sábado, 31 de outubro de 2015

ESPORA (Delphininum ajacis, Delphinium simplex)

ESPORA (Delphininum ajacis, Delphinium simplex)

478 ESPORA (Delphininum ajacis, Delphinium simplex)
Família: Ranunculáceas.
Sinonímia: Espora-dos-jardins, flores-reais, pé-de-calhandra-dos-jardins.
Característica: Planta herbácea, cultivada nos jardins.
Valor terapêutico: As sementes encerram propriedades emenagogas.




sexta-feira, 30 de outubro de 2015

ESPONJA (Mimosa farnesiana) contra a dor de dente.

ESPONJA (Mimosa farnesiana) contra a dor de dente.

476 ESPONJA (Mimosa farnesiana)
Família: Leguminosas-mimosáceas.
Sinonímia: Esponjeira.
Características: Arbusto espinhoso.
Folhas miudinhas, em palmas.
Flores amarelas, axilares.
Fruto: vagem parda, chata, contendo grãos semelhantes aos de feijão.
Valor terapêutico: A casca tem aplicação contra as dores articula-res.
As folhas são antiespasmódicas.
Empregam-se também contra a dor de dente.


ESPONJEIRA (Pithecolobium acacioides)

477 ESPONJEIRA (Pithecolobium acacioides)
Família: Leguminosas-mimosáceas.
Sinonímia: Arapiraca, jurema-branca, árvore-de-macaco.
Características: Árvore média, cheia de espinhos.
Copa disposta em umbela grande.
Os macacos lhe procuram os frutos.
Habitat: Na mata de terra firme, nos pontos mais secos, vizinhos de campos arenosos, na Amazônia.
Valor terapêutico: A casca é adstringente.



quinta-feira, 29 de outubro de 2015

ESPINHO-DE-VINTÉM contra as dores de dente

ESPINHO-DE-VINTÉM contra as dores de dente

475 ESPINHO-DE-VINTÉM (Xanthoxylum rhoifolium)
Família: Rutáceas.
Sinonímia: Betaru-amarelo, espinheiro, laranjinha, mamica-de-ca-chorra,
mamica-de-cadela, mamica-de-porca, maminha-de-porca, tam-bataruga,
tamanqueira, tembetaru-de-espinho, tinguaciba.
Característica: Árvore.
Valor terapêutico: A casca, em decocção, é eficaz contra as dores de dente
e de ouvido.
Banham-se as partes doloridas.



quarta-feira, 28 de outubro de 2015

ESPINHO-DE-MARICÁ contra as congestões do fígado

ESPINHO-DE-MARICÁ contra as congestões do fígado

474 ESPINHO-DE-MARICÁ (Mimosa sepiaria)
Família: Leguminosas-mimosáceas.
Sinonímia: Espinheira, espinho-de-cerca, espinheiro-de-cerca, espinho-roxo,
unha-de-gato, maricá.
Característica: Arbusto muito esgalhado.
Habitat: No Rio e outros Estados.
Valor terapêutico: O infuso das folhas novas combate os acessos asmáticos e,
em gargarejos, cura as anginas.
O decocto das folhas é bom remédio contra as congestões do fígado e as
cólicas hepáticas.



terça-feira, 27 de outubro de 2015

ESPINHO-BRANCO contra a dor de dente.

ESPINHO-BRANCO contra a dor de dente.

473 ESPINHO-BRANCO (Broussonetia tinctoria, Morus tinctoria)
Família: Urticáceas.
Sinonímia: Espinheiro-bravo, tatajuba, tatarema, tataíba, amoreira.
Características: Árvore de lindo aspecto.
Casca esbranquiçada, lactífera.
Folhas em forma de palmas, ovais, recortadas.
Valor terapêutico:
O suco leitoso extraído da casca é usado contra a dor de dente.



segunda-feira, 26 de outubro de 2015

ESPINHEIRA-SANTA regulariza as funções gastro-intestinais

ESPINHEIRA-SANTA regulariza as funções gastro-intestinais

472 ESPINHEIRA-SANTA (Maytenus ilicifolia)
Família: Celastráceas.
Sinonímia: Espinheira-divina, salva-vidas, sombra-de-touro, can-crosa, cancerosa, maiteno, limãozinho.
Cuidado: também há um li-mãozinho (Machaeonia spinosa) na família das Rubiáceas.
Característica: Árvore pequena, de folhas espinhosas.
Valor terapêutico: Entre as Celastráceas, diz João Siegfried Decker, "salienta-se o Maytenus ilicifolius, cujas folhas espinhosas fornecem um chá de grande valor terapêutico."
F. C. Hoehne afirma que, das Celastráceas, "melhor representado aqui é o gênero Maytenus, de que, conforme dito, vem a Espinheira-santa, que se emprega com certo resultado contra a hiperacidez e ul-cerações do estômago, graças às suas propriedades tônicas e balsâmi-cas,
"O efeito terapêutico do Maytenus", ensina o Dr. J. Monteiro da Silva, "manifesta-se não somente no estômago, combatendo as dispep-sias, gastralgias hiperclorídicas, etc., mas também rio intestino, evitando as fermentações e a formação de gases intestinais.
"Exercendo uma ação analgésica, o Maytenus tem feliz indicação na hiperacidez gástrica, particularmente no tratamento das úlceras gástricas, pilóricas, duodenais, acalmando rapidamente a dor.
"Os doentes que se queixam de acidez, dores, vômitos, flatulên-cias, ficam aliviados após o uso das primeiras doses."
Segundo o Dr. Alberto Seabra, a espinheira-santa
"é indicada nas dispepsias em geral, regulariza as funções gastro-intestinais
e paraliza as fermentações anormais, as flatulências, etc.".
O Dr. Aluízio França reconhece no Maiteno propriedades analgésicas,
antissépticas, cicatrizantes e tônicas.
Alegam alguns autores, ainda, que esta planta é boa para o fígado e os rins,
cura as afecções cutâneas e tem propriedades laxantes e diuréticas.
O decocto das folhas é muito bom para lavar úlceras, feridas,
etc.
Parte usada: Folhas, em infusão.
Dose: 20 gramas em 1 litro d'água; 3 a 4 xícaras por dia.




domingo, 25 de outubro de 2015

ESPINAFRE-DE-CAIENA é purgante.

ESPINAFRE-DE-CAIENA é purgante.

471 ESPINAFRE-DE-CAIENA (Phytolacca octandra)
Família: Fitolacáceas.
Sinonímia: Espinafre-da-guiana.
Características: Arbusto invasor das plantações.
Folhas comestíveis.
Fruto: pequena baga vermelho-escura, algo violácea.
Valor terapêutico:
O suco da raiz e dos frutos verdes é empregado como purgante.



sábado, 24 de outubro de 2015

ESPIGA-DE-SANGUE contra as diarréias e as hemorragias.

ESPIGA-DE-SANGUE contra as diarréias e as hemorragias.

470 ESPIGA-DE-SANGUE (Helosis guianensis, Helosis brasiliensis)
Família: Belanoforáceas.
Características: Parasita de diversas árvores (imbaubeiras).
Rizoma roliço e tuberoso.
Haste erecta e tortuosa, com pedúnculos avermelhados, terminados por
flores pequenas, vermelhas, em capítulos.
Habitat: Nos lugares sombrios da mata virgem.
Valor terapêutico: Como adstringente, tem aplicação
contra as diarréias e as hemorragias.
Partes usadas: Batatas e flores.




sexta-feira, 23 de outubro de 2015

ESPIA-CAMINHO diurética e eficaz contra a hidropisia.

ESPIA-CAMINHO diurética e eficaz contra a hidropisia.

469 ESPIA-CAMINHO (Clitoria urinaria)
Família: Leguminosas.
Sinonímia: Espinhâ-caminho, erva-mijona.
Características: Planta herbácea.
Folhas compostas de três folíolos.
Flórés em cachos pequenos, brancas, com manchas roxas.
Fruto: vagem contendo grãos semelhantes aos do feijão.
Habitat: Ê muito conhecida no Nordeste, onde se alastra à beira dos caminhos.
Valor terapêutico: É reputada como diurética e eficaz contra a hidropisia.



quinta-feira, 22 de outubro de 2015

ESPELINA combate a asma, bronquite e catarro pulmonar

ESPELINA combate a asma, bronquite e catarro pulmonar

468 ESPELINA (Perianthopodus spelina)
Família: Cucurbitáceas.
Sinonímia: Tomba, purga-de-carijó.
Característica: Planta trepadeira.
Habitat: São Paulo, Minas e outros Estados.
Valor terapêutico:
Tem indicação nos casos de asma, bronquite, catarro pulmonar, coqueluche, diarréia, dispepsia, epilepsia, hemorragia, mordedura de animais venenosos, vômitos da gravidez. É, além disso, uma planta de efeitos drásticos.



quarta-feira, 21 de outubro de 2015

ESCOMILHA cura as estomatites e as aftas.

ESCOMILHA cura as estomatites e as aftas.

467 ESCOMILHA (Lagerstroemia indica)
Família: Rcsáceas.
Sinonímia: Norma, minerva, minerva-dos-jardins, mimosa-dos-jardins, extremosa.
Características: Árvore pequena, ornamental.
Flores róseas ou violáceás, em panículas.
Valor terapêutico: A raiz, em decocção, cura as estomatites e as aftas.




terça-feira, 20 de outubro de 2015

ESCADA-DE-JABUTI (Bauhinia splendens) anti-sifilítica.

ESCADA-DE-JABUTI (Bauhinia splendens) anti-sifilítica.

466 ESCADA-DE-JABUTI (Bauhinia splendens)
Família: Leguminosas-cesalpiniáceas.
Sinonímia: Cipó-escada, cipó-unha-de-boi, cipó-florão, mororó-cipó,
unha-de-boi, unha-de-vaca, mata-matá.
Características: Cipó. Caule achatado, com curvas alternadas,
dando o aspecto de uma escada.
Habitat: Na mata e capoeira de terra firme, no Norte e Nordeste.
Valor terapêutico:
É uma planta adstringente, anti-reumática e anti-sifilítica.



segunda-feira, 19 de outubro de 2015

ERVA-TOSTÃO (Boerhavia hirsuta) contra icterícia

ERVA-TOSTÃO (Boerhavia hirsuta) contra icterícia

465 ERVA-TOSTÃO (Boerhavia hirsuta)
Família: Nictagináceas.
Sinonímia: Agarra-pinto, amarra-pinto, pega-pinto, tangaraca, bre-do-de-porco.
Características: É uma erva cujos ramos crescem até cerca de 70 cm de altura.
Folhas quase redondas, opostas, brancas, dispostas em panículas.
Frutos parecidos com os da erva-doce, porém, bem maiores, verdes, pegajosos (agarram-se na roupa e na pele dos animais). Raiz roxa por fora e branca por dentro.
Valor terapêutico:
Recomenda-se para: Anúria, cistite, congestão do fígado, hemoptises da tuberculose, hidropisia, icterícia, nefrite, albuminúria.
"Os que sofrem de icterícia, não podem ignorar que a erva-tostão Boerhavia
hirsuta e outras afins é o seu melhor remédio." F. C. Hoehne, Plantas e Substâncias Vegetais Tóxicas e Medicinais, pág. 112.
O Dr. J. Monteiro da Silva diz que a erva-tostão, diurética e anti-ictérica,
"combate as congestões do fígado, os derramamentos biliosos e a icterícia."
Dá bons resultados também na hepatite, na uretrite, na blenor-ragia,
na leucorréia, na dispepsia.
Põe-se a planta, em água fria, ao fogo.
Deixa-se ferver durante 10 a 15 minutos.
Deixa-se bem tapado durante mais 15 a 20 minutos.
Tomam-se 4 a 5: xícaras por dia.
Partes usadas: Folhas, raiz e sementes.
Dose: 20 gramas para 1 litros de água; 4 a 5 xícaras por dia.



domingo, 18 de outubro de 2015

ERVA-SERENO para curar sapinhos e feridas da boca das crianças.

ERVA-SERENO para curar sapinhos e feridas da boca das crianças.

463 ERVA-SERENO (Corysa lanuginea)
Família: Compostas.
Características: Planta herbácea, verde-esbranquiçada.
Folhas alternas, espatuladas.
Flores miudinhas.
Habitat: Estados do Nordeste.
Valor terapêutico: O decocto é usado para curar sapinhos e feridas da boca das crianças.


ERVA-SILVINA (Polypodium vaccinifolium)

464 ERVA-SILVINA (Polypodium vaccinifolium)
Família: Polipodiáceas.
Sinonímia: Erva-teresa.
Característica: Planta parasita que vive especialmente nas mangueiras.
Valor terapêutico:
O decocto ou o infuso é usado contra os escarros sangüíneos.



sábado, 17 de outubro de 2015

ERVA SARACURA (Begônia acida)

ERVA SARACURA (Begônia acida)

462 ERVA SARACURA (Begônia acida)
Família: Begoniáceas.
Sinonímia: Erva-de-sapo, azedinha-do-brejo, erva-azeda, azeda-de-ourives.
Características: Planta herbácea.
Folhas alternas.
Fruto capsular.
Valor terapêutico: Emprega-se o suco desta erva para combater os
catarros da bexiga, a disenteria e o escorbuto.
O mesmo suco é bom para tirar manchas de tinta de escrever, da roupa.



sexta-feira, 16 de outubro de 2015

ERVA-SANTA (Baccharis ochracea) própria para curar feridas.

ERVA-SANTA (Baccharis ochracea) própria para curar feridas.

460 ERVA-SANTA (Baccharis ochracea)
Família: Compostas.
Sinonímia: Quiabinho.
Característica: Planta herbácea, de sabor amargo.
Habitat: É conhecida no Rio Grande do Sul.
Valor terapêutico: Tem propriedades vulnerárias e emenagogas.
Nos casos de amenorréia, prepara-se um chá com um punhado de raízes, e toma-se uma xícara ao deitar-se, depois de um pedilúvio quente.
(Vulnerário: Diz-se de uma substância própria para curar feridas.)


ERVA-SANTA (Baccharis vulneraria) contra herpes, feridas e úlceras.

461 ERVA-SANTA (Baccharis vulneraria)
Família: Compostas.
Características: Planta herbácea.
Existe outra erva-santa, que tem o nome científico de Baccharis ochracea.
Habitat: Comum em São Paulo.
Valor terapêutico: Usa-se com vantagem nos casos de herpes, feridas e úlceras.
Parte usada: Folhas, em lavagens.



quinta-feira, 15 de outubro de 2015

ERVA-PREÁ (Chrysocoma repanda) no tratamento da erisipela e dos reumatismos.

ERVA-PREÁ (Chrysocoma repanda) no tratamento da erisipela e dos reumatismos.

459 ERVA-PREÁ (Chrysocoma repanda)
Família: Compostas.
Característica: Trepadeira.
Habitat: Medra no Rio de Janeiro.
Valor terapêutico: O decocto é usado, em banhos,
no tratamento da erisipela e dos reumatismos.



quarta-feira, 14 de outubro de 2015

ERVA-MOURA sobre feridas e úlceras.

ERVA-MOURA sobre feridas e úlceras.

458 ERVA-MOURA (Solanum nigrum, Solanum crenato dentatum, Solanum hortense, Solanum inops, Solanum officinarum, Solanum pterocaubon, Solanum ptycanthum)
Família: Solanáceas.
Sinonímia: Carachichu, maria-preta, pimenta-de-cachorro, pimenta-de-rato,
pimenta-de-galinha, guaraquinha, aguaraquiia, erva-do-bi-cho.
Características: Planta herbácea, de até 50 cm de elevação.
Haste angulosa, ramificada, raramente simples.
Folhas esparsas, peciola-das, freqüentemente geminadas, ovais, acuminadas, quase trapesodais, desigualmente lobadas, às vezes inteiras, verde-escuras.
Flores em pequenas formações umbeliformes, brancas, curtamente pedunculadas.
O fruto é uma baga, verde a princípio, negra quando madura, de sabor amargo e nauseante. É venenoso.
Habitat: Perto das habitações.
Valor terapêutico: Aplicam-se as folhas frescas, machucadas, sobre feridas e úlceras.
O decocto das folhas é bom para lavar as partes inflamadas, intu-mescidas,
irritadas, dolorosas.
Em cataplasmas, aplicam-se sobre dartros vivos e dolorosos, úlceras dolorosas,
tumores inflamatórios, furúnculos, flegmões, panarícios, queimaduras.
Usam-se as folhas, também, em banhos, contra as dores reumáticas.
Afirma-se que, cozidas, as folhas perdem as propriedades tóxicas.
Parte usada: Folhas.




terça-feira, 13 de outubro de 2015

ERVA-MACAÉ (Leonurus sibiricus) É estomacal e eupéptica.

ERVA-MACAÉ (Leonurus sibiricus) É estomacal e eupéptica.

456 ERVA-MACAÉ (Leonurus sibiricus)
Família: Labiadas.
Sinonímia: Erva-de-macaé, marroio.
Característica: Planta herbácea.
Habitat: Rio de Janeiro e outros Estados.
Valor terapêutico: É estomacal e eupéptica.
Usa-se contra os vômitos, os embaraços gástricos, a gastrenterite.
(Eupéptico: Que tem boa digestão.)


ERVA-MINUANA (Oenothera affinis)

457 ERVA-MINUANA (Oenothera affinis)
Família: Oenoteráceas.
Características: Planta herbácea campestre.
Pétalas amarelas, com desenhos vermelhos no fundo da corola.
Habitat: Estados do Sul.
Valor terapêutico: Usa-se machucada, para curar feridas.



segunda-feira, 12 de outubro de 2015

ERVA-GROSSA (Elephantopus scaber, Elephantopus tomentosus)

ERVA-GROSSA (Elephantopus scaber, Elephantopus tomentosus)

455 ERVA-GROSSA (Elephantopus scaber, Elephantopus tomentosus)
Família: Compostas.
Sinonímia: Suaçu-caá, sussuaia, cuaçuaia, erva-colégio, língua-de-vaca,
fumo-da-mata, fumo-bravo, erva-do-veado, pé-de-elefante.
Características: Arbusto de quase um metro de altura.
Floresce em setembro.
Habitat: Nos terrenos abandonados, frescos e úmidos.
Valor terapêutico:
As folhas, em decocção, são sudoríficas; em cataplasmas,
são emolientes e resolutivas.
O suco fresco das folhas é indicado como remédio contra os cálculos urinários.
A raiz é adstringente e febrífuga.
A erva-grossa tem fama, igualmente, de combater o catarro pulmonar e curar
a elefantíàse.



domingo, 11 de outubro de 2015

ERVA DO PÂNTANO em cataplasmas, contra as hérnias.

ERVA DO PÂNTANO em cataplasmas, contra as hérnias.

453 ERVA DO PÂNTANO (Sagitaria brasiliensis)
Família: Alismatáceas.
Característica: Planta herbácea.
Habitat: Dá à margem dos regatos, rios e lagoas.
Valor terapêutico: As folhas são usadas topicamente como emo-lientes.
Secas e reduzidas a pó, são empregadas, em cataplasmas, contra as hérnias.


ERVA-DUTRA (Mikania martusiana)

454 ERVA-DUTRA (Mikania martusiana)
Família: Melastomáceas.
Características: Arbusto de até 4 metros de altura.
Ramos cilíndricos, erectos.
Folhas erectas, opostas, cruzadas, verde-claras na face superior.
Valor terapêutico: Emprega-se para abscessos internos, anginas,
diarréia rebelde, hemoptises, rouquidão, vômitos.
Partes usadas: Folhas e talos.
Dose: 20 gramas para 1 litro de água; 4 a 5 xícaras por dia.



sábado, 10 de outubro de 2015

ERVA-DO-PAI-CAETANO (Verbena littoralis)

ERVA-DO-PAI-CAETANO (Verbena littoralis)

452 ERVA-DO-PAI-CAETANO (Verbena littoralis)
Família: Verbenáceas.
Característica: Planta herbácea.
Habitat: Encontra-se no Sul do Brasil.
Valor terapêutico: É apregoada por suas virtudes estimulantes,
febrífugas e cicatrizantes.



sexta-feira, 9 de outubro de 2015

ERVA-DE-SOLDADO (Piper elongatum, Piper angustifolium, Piper purpurascens)

ERVA-DE-SOLDADO (Piper elongatum, Piper angustifolium, Piper purpurascens)

451 ERVA-DE-SOLDADO (Piper elongatum, Piper angustifolium, Piper purpurascens)
Família: Piperáceas.
Sinonímia: Matico.
Característica: Arbusto.
Habitat: Comum em Minas Gerais e no Espírito Santo.
Valor terapêutico: O infuso das folhas constitui poderoso remédio contra a leucorréia e a blenorragia.
"O Piper angustifolium ... é aplicado pelo povo nas doenças pulmonares e urinárias, bem como no tratamento de feridas." João S. Decker, Aspectos Biológicos da Flora Brasileira, pág. 2.
"As folhas (secas, pulverizadas) são hemostáticas... Em infusão, usam-se contra as diarréias e disenterias ( 10 a 15 folhas)." Paul le Cointe, Árvores e Plantas Úteis, pág. 185.
Parte usada: Folhas.
Dose: 20 gramas para 1 litro de água; 4 a 5 xícaras por dia.




quinta-feira, 8 de outubro de 2015

ERVA-DE-SAPO-DA-VERMELHA (Begônia sanguínea)

ERVA-DE-SAPO-DA-VERMELHA (Begônia sanguínea)

450 ERVA-DE-SAPO-DA-VERMELHA (Begônia sanguínea)
Família: Begoniáceas.
Sinonímia: Begônia-sangue.
Característica: Planta herbácea.
Habitat: É conhecida no Rio de Janeiro.
Valor terapêutico: É apregoada como febrífuga e diurética.




quarta-feira, 7 de outubro de 2015

ERVA-DE-SAPO Tem propriedades diuréticas e febrífugas.

ERVA-DE-SAPO Tem propriedades diuréticas e febrífugas.

446 ERVA-DE-SAPO (Begônia bi-dentata)
Família: Begoniáceas.
Sinonímia: Azeda-dos-ilhéus.
Característica: Planta herbácea.
Habitat: É comum no Rio de Janeiro, no Espírito Santo, no Sul da Bahia.
Valor terapêutico: Tem propriedades diuréticas e febrífugas.


ERVA-DE-SAPO (Begônia cuculata)

447 ERVA-DE-SAPO (Begônia cuculata)
Família: Begoniáceas.
Sinonímia: Azedinha-do-brejo. Há também outras plantas, da mesma família,
com os mesmos nomes.
Outro idioma: Agrio-agrial (Argentina).
Característica: Planta herbácea.
Habitat: Rio de Janeiro, Minas Gerais, Mato Grosso, Estados do Sul.
Valor terapêutico: Usa-se para combater os catarros da bexiga e todas as classes de febres.
Emprega-se também como diurético.

ERVA-DE-SAPO (Begônia hirtella)

448 ERVA-DE-SAPO (Begônia hirtella)
Família: Begoniáceas.
Na mesma família, há várias outras ervas com os mesmos nomes.
Sinonímia: Saracura, erva-de-saracura.
Característica: Planta herbácea.
Habitat: Estados do Norte e Nordeste.
Valor terapêutico: É útil contra os catarros vesicais e as diarréias.
É também diurética.

ERVA-DE-SAPO (Begônia undulata)

449 ERVA-DE-SAPO (Begônia undulata)
Família: Cucurbitáceas. Há também outras ervas-de-sapo, da família das Begoniáceas.
Característica: Erva trepadeira.
Habitat: Comum no Rio de Janeiro.
Valor terapêutico: É uma planta diurética e febrífuga.



terça-feira, 6 de outubro de 2015

ERVA-DE-SÃO-PEDRO contra o reumatismo.

ERVA-DE-SÃO-PEDRO contra o reumatismo.

445 ERVA-DE-SÃO-PEDRO (Hiptis melepoefolia)
Família: Labiadas.
Características: Planta herbácea, semelhante à erva-cidreira.
Habitat: Amazônia.
Valor terapêutico: Usa-se, em infusão, contra as cefalalgias,
as gastralgias, as afecções nervosas, a histeria.
Externamente, emprega-se, em banhos, contra o reumatismo.



segunda-feira, 5 de outubro de 2015

ERVA-DE-SÃO-MARTINHO É uma planta diurética e antioftálmica.

ERVA-DE-SÃO-MARTINHO É uma planta diurética e antioftálmica.

444 ERVA-DE-SÃO-MARTINHO (Sauvagesia erecta)
Família: Ocnáceas, Violáceas.
Sinonímia: Adima, ioaba, sauvagesia.
Características: Erva de caule prostrado, arroxeado.
Flores arroxeadas.
Habitat: Nos terrenos brejosos.
Valor terapêutico: É uma planta diurética e antioftálmica.
É "empregada contra moléstias pulmonares, inflamações dos olhos,
uremias, como estomáquico e antifebril."
F. C. Hoehne, Plantas e Substâncias Vegetais Tóxicas e Medicinais, pág. 194.



domingo, 4 de outubro de 2015

ERVA-DE-SANTA-MARIA para afugentar pulgas

ERVA-DE-SANTA-MARIA para afugentar pulgas

443 ERVA-DE-SANTA-MARIA (Chenopodium ambrosioides)
Família: Quenopodiáceas.
Sinonímia: Erva-formigueira, erva-vomiqueira, caácica.
No Norte do País a erva chama-se mentruz, mastruz ou mastruço; no Sul mas-truço é outra planta.
Outro idioma: Poudre aux vers (Guiana Francesa).
Características: Subarbusto.
Folhas alternas, sésseis, ascendentes, atenuadas em ambas as extremidades, algo sinuosas, e fortemente denteadas.
As superiores são lanceoladas, inteiras.
Inflorescência em cachos alongados nas extremidades das ramificações do caule.
Flores miúdas, esverdeadas.
Toda a planta tem cheiro forte, desagradável.
Valor terapêutico: A erva-de-santa-maria é empregada para afugentar pulgas e percevejos.
Para este fim, os nossos caboclos costumam varrer seus cômodos com os ramos desta planta, colocando-os também sob os colchões.
Para se conseguir uma essência inseticida ativa costuma-se destilar somente as sementes limpas desta erva em banho-maria, ou seja, por meio de vapor. A proporção que se emprega é de 1-3 por mil.
Pode-se, no entanto, destilar toda a planta, para obter um bom inseticida.
Esta erva no Brasil é muito famosa como vermífuga.
Aliás a maior parte dos vermífugos são compostos de erva-de-santa-maria.
A dose que se recomenda para este fim, é de 10 gramas de folhas em 1 litro de água.
Costuma tomar-se um gole de hora em hora.
Depois de se tomar o chá desta erva, tomam-se umas colheres de óleo de rícino.
Fazemos estas referências, só porque o uso desta planta para combater vermes, inclusive a tênia (solitária), é muito generalizado no Brasil.
Caso contrário, não a incluiríamos aqui.
As plantas venenosas preferimos deixar de lado, porque o seu uso, ainda que, em doses pequenas, possa trazer algum benefício, é perigoso.
É também indicada para combater a dança-de-são-vito e usada empiricamente contra a tuberculose.
(Uma colher de sopa do sumo em jejum).
É geralmente conhecido o efeito abortivo desta planta.
Portanto as mulheres grávidas não devem usá-la de maneira alguma.
Não se ignora tampouco que doses mais ou menos fortes da essência desta erva, quando usada para combater vermes, trazem doenças e algumas vezes até a morte.
Partes usadas: Folhas, sumidades floridas e sementes, em infusão.
Dose: 10 gramas em 1 litro de água; 3 xícaras por dia.
Não se deve ir além desta dose.




sábado, 3 de outubro de 2015

ERVA-DE-PASSARINHO (Oryctanthus ruficaulis)

ERVA-DE-PASSARINHO (Oryctanthus ruficaulis)

440 ERVA-DE-PASSARINHO (Oryctanthus ruficaulis)
Família: Lorantáceas.
Sinonímia: Erva-passarinheira, enxerto-de-passarinho, enxerco, gui-rarepoti.
Características: Subarbusto parasita.
O fruto fornece um visgo e um pouco de borracha.
Valor terapêutico: Como resolutivo enérgico, usa-se na orquite e
nos tumores diversos.
Parte usada: Folhas.


ERVA-DE PASSARINHO em úlceras crônicas

441 ERVA-DE PASSARINHO (Struthanthus flexicaulis)
Família: Lorantáceas.
Sinonímia: Erva-passarinheira, enxerto-de-passarinho, enxerco, guirarepoti.
Características: Erva-de-passarinho é um nome dado a várias plantas de
caule flexuoso, as quais parasitam as árvores, especialmente as laranjeiras,
por disseminação feita pelos pássaros, ávidos dos pequenos frutos dessas espécies, da família das Lorantáceas. É uma planta que se propaga com muita facilidade, e cobre literalmente todos os ramos da árvore, matando-a em pouco tempo.
Valor terapêutico: Emprega-se contra a leucorréia, a bronquite e a hemoptise.
Em clister, combate as diarréias.
Parte usada: Folhas, em decocção.
Família: Euforbiáceas.
Sinonímia: Erva-andorinha.
Características: Planta herbácea.
Cresce até uns 60 cm de altura.
Caule nodoso.
Quando se faz um talho, sai um suco leitoso, muito cáustico.
Folhas oblongas, agudas, pequenas.
Flores pequenas, vermelhas.
Habitat: Nos lugares úmidos, à beira dos riachos: Bahia, Rio, S.
Paulo e outros Estados.
Valor terapêutico:
As folhas machucadas aplicam-se, em forma de cataplasmas, em úlceras crônicas,
feridas velhas, etc.
Tem aplicação, também, nos casos de oftalmias purulentas e inflamações das pálpebras.



sexta-feira, 2 de outubro de 2015

ERVA-DE-LAGARTO (Tournefortia laevígata)

ERVA-DE-LAGARTO (Tournefortia laevígata)

438 ERVA-DE-LAGARTO (Tournefortia laevígata)
Família: Borragináceas.
Sinonímia: Língua-de-teju.
Característica: Planta herbácea.
Valor terapêutico: É uma planta hidragoga, útil, portanto, na hidropisia.
Tem aplicação, igualmente, na sífilis.
Partes usadas: Folhas e raiz, em decocção.


ERVA DE PASSARINHO (Phthirusa theobromae)

439 ERVA DE PASSARINHO (Phthirusa theobromae)
Família: Lorantáceas.
Características: Parasita dos cacaueiros.
O fruto fornece um pouco de borracha.
Valor terapêutico: As folhas e flores são vulnerárias.
Os frutos são venenosos.
(Vulnerário: Diz-se de uma substância própria para curar feridas.)


quinta-feira, 1 de outubro de 2015

ERVA-DE-COBRA contra picadas de cobras.

ERVA-DE-COBRA contra picadas de cobras.

437 ERVA-DE-COBRA (Mikania opifera, Eupatorium crenatum, Cacalia cordata,
Euphorbia unicolor)
Família: Compostas.
Características: Planta de haste trepadeira, angulosa.
Folhas pe-cioladas, cordiformes na base.
Flores em calátides.
Habitat: Rio, Minas, S. Paulo e outros Estados.
Valor terapêutico: Emprega-se contra: anúria, febres adinâmicas;
e, como o nome indica, os sertanejos usam esta planta interna e externamente
contra picadas de cobras.
Parte usada: Toda a planta.
Dose: 20 gramas para 1 litro de água; 4 a 5 xícaras por dia.