.
Características: Árvore de 18 a 20 m de altura.
Folhas alternas, pecioladas, compostas de dois a oito folíolos alternos,
iongipeciola-dos, ovais, acuminados, inteiros, glabros, ligeiramente coriáceos.
Flores brancas, pequenas, hermafroditas, dispostas em cachos ramificados, axilares.
Valor terapêutico: Tem a mesma aplicação medicinal da Copaifera Langsdorfii.




sábado, 15 de agosto de 2015

COPAÍBA (Copaifera langsdorfii) no tratamento das úlceras

COPAÍBA (Copaifera langsdorfii) no tratamento das úlceras

371 COPAÍBA (Copaifera langsdorfii)
Família: Leguminosas-cesalpiniáceas.
Sinonímia: Pau-de-óleo, óleo-de-copaíba, bálsamo, copaíba-da-várzea,
copaibeira-de-minas, cupaúba, cupiúva, óleo-vermelho, co-paíba-vermelha.
Características: Árvore.
Folhas compostas de três pares de folíolos oval-alongados, inteiros,
com pontos transparentes.
Flores em pa-nículas terminais.
Habitat: Comum em Minas e outros Estados.
Valor terapêutico: O óleo de copaíba, de que existem muitas espécies,
como o claro, o amarelo, o escuro, é reputado como excelente remédio nos
casos de sífilis, hemoptises, bronquite, tosse, psoríase e outras dermatoses,
enuresia, cistite, urticária, disenteria.
Usa-se também como cicatrizante, no tratamento das úlceras e feridas.




sexta-feira, 14 de agosto de 2015

CONAMI (Phyllanthus conami, Conami brasiliensis) vias urinárias.

CONAMI (Phyllanthus conami, Conami brasiliensis) vias urinárias.

369 CONAMI (Phyllanthus conami, Conami brasiliensis)
Família: Euforbiáceas.
Sinonímia: Conambi-pará, conambi, timbó, tinguí.
Outros idiomas: Conapi, Pacai, Barbasco (Peru), Nicou (Guiana Francesa).
Características: Arbusto.
Flores de cheiro penetrante e desagradável.
Valor terapêutico: A raiz, diurética, é empregada, em infusão,
nas moléstias das vias urinárias.


CONGONHA VERDADEIRA (Villaresia mucronata)

370 CONGONHA VERDADEIRA (Villaresia mucronata)
Família: Icacináceas.
Sinonímia: Pataguá, congonha-do-sertão, erva-de-anta-com-espinho.
Característica: Árvore ou arbusto.
Valor terapêutico: É uma planta diurética, febrífuga, tônica.



quinta-feira, 13 de agosto de 2015

COMINHO (Cominum cyminum)

COMINHO (Cominum cyminum)

368 COMINHO (Cominum cyminum)
Família: Umbelíferas.
Características: Planta herbácea, de mais ou menos 30 cm de alto.
Haste direita, ramosa, estriada.
Folhas alternas, distantes, gla-bras, recortadas em longos colmilhos quase capilares.
Flores brancas, ou avermelhadas, pequenas, dispostas em umbelas terminais.
Valor terapêutico: O cominho tem praticamente o mesmo emprego que o anis.
É estomáquico, carminativo, emenagogo, diurético.
Usa-se também nas dispepsias e flatulências.
Em cataplasmas, emprega-se para resolver os ingurgitamentos dos bicos dos seios e dos testículos.
As sementes de cominho são usadas como condimento.
Os israelitas, os alemães, etc., as põem no pão preto.
Há também outro tipo de cominho, cujo nome científico é carum carvi, e que,
na medicina caseira, tem a mesma aplicação que o Cuminum cyminum.
Parte usada: Sementes, por infusão.
Dose: 3 a 5 gramas para 1 litro de água; 4 a 5 xícaras por dia.




quarta-feira, 12 de agosto de 2015

COLOQUINTA (Citrullus colocynthis, Cucumis colocynthis)

COLOQUINTA (Citrullus colocynthis, Cucumis colocynthis)

367 COLOQUINTA (Citrullus colocynthis, Cucumis colocynthis, Colocynthis officinalis)
Família: Cucurbitáceas.
Sinonímia: Colocíntida.
Outro idioma: Coloquíntida, tuera (Espanha).
Características: Planta herbácea, rasteira.
Folhas profundamente recortadas, subdivididas em lóbulos.
Flores pequenas, amarelas.
Fruto amarelo, do tamanho e da forma de uma laranja. A polpa esponjosa, branca, do fruto maduro, é muito amarga.
Valor terapêutico: A polpa é um purgante muito violento.
Bastam alguns centigramas para se obter efeito drástico.
"Como dose máxima", diz o Dr. Pio Font Quer.
"tomam-se, de cada vez, 30 centigramas, e, por dia, um grama.
Mesmo estas doses são notavelmente elevadas, porque podem provocar dolorosas cólicas e evacuações san-guinolentas... As senhoras grávidas não podem tomar este purgante, porque provoca aborto; nem os que padecem de enfermidades renais, porque congestiona os rins.
Para matar um homem bastam 2 a 5 gramas."
Por isso, na medicina caseira não é recomendável o uso deste vegetal,
porque um erro, aí, pode produzir resultados mui perigosos.




terça-feira, 11 de agosto de 2015

COERANA-DE-CARAVELAS para curar as hemorróidas.

COERANA-DE-CARAVELAS para curar as hemorróidas.

364 COERANA-DE-CARAVELAS (Cestrum pauciflorum)
Família: Solanáceas.
Característica: Arbusto.
Habitat: Comum no Sul da Bahia.
Valor terapêutico: Usa-se o decocto, em banhos de assento,
para curar as hemorróidas.


COERANA-DE-FLOR-VERDE (Cestrum calycinum)

365 COERANA-DE-FLOR-VERDE (Cestrum calycinum)
Família: Solanáceas.
Característica: Arbusto.
Habitat: Conhecida em Goiás, Minas, e nos Estados do Sul.
Valor terapêutico:
É uma planta apregoada por suas virtudes calmantes e antiespasmódlcas.


COERANA-DO-RIO-GRANDE-DO-SUL (Cestrum parqui)

366 COERANA-DO-RIO-GRANDE-DO-SUL (Cestrum parqui)
Família: Solanáceas.
Outro idioma: Duraznillo negro (Argentina).
Características: Arbusto pequeno, de uns 2 m de altura, muito ra-moso.
Habitat: Nos Estados do Sul.
Valor terapêutico: Aplica-se topicamente o infiiso ou o decocto em fomentações
(compressas quentes) para acalmar as cólicas.
Usa-se também em banhos de assento para combater as hemorróidas, caso em que
se empregam, igualmente, fomentações.



segunda-feira, 10 de agosto de 2015

COERANA (Cestrum bracteatum)

COERANA (Cestrum bracteatum)

361 COERANA (Cestrum bracteatum)
Família: Solanáceas.
Características: Arbusto totalmente glabro.
Folhas lanceoladas.
Flores alvas, bracteadas, brevipedunculadas.
Fruto: baga pequena, elipsóide, roxo-negra.
Habitat: Ocorre no Estado do Rio.
Valor terapêutico: É uma planta calmante e antiespasmódica.


COERANA (Coeranum laevigatum, Cestrum laevigatum)

362 COERANA (Coeranum laevigatum, Cestrum laevigatum)
Família: Solanáceas.
Sinonímia: Canema, coerana-branca.
Características: Arbusto de 2,5 a 3 metros de altura.
Folhas ovais, subcordiformes, alternas, lisas, pecioladas, de cheiro nauseante.
Flores amarelo-esverdeadas, que se abrem à noite.
O fruto é uma baga oval, com uma polpa e muitas sementes no interior.
Valor terapêutico: Existem diversas plantas aparentadas, vulgarmente conhecidas pelo nome de "coerana", e que recebem diferentes nomes científicos, a saber:Coeranum corymbosum, Cestrum corymbo-sum, Cestrum parqui, Cestrum bacteatum, Cestrum stipulatum, Cestrum salicifolium, Cestrum poeppigii, etc.
Todas elas têm aproximadamente as mesmas aplicações na medicina doméstica.
As folhas da espécie salicifolium são apregoadas como sedativas, colagogas e parasiticidas, mas seu uso interno é perigoso, em virtude do seu princípio tóxico.
Quanto à espécie poeppigii, suas folhas, em cataplasmas e em banhos, são emolientes, sedativas, antiespasmódicas, e boas contra o reumatismo, a disúria, as afecções cutâneas e as hemorróidas.
No que diz respeito à espécie parqui, exprime-se o Dr. Leo Manfred:
"Seu uso mais comum são os fomentos, que se aplicam nos casos de cólicas e dores do ventre.
"Em banhos de assento, emprega-se o infuso das folhas, a 2%, para curar hemorróidas."
O decocto aplicado em forma de fomentos mornos é um excelente medicamento anti-hemorroidário.
De modo geral, não é aconselhável o uso interno das coeranas, por serem, umas mais e outras menos, venenosas.


COERANA-AMARELA (Cestrum corymbosum)

363 COERANA-AMARELA (Cestrum corymbosum)
Família: Solanáceas.
Sinonímia: Coerana-do-brejo, coerana-de-minas.
Características: Arbusto ou árvore pequena, ramosa.
Folhas coriá-ceas, ovais ou oval-alongadas, com base e ápice acuminadas.
Flores tubulosas, amarelas, em cachos umbeliformes ou em corimbos.
Fruto: baga negra, pouco maior do que uma ervilha.
Habitat: Rio, Minas, e outros Estados.
Valor terapêutico:
"As folhas são úteis no tratamento das hemorróidas e como emoliente em geral."
F. C. Hoehne, O Jardim Botânico de S. Paulo, pág. 581.
"Na terapêutica popular usam-na (a espécie Cestrum corymbosum) em forma de
decoctos e maceratos para banhar o ânus nos càsos de hemorróidas e dizem
que o resultado é surpreendente."
F. C. Hoehne, Plantas e Substâncias Vegetais Tóxicas e Medicinais, pág. 266.



domingo, 9 de agosto de 2015

COENTRILHO (Xanthoxylum hyemale, Xanthoxylum culantrillo)

COENTRILHO (Xanthoxylum hyemale, Xanthoxylum culantrillo)

359 COENTRILHO (Xanthoxylum hyemale, Xanthoxylum culantrillo)
Família: Rutáceas.
Características: Árvore alta.
Folhas miúdas, em forma de palmas.
Flores em cachos.
Fruto redondo.
Habitat: Encontra-se nos Estados do Sul.
Valor terapêutico: O córtex (parte externa da casca) é tônico e útil na
dor de dente e na dor de ouvido.


COENTRO-DE-CABLOCO (Eryngium foetidum)

360 COENTRO-DE-CABLOCO (Eryngium foetidum)
Família: Umbelíferas.
Sinonímia: Coentro-bravo, coentro-da-colônia.
Outro idioma: Azier Ia fievre (Guiana Francesa).
Características: Planta herbácea, de cheiro desagradável.
Habitat: Comum nos gramados.
Valor terapêutico: É diurético, sudorífico, febrífugo, sedativo,
anti-histérico, anti-hidrópico.



sábado, 8 de agosto de 2015

COCO-DE-DENDÊ (Elaeis guineensis)

COCO-DE-DENDÊ (Elaeis guineensis)

358 COCO-DE-DENDÊ (Elaeis guineensis)
Família: Palmáceas.
Sinonímia: Dendezeiro, palmeira-dendê, coqueiro-de-dendê.
Outro idioma: Aouara pays negre (Guiana Francesa).
Características: Palmeira cujo estipe alcança geralmente 15 a 20 metros de altura,
podendo, no mato, chegar até 30 metros.
Folhas (que medem 5 a 7 metros) penatifidas, compostas de numerosas pínulas
que atingem o comprimento de 60 centímetros.
Flores monóicas.
Nascem nas axilas das folhas.
Fruto oval, oleaginoso, amare-lo-avermelhado, envolto num pericarpo duro e anguloso.
100 centímetros.
Flores monóicas.
Nascem nas axilas das folhas.
Fruto oval, oleaginoso, amare-lo-avermelhado, envolto num pericarpo duro e anguloso.
Valor terapêutico: O coco se emprega para combater anginas, cefalalgias,
cólicas abdominais, edemacia nas pernas.




sexta-feira, 7 de agosto de 2015

COCO-AIRI (Astrocaryum ayri)

COCO-AIRI (Astrocaryum ayri)

357 COCO-AIRI (Astrocaryum ayri)
Família: Palmáceas.
Sinonímia: Airi, brejaúba.
Característica: Palmeira.
Habitat: Rio de Janeiro, Bahia, Pará, etc.
Valor terapêutico: Usa-se para combater a leucorréia e outros corri mentos,
bem como diversas afecções uterinas.
Parte usada: Raiz.



quinta-feira, 6 de agosto de 2015

COCLEÁRIA (Cochlearia officinalis)

COCLEÁRIA (Cochlearia officinalis)

356 COCLEÁRIA (Cochlearia officinalis)
Família: Crucíferas.
Características: Planta herbácea, de 10 a 20 cm de elevação.
Haste erecta, ramosa, angulosa, glabra, verde.
Ramos erectos, elevan-do-se todos quase à mesma altura.
Folhas algo carnudas, lisas, luzen-tes verde-escuras.
Flores brancas, pedunculadas, dispostas nas extremidades dos ramos em cachos corimbiformes.
Fruto: síliqua, contendo uma ou duas sementes.
Valor terapêutico: É uma planta de excelente valor anti-escorbútico.
Nas afecções escorbúticas da boca, mastigam-se as folhas para firmar as gengivas.
Fazem-se também bochechos com o suco das folhas.
O suco é empregado internamente, não só no escorbuto, mas também nos
ingurgitamentos ganglionares e viscerais, nos catarros pulmonares
com abundante secreção dos brônquios, na asma, na hidropisia que pode vir em seguida às febres intermitentes, nas enfermidades crônicas da pele.
A cocleária também pode ser comida em saladas, de mistura com outras ervas.
É eficaz contra a inapetência e a dispepsia.
Esta planta só deve empregar-se fresca, porque, seca, é quase nula no seu valor curativo.
Parte usada: Folhas frescas.
Dose: 20 gramas para 1 litro de água, 4 a 5 xícaras por dia.





quarta-feira, 5 de agosto de 2015

CLITÓRIA (Clitoria ternatea) efeito purgativo.

CLITÓRIA (Clitoria ternatea) efeito purgativo.

355 CLITÓRIA (Clitoria ternatea)
Família: Leguminosas.
Sinonímia: Clitória-de-três-folíolos.
Características: Planta trepadeira.
Flores azuis com centro branco e amarelo.
Boa para caramanchéis.
Valor terapêutico: A raiz tem efeito purgativo.



terça-feira, 4 de agosto de 2015

CIRIUBA (Avicennia nitida)

CIRIUBA (Avicennia nitida)

354 CIRIUBA (Avicennia nitida)
Família: Verbenáceas.
Sinonímia: Mangue-amarelo, mangue-branco, guapirá.
Outros idiomas: Black mangrove (Inglaterra), Palétuvier blanc (Guiana Francesa).
Características: Árvore média.
Madeira pardo-escura.
Flores amarelas.
Habitat: Em toda a costa marítima do Brasil, especialmente junto da foz dos rios.
Valor terapêutico: É um poderoso adstringente, antidiarréico e anti-hemorrágico.



segunda-feira, 3 de agosto de 2015

CIPRESTE (Cupressus pyramidalis, Cupressus sempervirens)

CIPRESTE (Cupressus pyramidalis, Cupressus sempervirens)

353 CIPRESTE (Cupressus pyramidalis, Cupressus sempervirens)
Família: Pináceas ou Coníferas.
Características: Árvore grande, muito ramificada, com copa pira-midada.
Folhas escamiformes, imbricantes, obtusas.
Valor terapêutico: O fruto, em decocção, é indicado contra as disenterias,
as blenorragias e as hérnias.
É também bom febrífugo, vul-nerário e tônico.
Bebe-se o decocto e usa-se igualmente em banhos.




domingo, 2 de agosto de 2015

CIPÓ-TUÍRA (Prevostea ferruginea)

CIPÓ-TUÍRA (Prevostea ferruginea)

351 CIPÓ-TUÍRA (Prevostea ferruginea)
Família: Convolvuláceas.
Característica: Cipó.
Habitat: Amazônia.
Valor terapêutico: É uma planta adstringente.
Emprega-se o decocto, em lavagens, contra a leucorréia.


CIPÓ VERMELHO-DE CAIENA (Tetracera tigarea)

352 CIPÓ VERMELHO-DE CAIENA (Tetracera tigarea)
Família: Dileniáceas.
Característica: Cipó.
Valor terapêutico: O decocto das folhas é depurativo, diurético, e sudorífico.
As sementes, em decocção, passam por febrífugas.



sábado, 1 de agosto de 2015

CIPOTAIA (Capparis urens) otite supurada.

CIPOTAIA (Capparis urens) otite supurada.

350 CIPOTAIA (Capparis urens)
Família: Caparidáceas.
Sinonímia: Cipó-taiá.
Características: Cipó. Flores brancas.
Habitat: Amazônia.
Valor terapêutico: A raiz seca, reduzida a pó, é empregada em sinapismos.
Aplica-se também, externamente, para acalmar as dores reumáticas.
O suco desta planta, misturado com óleo de amêndoas, é recomendado na
otite supurada.