quarta-feira, 30 de setembro de 2015

ERVA-DE-CHUMBO contra os cálculos biliários.

ERVA-DE-CHUMBO contra os cálculos biliários.

436 ERVA-DE-CHUMBO (Cassytha americana)
Família: Lauráceas.
Características: Cipó rasteiro.
Caules filiformes, compridos, amarelos.
Habitat: Nos campos de terra firme, arenosos.
Valor terapêutico: O infuso é bom remédio contra os cálculos biliários.



terça-feira, 29 de setembro de 2015

ERVA-DE-BUGRE (Casearia sylvestris, Samyda sylvestris)

ERVA-DE-BUGRE (Casearia sylvestris, Samyda sylvestris)

435 ERVA-DE-BUGRE (Casearia sylvestris, Samyda sylvestris)
Família: Flacurtiáceas.
Sinonímia: Erva-de-lagarto, erva-de-teiú, língua-de-teiú, café-bra-vo.
Os cablocos dão às caseárias, de modo genérico, o nome de guaçatuga.
Características: Árvore de mais de 10 metros.
Folhas alternas, oval-acuminadas, serreadas.
Valor terapêutico: É depurativa do sangue.
Usa-se contra a hi-dropsia, as moléstias da pele, a sífilis.
Partes usadas: Folhas e raiz.
Dose: 20 gramas para 1 litro de água; 4 a 5 xícaras por dia.




segunda-feira, 28 de setembro de 2015

ERVA DAS ESCALDADELAS (Scrophularia aquatica)

ERVA DAS ESCALDADELAS (Scrophularia aquatica)

433 ERVA DAS ESCALDADELAS (Scrophularia aquatica)
Família: Escrofulariáceas.
Sinonímia: Betônica-d'água, iquetaia, iquetária.
Outro idioma: Grande morele, Herbe aux hémorroides, herve du siege, Orvalle d'eau (França).
Características: Planta herbácea.
Caule quadrangular.
Folhas cordiformes.
Flores em cachos.
Habitat: Medra junto das águas.
Valor terapêutico:
O decocto (cozimento) é usado contra as hemorróidas, a pleurisia,
a malária e a apoplexia.
As folhas machucadas têm indicação como vulnerárias e resolutivas.



ERVA-DE-BICHO (Cuphea speciosa, Cuphea melvilla)

434 ERVA-DE-BICHO (Cuphea speciosa, Cuphea melvilla)
Família: Litráceas.
Sinonímia: Erva-do-bicho. Não se deve confundir esta planta com
outra de igual nome, da família das Poligonáceas (Polygonum acre),
também chamada pimenta-d'água ou cataia.
Característica: Planta herbácea.
Habitat: Mato Grosso e outros Estados.
Valor terapêutico:
"A Cuphea melvilla de Mato Grosso, ou 'erva-de-bicho',
é antelmíntica e anti-hemorroidária." J. S. Decker,
Aspectos Biológicos da Flora Brasileira, pág. 231.



domingo, 27 de setembro de 2015

ERVA-COBRE contra gota e reumatismo.

ERVA-COBRE contra gota e reumatismo.

432 ERVA-COBRE (Mikania cordifolia)
Família: Compostas.
Sinonímia: Coração-de-jesus, erva-de-cobra, guaco.
Características: Planta trepadeira.
Folhas opostas, cordiformes.
Capítulos pequenos, em cimeiras.
Há várias espécies de guaco. A espécie de que estamos falando aqui, tem folhas cordiformes.
Valor terapêutico:
Em banhos, emprega-se contra gota e reumatismo.
O suco das folhas dá bom resultado em fricções, nas partes doloridas, em casos de reumatismo, gota, nevralgias, contusões.



sábado, 26 de setembro de 2015

ERVA CIDREIRA VERDADEIRA (Melissa officinalis)

ERVA CIDREIRA VERDADEIRA (Melissa officinalis)

431 ERVA CIDREIRA VERDADEIRA (Melissa officinalis)
Família: Labiadas.
Sinonímia: Melissa, melissa-romana, cidrilha, chá-de-frança, melitéia.
Outros idiomas: Melisa, Toronjil (países de fala castelhana), Mélisse (França),
Balm (Inglaterra, EEUU), Zitronenkrant (Alemanha), Er-ba citrata (Itália).
Características: Planta de até um metro de altura.
Folhas opostas, pecioladas, ovais, serreadas, algo pontiagudas, algo grandes,
ver-de-claras, acinzentadas, de superfície marginal áspera.
Pequeninas flores de cor branca, de cheiro semelhante ao do limão.
Habitat: Aclimada e cultivada no Brasil.
Valor terapêutico:
Emprega-se, com bons resultados, nos seguintes casos:
afecções gástricas e nervosas, amenorréia, arrotos, cãibras intestinais
e da matriz, debilidade geral, dispepsia, desmaios, dores de cabeça,
dores reumáticas, enfermidades do baixo ventre, epilepsia, enxaquecas, espasmos,
flatulências, hipocondria, histerismo, icterícia, má circulação do sangue,
palpitação do coração, pericardite, paralisia, resfriados, tosse, vertigens.
Folhas frescas de erva-cidreira, aplicadas sobre as pálpebras, acalmam as dores
em casos de inflamação dos olhos.
Lavagens intestinais mornas, com o chá desta planta dão bons resultados
contra o tenesmo e diarréias com sangue.
Bochechos com um pouco de chá quente de erva-cidreira, acalmam as dores de dentes.
O suco que se obtém das folhas machucadas, e que se mistura com um pouco de sal,
aplica-se vantajosamente contra a caxumba.
As cataplasmas desta planta, aplicadas quentes sobre o ventre, acalmam toda
a classe de dores do estômago, intestino, fígado e matriz.
Parte usada: Folhas frescas.
Dose: 20 gramas para 1 litro de água; 4 a 5 xícaras por dia.





sexta-feira, 25 de setembro de 2015

ERVA-CIDREIRA-DO-MATO na redução dos gases intestinais.

ERVA-CIDREIRA-DO-MATO na redução dos gases intestinais.

429 ERVA-CIDREIRA-DO-MATO (Citriosma apiossyce)
Família: Monimiáceas.
Característica: Arbusto.
Habitat: É conhecida na Bahia e no Espírito Santo.
Valor terapêutico: Encerra propriedades carminativas e estimulantes.
É difusiva.
(Carminativo: Diz-se dos remédios usados na redução dos gases intestinais.)


ERVA-CIDREIRA-DOS-CAMPOS (Siparuna camporum, Citriosma camporum)

430 ERVA-CIDREIRA-DOS-CAMPOS (Siparuna camporum, Citriosma camporum)
Família: Monimiáceas.
Sinonímia: Limão-bravo.
Característica: Arbusto.
Valor terapêutico: Ê estimulante, antiespasmódica, estomáquica, carminativa.
(Carminativo: Diz-se dos remédios usados na redução dos gases intestinais.)


quinta-feira, 24 de setembro de 2015

ERVA-CIDREIRA (Lantana canescens) estomáquica e emenagoga.

ERVA-CIDREIRA (Lantana canescens) estomáquica e emenagoga.

427 ERVA-CIDREIRA (Lantana canescens)
Família: Verbenáceas.
Características: Subarbusto.
Valor terapêutico: É uma planta antiespasmódica, estomáquica e emenagoga.
(Emenagogo: Diz-se de, ou substância que provoca a menstruação. )


ERVA-CIDREIRA (Lippia geminata)

428 ERVA-CIDREIRA (Lippia geminata)
Família: Verbenáceas.
Sinonímia: Erva-cidreira-do-campo, salva-do-brasil.
Características: Subarbusto.
Cresce até um metro de altura.
Tem cheiro de erva-cidreira-verdadeira.
Valor terapêutico: É peitoral, estomáquica, emenagoga, antiespasmódica.



quarta-feira, 23 de setembro de 2015

ERVA-ANDORINHA remédio contra a asma.

ERVA-ANDORINHA remédio contra a asma.

426 ERVA-ANDORINHA (Euphorbia pilulifera)
Família: Euforbiáceas.
Sinonímia: Caá-cica, caá-tiá, erva-de-santa-luzia.
Características: Planta herbácea.
Folhas ovais, oblongas, serrea-das.
Flores aglomeradas.
Valor terapêutico: o látex e o decocto das folhas são empregados nas doenças dos olhos.
O mesmo decocto tem aplicação como diurético e como remédio contra a asma.




terça-feira, 22 de setembro de 2015

ENXERTO-DE-PASSARINHO (Loranthus americanus)

ENXERTO-DE-PASSARINHO (Loranthus americanus)

425 ENXERTO-DE-PASSARINHO (Loranthus americanus)
Família: Lorantáceas.
Características: Planta parasita que, em grupos, vegeta nas árvores.
Tubérculos na base.
Folhas verticiladas em três, ovais, reviradas, carnosas.
Flores avermelhadas, tubiformes, em cachos.
Fruto: baga oval, verde, curvada, com uma semente no interior.
Habitat: Nos Estados do Nordeste.
Valor terapêutico: O suco fresco tem propriedades resolutivas.
Toma-se o decocto para combater as afecções crônicas do peito.



segunda-feira, 21 de setembro de 2015

ENVIRA combate as cólicas do útero

ENVIRA combate as cólicas do útero

422 ENVIRA (Guatteria ouregou)
Família: Anonáceas.
Características: Árvore grande.
Madeira alvacenta, dura. Dá fibras e estopa.
Folhas e frutos picantes.
Valor terapêutico: Usa-se para combater as cólicas do útero,
a dor de estômago, a dispepsia.
Parte usada: Sementes, em infusão.


ENVIRA (Xylopia frutescens)

423 ENVIRA (Xylopia frutescens)
Família: Anonáceas.
Sinonímia: Pindaíba, pindaúba, jejerecu, pimenta-de-gentio, imbi-ra, ibira.
Outro idioma: Coguerécou (Guiana Francesa).
Características: Árvore pequena ou arbusto.
Assemelha-se aos araticuns. A casca dá fibras para cordoaria.
Os frutos substituem a pimenta-do-reino.
Habitat: Amazônia.
Valor terapêutico: É uma planta carminativa.
(Carminativo: Diz-se dos remédios usados na redução dos gases intestinais.)
Parte usada: Sementes, em infusão.


ENVIRA-BRANCA Combate a febre

424 ENVIRA-BRANCA (Xylopia grandiflora)
Família: Anonáceas.
Sinonímia: Pimenta-do-sertão.
Característica: Árvore.
Os frutos substituem a pimenta-do-reino.
Habitat: Nas capoeiras da Amazônia, Minas Gerais, Rio de Janeiro e outros Estados.
Valor terapêutico: A casca é febrífuga.
Os frutos e as sementes são carminativos.



domingo, 20 de setembro de 2015

ENDRO Usa-se nas cólicas, dispepsias, arrotos, flatulências

ENDRO Usa-se nas cólicas, dispepsias, arrotos, flatulências

421 ENDRO (Anethum graveolens, Pastinaca anethum)
Família: Umbelíferas.
Características: Planta herbácea, de 30 cm a 1 metro de altura, muito cheirosa.
Raiz esbranquiçada, mais ou menos ramificada.
Haste cilíndrica, pouco ramosa, glabra, estriada, glauca.
Folhas alternas, dilatadas na base, abarcantes, recortadas em numerosos segmentos lineares, vassovelados, glabros.
Flores amarelas, pequenas, dispostas em amplas umbelas terminais, de 30 a 40 raios.
Valor terapêutico:
Na medicina caseira o endro tem as mesmas aplicações que o anis,
o cominho e o funcho.
Usa-se nas cólicas, dispepsias, arrotos, flatulências, hiperacidez estomacal, etc.
O chá das sementes é bom remédio contra a insônia.
Nas inflamações dos olhos, aplicam-se compressas do chá das sementes.
"Os banhos de vapor, de endro, tiram as dores da matriz.
"O endro fervido em azeite de oliva, e aplicado quente sobre furúnculos, etc., amadurece-os e tira a dor em todos os casos." Dr. Leo Manfred.
Parte usada: Sementes, em infusão.
Dose: 5 a 10 gramas para 1 litro de água; 4 a 5 xícaras por dia.




sábado, 19 de setembro de 2015

EMBIRATAÍ contra o reumatismo.

EMBIRATAÍ contra o reumatismo.

420 EMBIRATAÍ (Duguetia riparia)
Família: Anonáceas.
Sinonímia: Envirataí.
Características: Árvore.
Madeira amarelo-pardacenta.
Valor terapêutico: Emprega-se contra o reumatismo.
Partes usadas: Casca e raiz, em banhos.



sexta-feira, 18 de setembro de 2015

EMBIRA-DE-CAÇADOR contra as flatulências intestinais.

EMBIRA-DE-CAÇADOR contra as flatulências intestinais.

419 EMBIRA-DE-CAÇADOR (Gualteria vilosissima, Polyandria polyginia)
Família: Anonáceas.
Sinonímia: Prindaíba.
Características: Arbusto ou árvore.
Ramos flexíveis.
Folhas grandes, oblongas.
Fruto capsular, oval, chato, contendo uma semente.
Valor terapêutico: As sementes contêm virtudes estomàquicas e carminativas.
Recomendam-se contra as flatulências intestinais.



quinta-feira, 17 de setembro de 2015

ÉGRIO contra os catarros pulmonares.

ÉGRIO contra os catarros pulmonares.

418 ÉGRIO (Nasturtium pumilum)
Família: Crucíferas.
Características: Planta herbácea quase sem caule.
As folhas, que brotam à superfície da terra, são como lâminas sinuosas,
com recortes laterais irregulares.
Flores brancas.
Usa-se em salada.
Habitat: Rio de janeiro e outros Estados.
Valor terapêutico: Tem indicação como antiespasmódica e é usada contra
os catarros pulmonares.




quarta-feira, 16 de setembro de 2015

DRAGÃO-FEDORENTO (Monstera Adansonii)

DRAGÃO-FEDORENTO (Monstera Adansonii)

417 DRAGÃO-FEDORENTO (Monstera Adansonii)
Família: Aráceas.
Característica: Planta trepadeira, que se assemelha ao cipó-imbé.
Valor terapêutico: As folhas, contusas, aplicadas^ nas regiões mas-toideanas, são úteis nas otites.
Colocadas sobre o ventre, combate a ascite. A raiz tem a propriedade de cauterizar feridas provocadas pela picada de insetos.




terça-feira, 15 de setembro de 2015

DOURADINHA-DO-PARÁ (Lindernia crustacea, Vandelia crustacea)

DOURADINHA-DO-PARÁ (Lindernia crustacea, Vandelia crustacea)

416 DOURADINHA-DO-PARÁ (Lindernia crustacea, Vandelia crustacea)
Família: Escrofulariáceas.
Sinonímia: Douradinha-do-campo, matacana, matucana, orelha-de-rato.
Características: Erva pequena, ramosa, rasteira.
Flores azul-purpú-
reas.
Habitat: Em campos argilosos, secos, abertos.
Valor terapêutico: É diurética, purgativa, emenagoga, emética, antibiliosa.
Dá bons resultados contra o amarelão. É tóxica em dose elevada.
Parte usada: Folhas.



segunda-feira, 14 de setembro de 2015

DOURADINHA-DO CAMPO (Lindernia diffusa, Vandelia diffusa)

DOURADINHA-DO CAMPO (Lindernia diffusa, Vandelia diffusa)

415 DOURADINHA-DO CAMPO (Lindernia diffusa, Vandelia diffusa)
Família: Escrofulariáceas.
Sinonímia: Caá-ataia, orelha-de-rato, papaterra, purga-de-joão-pais.
Características: Erva miúda, ramosa, rasteira.
Flores azul-violá-ceas e brancas.
Habitat: Em campos argilosos, secos, abertos.
Valor terapêutico: É uma planta diurética, purgativa, emenagoga, emética, antibiliosa, como douradinha-do-pará.
Usa-se, com bons resultados, contra o amarelão. É, porém, venenosa em alta dose.
Parte usada: Folhas.



domingo, 13 de setembro de 2015

DOURADINHA para amolecer tumores e limpar úlceras

DOURADINHA para amolecer tumores e limpar úlceras

414 DOURADINHA (Waltheria douradinha, Stemodia arenaria)
Família: Esterculiáceas.
Sinonímia: Douradinha-verdadeira-dos-campos.
Características: Subarbusto.
Caule e ramos pubescentes.
Folhas ovais, algumas cordiformes na base, serreadas.
Pecíolo empubescido.
Inflorescência em calátides.
Habitat: Minas e Estados do Sul.
Valor terapêutico: É uma planta vulgarmente empregada nas moléstias pulmonares.
Também se usa na sífilis.
F. C. Hoehne diz a respeito das Waltherias:
"Muitas delas encontram ... emprego na terapêutica popular contra bronquites,
tosses, e para amolecer tumores e limpar úlceras velhas.
Elas são emolientes e maturativas.
Merecem menção especial como tais a Waltheria douradinha, que é a douradinha-verdadeira-dos-campos, e a Waltheria viscosissima, que é mais alta e rica em óleo etéreo e mucilagem."
Parte usada: Folhas, em infusão.
Dose: 20 gramas para 1 litro de água; 4 a 5 xícaras por dia.




sábado, 12 de setembro de 2015

DIAMBARANA É usada contra os vermes e nas afecções do estômago.

DIAMBARANA É usada contra os vermes e nas afecções do estômago.

412 DIAMBARANA (Coutoubea ramosa)
Família: Gencianáceas.
Características: Arbusto.
Flores purpúreas.
Habitat: Nas margens dos igapós.
Valor terapêutico: É usada contra os vermes e nas afecções do estômago.


DISCIPLINA-DE-FREIRA As folhas são emolientes.

413 DISCIPLINA-DE-FREIRA (Amarantus caudatus)
Família: Amarantáceas.
Sinonímia: Disciplina-de-religiosa, rabo-de-gato, veludo-de-penca, amaranto-cauda-de-raposa.
Características: Planta herbácea, cujas flores formam cordões compridos.
Folhas alternas, pecioladas, desprovidas de estipulas.
Habitat: Bahia.
Valor terapêutico: As folhas são emolientes.
As flores, em xarope, são peitorais. São, também, ligeiramente adstringentes.



sexta-feira, 11 de setembro de 2015

DENTE-DE-LEÃO contra as enfermidades do fígado

DENTE-DE-LEÃO contra as enfermidades do fígado

411 DENTE-DE-LEÃO (Taraxacum officinale, Taraxacum dens leonis, Leontodon taraxacum)
Família: Compostas.
Sinonímia: Taraxaco.
Características: Erva vivaz.
Raiz pivotada.
Folhas radicais, disposta em roseta, lanceoladas; algumas são inteiras, outras são onduladas, outras (a maioria) apresentam recortes mais ou menos profundos e irregulares, formando lobos desiguais, triangulares, terminados por uma ponta aguda. O limbo das folhas é sustentado por um pecíolo curto, abarcante, freqüentemente avermelhado.
Do ápice do caule subterrâneo partem hastes florais erectas, curvas, mais compridas que as folhas, fistulosas, terminadas por uma inflorescência amarela.
Cada capítulo floral compõe-se unicamente de flores liguladas, de maneira que parecem dobradas, como acontece com os cravos.
Os frutos são aquênios.
Terminam em apêndices compridos e coroados de topetes de cerdas finíssimas, estendidas por todos os lados, dando ao conjunto um aspecto de pára-quedas.
Os frutos se deslocam com o mais leve toque da brisa ou do assopro, voando para longe.
As folhas, hastes e flores, sofrendo a mínima lesão, emitem um látex que deixa manchas na roupa.
Valor terapêutico:
As folhas novas dão uma salada muito saudável, de efeito depurativo do sangue.
Tanto a salada como o suco das folhas são, outrossim, um bom remédio
contra as enfermidades do fígado, especialmente contra a congestão hepática
e a icterícia.
Nas hidropsias, usa-se o taraxaco como diurético. É útil também contra a acidose.
Partes usadas: Folhas e raiz.
Dose: duas a três colheradas de suco por dia.





quinta-feira, 10 de setembro de 2015

DAMIANA (Turnera diffusa)

DAMIANA (Turnera diffusa)

410 DAMIANA (Turnera diffusa)
Família: Turneráceas.
Características: Arbusto muito ramoso e pubescente.
Habitat: Nos Estados do Norte.
Valor terapêutico: É uma planta apregoada como estimulante,
tônica para os nervos, diurética e útil contra a neurastenia, a impotência,
a dispepsia, a leucorréia, a diabete, a malária e as paralisias.



quarta-feira, 9 de setembro de 2015

CUTITIRIBÁ (Lucuma rivicoa)

CUTITIRIBÁ (Lucuma rivicoa)

409 CUTITIRIBÁ (Lucuma rivicoa)
Família: sapotáceas.
Sinonímia: Cututiribá, cutiti, guité-tiribá, guiti-toroba, tuturuba,
tutiribá, uititiribá, uiti-toroba.
Outro idioma: Cainito ou Jaune d'oeuf (Guiana Francesa)
Características: Árvore grande ou média, muito frondosa.
Madeira amarelada. A massa do fruto, comestível, tem a aparência de
uma gema de ovo.
Habitat: Amazônia.
Valor terapêutico: A casca é antidisentérica.
Ralada e aplicada com um pouco de água, leite ou azeite mornos,
num pouco de algodão, é bom remédio contra as otites.
As sementes prestam-se para os mesmos fins.



terça-feira, 8 de setembro de 2015

CURRALEIRA emprega-se nas afecções sifilíticas, cancros venéreos, erupções da pele

CURRALEIRA emprega-se nas afecções sifilíticas, cancros venéreos, erupções da pele

407 CURRALEIRA (Croton antisyphiliticus, Croton perdiceps, Stemo-dia camphorata)
Família: Euforbiáceas.
Sinonímia: Alcanforeira (Minas), pé-de-perdiz, erva-mular, erva-curraleira, mercúrio-do-campo.
Características: Erva pequenina, que vegeta em diversos Estados do Brasil.
Folhas curtamente pecioladas.
Inflorescência em espigas terminais.
Flores monóicas. O fruto é uma cápsula trilocular, encerrando 3 caroços.
Valor terapêutico: Dado o seu poder depurativo, emprega-se nas
afecções sifilíticas, cancros venéreos, erupções da pele, úlceras, etc.
Também se usa, com bom efeito, na disenteria.
Parte usada: Folhas e raiz.
Dose: 10 gramas para 1 litro de água; 4 a 5 xícaras por dia.


CURUMI (Muntingia calabura)

408 CURUMI (Muntingia calabura)
Família: Tiliáceas.
Sinonímia: Pau-de-seda, calabura.
Outro idioma: Bois ramier (Guiana Francesa).
Características: Árvore média.
Na rotura da casca, as fibras parecem uma verdadeira renda de seda.
Prestam-se para o fabrico de cordas.
Fruto: bagas vermelhas, doces, comestível.
Habitat: Amazônia.
Valor terapêutico: É uma planta antiespasmódica.
Parte usada: Flores.



segunda-feira, 7 de setembro de 2015

CUMARI (Capsicum fructescens, Capsicum cumarim)

CUMARI (Capsicum fructescens, Capsicum cumarim)

404 CUMARI (Capsicum fructescens, Capsicum cumarim)
Família: Solanáceas.
Sinonímia: Cumbari, cumbarim, pimenta-cumari.
Característica: Arbusto que produz a pimenta cumari.
Valor terapêutico: O decocto das folhas, com algumas pimentas,
é útil no combate às anginas, em gargarejos.
Em lavagens intestinais, é bom contra as hemorróidas.


CUMARU (Coumarouna odorata)

405 CUMARU (Coumarouna odorata)
Família: Leguminosas-papilionáceas.
Sinonímia: Camaru-verdadeiro, cumaru-amarelo, cumaru-do-ama-zonas,
cumaruzeiro, paru, cumbari, muirapagé.
Outro idioma: Feve tonka e Faux gaiac (Guiana Francesa).
Características: Árvore grande.
Madeira castanho-amarelada.
Flores vermelhas, aromáticas.
Fruto: Fava amarga, não comestível.
Habitat: Na mata de terra firme, em todo o Baixo Amazonas.
Valor terapêutico: A tintura das favas é tônica e antiespasmódica.
Emprega-se como moderador da respiração e dos movimentos cardíacos.



CUPÂNIA (Cupania sapida)

406 CUPÂNIA (Cupania sapida)
Família: Sapindáceas.
Características: Árvore.
Folhas compostas de três ou quatro folíolos oval-lanceolados.
Fruto: cápsula deicente, quase do tamanho de um ovo de galinha,
avermelhada ou alaranjada, em cachos pendentes.
Valor terapêutico: O fruto cozido serve para amadurecer abscessos.



domingo, 6 de setembro de 2015

CUMACAÍ (Claytonia odorata)

CUMACAÍ (Claytonia odorata)

402 CUMACAÍ (Claytonia odorata)
Família: Portulacáceas.
Sinonímia: Camacaí.
Características: Trepadeira.
Flores aromáticas.
Floresce em outubro.
Valor terapêutico: A maceração das flores serve para combater a caspa,
em lavagens da cabeça.


CUMACAÍ (Lophostoma calophylloides)

403 CUMACAÍ (Lophostoma calophylloides)
Família: Timeláceas.
Características: Cipó grande.
Flores branco-esverdeadas, em panículas.
Fruto: Amêndoa oleaginosa.
Habitat: Nos matos pantanosos da Amazônia.
Valor terapêutico: O decocto das folhas é bom contra a caspa
e a queda do cabelo.



sábado, 5 de setembro de 2015

CUJUMARI (Aydendron cujumary, Ocotea cujumary)

CUJUMARI (Aydendron cujumary, Ocotea cujumary)

400 CUJUMARI (Aydendron cujumary, Ocotea cujumary)
Família: Lauráceas.
Sinonímia: Cuxumari, cucumari, cuiumari, cumari, cucheri.
Características: Árvore grande, semelhante à caneleira.
Amêndoa parecida com a de puchuri.
Habitat: Amazônia.
Valor terapêutico: As cascas e as sementes são estimulantes e digestivas.
Indicadas contra a debilidade do estômago, a atonia intestinal, a inapetência,
a dispepsia.


CUMACAÁ (Elcomarhyza amylacea, Marsdenia amilacea)

401 CUMACAÁ (Elcomarhyza amylacea, Marsdenia amilacea)
Família: Asclepiadáceas.
Sinonímia: Cumaná, camacá.
Característica: Cipó.
Habitat: Amazônia.
Valor terapêutico:
O suco leitoso é usado contra o pterígio.
O mesmo suco e a fécula resinosa da raiz são empregados para combater
a leishmaniose.



sexta-feira, 4 de setembro de 2015

CUIPANA (Myrcia tingens)

CUIPANA (Myrcia tingens)

398 CUIPANA (Myrcia tingens)
Família: Mirtâceas.
Característica: Árvore.
Habitat: Estados do Norte.
Valor terapêutico: O suco extraído da casca, diluído em água,
é útil no curativo das feridas.


CUIPUNA (Leptospermum tinctorium)

399 CUIPUNA (Leptospermum tinctorium)
Família: Mirtâceas.
Características: Arbusto quase árvore.
Tronco esgalhado.
Folhas opostas, quase redondas, lustrosas.
Flores bem miúdas, brancas, em cachos.
Frutos miúdos, redondos.
Habitat: Estados do Nordeste.
Valor terapêutico: O suco que se extrai das flores é bom para curar
úlceras crônicas e purulentas.



quinta-feira, 3 de setembro de 2015

CUIEIRA (Crescentia cujete)

CUIEIRA (Crescentia cujete)

397 CUIEIRA (Crescentia cujete)
Família: Bignoniáceas.
Sinonímia: Cuité, cuieté, cujeté, árvore-de-cuia, cabaça, cabaceira,
cuitezeira, cina.
Outro idioma: Calebassier (Guiana Francesa).
Características: Árvore pequena.
Casca esbranquiçada, com aspecto de cortiça.
Folhas estreitas, em verticilos de três.
Flor esverdi-nhada, no tronco e pelos ramos.
Fruto: uma espécie de cabaça, de que se faz cuia.
Habitat: No Amazonas e em vários outros Estados do Brasil.
Valor terapêutico: A polpa do fruto verde, misturada com mel ou açucar,
é empregada como expectorante.
É também purgativa e febrí-fuga.
Madura, é usada em cataplasmas, como emoliente.



quarta-feira, 2 de setembro de 2015

CUAXINGUBA (Ficus anthelmintica, Pharmacosycea anthelmintica)

CUAXINGUBA (Ficus anthelmintica, Pharmacosycea anthelmintica)

396 CUAXINGUBA (Ficus anthelmintica, Pharmacosycea anthelmintica)
Família: Moráceas.
Sinonímia: Guajinguva, caxinguba, lombrigueira, gameleira-lombri-gueira,
gameleira-branca (Ceará), uapuim-açu.
Outro idioma: Ojé (Peru).
Características: Árvore colossal.
Madeira muito branca e leve.
Habitat: Nas várzeas das margens do Amazonas e em diversos Estados do Brasil.
Valor terapêutico: O látex é vermífugo e purgativo.
Bom para expelir a solitária.
Deve, porém, ser empregado com cuidado e parcimônia, porque, em alta dose,
é drástico e cáustico.



terça-feira, 1 de setembro de 2015

CUAMBU (Bidens pilosus)

CUAMBU (Bidens pilosus)

395 CUAMBU (Bidens pilosus)
Família: Compostas.
Sinonímia: Erva-picão, carrapicho, carrapicho-de-duas-pontas, macela-do-campo,
picão-do-campo, picão-preto, piolho-de-padre, guam-bu, gariofilata.
Características: Erva vulgar.
Caule ramoso, quase tetrágono.
Folhas pinatífidas, com aquênias pretas, que terminam em duas pontas rijas e denticuladas, as quais se prendem facilmente à roupa.
Flores amarelas.
Fruto preto, cujo ápice é coroado de 2 a 4 saliências ("pi-cões")
com que os aquênios aderem à roupa.
Valor terapêutico:
Emprega-se o suco das folhas para curar feridas e combater a icterícia.
O chá das fôlhas é útil na leucorréia, na diabete e nas inflamações da garganta.
Tem aplicação, também, como desobstruente do fígado.