sábado, 26 de setembro de 2015

ERVA CIDREIRA VERDADEIRA (Melissa officinalis)

ERVA CIDREIRA VERDADEIRA (Melissa officinalis)

431 ERVA CIDREIRA VERDADEIRA (Melissa officinalis)
Família: Labiadas.
Sinonímia: Melissa, melissa-romana, cidrilha, chá-de-frança, melitéia.
Outros idiomas: Melisa, Toronjil (países de fala castelhana), Mélisse (França),
Balm (Inglaterra, EEUU), Zitronenkrant (Alemanha), Er-ba citrata (Itália).
Características: Planta de até um metro de altura.
Folhas opostas, pecioladas, ovais, serreadas, algo pontiagudas, algo grandes,
ver-de-claras, acinzentadas, de superfície marginal áspera.
Pequeninas flores de cor branca, de cheiro semelhante ao do limão.
Habitat: Aclimada e cultivada no Brasil.
Valor terapêutico:
Emprega-se, com bons resultados, nos seguintes casos:
afecções gástricas e nervosas, amenorréia, arrotos, cãibras intestinais
e da matriz, debilidade geral, dispepsia, desmaios, dores de cabeça,
dores reumáticas, enfermidades do baixo ventre, epilepsia, enxaquecas, espasmos,
flatulências, hipocondria, histerismo, icterícia, má circulação do sangue,
palpitação do coração, pericardite, paralisia, resfriados, tosse, vertigens.
Folhas frescas de erva-cidreira, aplicadas sobre as pálpebras, acalmam as dores
em casos de inflamação dos olhos.
Lavagens intestinais mornas, com o chá desta planta dão bons resultados
contra o tenesmo e diarréias com sangue.
Bochechos com um pouco de chá quente de erva-cidreira, acalmam as dores de dentes.
O suco que se obtém das folhas machucadas, e que se mistura com um pouco de sal,
aplica-se vantajosamente contra a caxumba.
As cataplasmas desta planta, aplicadas quentes sobre o ventre, acalmam toda
a classe de dores do estômago, intestino, fígado e matriz.
Parte usada: Folhas frescas.
Dose: 20 gramas para 1 litro de água; 4 a 5 xícaras por dia.






Nenhum comentário:

Postar um comentário