terça-feira, 8 de setembro de 2015

CURRALEIRA emprega-se nas afecções sifilíticas, cancros venéreos, erupções da pele

CURRALEIRA emprega-se nas afecções sifilíticas, cancros venéreos, erupções da pele

407 CURRALEIRA (Croton antisyphiliticus, Croton perdiceps, Stemo-dia camphorata)
Família: Euforbiáceas.
Sinonímia: Alcanforeira (Minas), pé-de-perdiz, erva-mular, erva-curraleira, mercúrio-do-campo.
Características: Erva pequenina, que vegeta em diversos Estados do Brasil.
Folhas curtamente pecioladas.
Inflorescência em espigas terminais.
Flores monóicas. O fruto é uma cápsula trilocular, encerrando 3 caroços.
Valor terapêutico: Dado o seu poder depurativo, emprega-se nas
afecções sifilíticas, cancros venéreos, erupções da pele, úlceras, etc.
Também se usa, com bom efeito, na disenteria.
Parte usada: Folhas e raiz.
Dose: 10 gramas para 1 litro de água; 4 a 5 xícaras por dia.


CURUMI (Muntingia calabura)

408 CURUMI (Muntingia calabura)
Família: Tiliáceas.
Sinonímia: Pau-de-seda, calabura.
Outro idioma: Bois ramier (Guiana Francesa).
Características: Árvore média.
Na rotura da casca, as fibras parecem uma verdadeira renda de seda.
Prestam-se para o fabrico de cordas.
Fruto: bagas vermelhas, doces, comestível.
Habitat: Amazônia.
Valor terapêutico: É uma planta antiespasmódica.
Parte usada: Flores.




Nenhum comentário:

Postar um comentário