segunda-feira, 30 de novembro de 2015

GENCIANA-BRASILEIRA contra o reumatismo crônico e a gota.

GENCIANA-BRASILEIRA contra o reumatismo crônico e a gota.

511 GENCIANA-BRASILEIRA (Lisianthus pendulus)
Família: Gencianáceas.
Sinonímia: Genciana-do-brasil, raiz-amarga.
Característica: Planta herbácea, às vezes sub-arbustiva.
Habitat: Minas e outros Estados.
Valor terapêutico: A raiz é esurina, estomáquica, antianêmica, fe-brífuga.
Emprega-se contra a clorose, as febres intermitentes, a escro-fulose,
o reumatismo crônico, a gota.



domingo, 29 de novembro de 2015

GAMELEIRA (Ficus doliaria) para expulsar lombrigas

GAMELEIRA (Ficus doliaria) para expulsar lombrigas

510 GAMELEIRA (Ficus doliaria)
Família: Moráceas.
Sinonímia: Figueira-branca (Sul), figueira-grande, guapoí, ibapoí, figueira-brava, gameleira-branca-de-purga, gameleira-de-cansaço, ga-meleira-de-pinga, cerejeira, copaú-açu, guaporé.
Características: É uma árvore muito estimada pelo povo da roça.
No Norte é algumas vezes confundida com a caxinguba.
Tem folhas longipecioladas, ovais, lisas, lustrosas.
As flores são casulosas. O fruto é um figo de um e meio centímetros de comprimento. Não presta para comer. A madeira é branco-amarelada, porosa.
Utiliza-se para forros, caixoteria, gamelas, etc.
Fazendo-se incisões no tronco, sai uma seiva leitosa.
Habitat: No Centro-Sul do País.
Valor terapêutico:
Emprega-se internamente para expulsar lombrigas e combater a hidropisia.
Externamente se aplica o leite sobre os cravos das boubas, para curá-las.
Partes usadas: Suco leitoso, casca.
Dose: Usando-se o leite extraído do tronco, tomam-se 3 gotas diluídas em água, numa colher das de sopa, de duas em duas horas.
Pode-se também usar a casca, com a qual se prepara um chá na proporção de
15 gramas para 1 litro de água, tomando-se umas 3 ou 4 xícaras por dia.



sábado, 28 de novembro de 2015

GALINHA-CHOCA (Erythroxylum deciduum)

GALINHA-CHOCA (Erythroxylum deciduum)

508 GALINHA-CHOCA (Erythroxylum deciduum) contra as disenterias
Família: Eritroxiláceas.
Sinonímia: Cabelo-de-negro. Há também outras plantas, da mesma família, com os mesmos nomes.
Características: Árvore de 3 a 4 metros de altura.
Folhas obovais ou oboval-lanceoladas, com o ápice arredondado e a base aguda, cur-to-pecioladas, dotadas de estípolas caducas.
Fruto alongado, avermelhado, com uma grande semente revestida de uma camada polposa.
Valor terapêutico:
A casca, graças às suas propriedades adstringentes,
tem aplicação contra as disenterias rebeldes.


GALINHA-CHOCA contra as disenterias

509 GALINHA-CHOCA (Erythroxylum suberosum, Erythroxylum areolatum, Stendelia brasil)
Família: Eritroxiláceas.
Sinonímia: Azougue-do-campo, cabelo-de-negro, fruta-de-pombo, jacaré-do-campo, mercureiro, mercúrio-do-campo, sessenta-e-dois.
Características: Arbusto grande.
Caule nodoso.
Folhas obovais ou elípticas, curtopecioladas, coriáceas, estipuladas.
Flores brancas, em fâscículos axilares.
Fruto pequeno, oval, vermelho-alaranjado.
Habitat: Minas e outros Estados.
Valor terapêutico: Usa-se a casca como adstringente contra as disenterias rebeldes.



sexta-feira, 27 de novembro de 2015

FUNCHO (Anethum foeniculum, Foeniculum dulce)

FUNCHO (Anethum foeniculum, Foeniculum dulce)

507 FUNCHO (Anethum foeniculum, Foeniculum dulce)
Família: Umbelíferas.
Sinonímia: Anis-doce, erva-doce.
Características: Planta de 1 a 2 metros de elevação, verde-glauca, exalando um aroma agradável.
Haste direita, cilíndrica, glabra, lisa, estriada, ramosa.
Folhas alternas, amplas, recortadas em segmentos assovelados, quase capilares; pecíolos amplexicaules.
Flores amarelas, pequenas, em umbelas terminais, grandes, de raios numerosos e grandes.
Valor terapêutico: Têm as mesmas indicações terapêuticas que o anis (Pimpinella anisum), o cominho e o endro.
Suas sementes são aperientes, carminativas, estomáquicas, emena-gogas.
Empregam-se nas dispepsias, flatulências, cólicas, diarréias, vômitos, azia, etc.
Aumentam a secreção do leite das mães que amamentam.
Em Cataplasmas, aplicam-se sobre os tumores indolentes e sobre os ingurgitamentos atônicos.
Operam como resolutivos.
As raízes são diuréticas. O funchõ é usado na alimentação, cru, em saladas,
ou cozido. É muito saudável.
Partes usadas: Raízes e sementes.

Dose: 10 gramas de semente para 1 litro de água; 4 a 5 xícaras por dia.



quinta-feira, 26 de novembro de 2015

FUMO-DO-MATO (Coronilla stipuladissima)

FUMO-DO-MATO (Coronilla stipuladissima)

506 FUMO-DO-MATO (Coronilla stipuladissima)
Família: Leguminosas.
Sinonímia: Fumo-silvestre.
Características: Pequeno arbusto.
Caule avermelhado.
Folhas compostas, trifoliadas, no ápice.
Flores róseas, em cachos.
Fruto: vagem.
Habitat: Estados do Nordeste.
Valor terapêutico: Emprega-se o decocto, em lavagens intestinais,
contra as febres malignas.
Usa-se também o chá nos casos de catarros e pleurite.



quarta-feira, 25 de novembro de 2015

FUMARIA (Fumaria officinalis)

FUMARIA (Fumaria officinalis)

505 FUMARIA (Fumaria officinalis)
Família: Papaverâceas.
Sinonímia: Fel-da-terra, erva-moleirinha.
Características: Planta de 20 a 80 cm de altura.
Haste delgada, angulosa, ramosa, de ramos difusos, glabra, glauca.
Folhas alternas, pecioladas, profundamente recortadas em colmilhos, glabras, verde-glaucas ou acinzentadas.
Flores branco-avermelhadas, manchadas de púrpura no cimo, numerosas, pequenas, dispostas em cachos terminais.
Valor terapêutico: Tem emprego nas afecções do fígado, na arte-riosclerose, nas afecções da pele, na bronquite, no escorbuto, na histeria, na hipocondria, nas hemorróidas, no reumatismo.
Encerra também virtudes estomáquicas, aperientes, diaforéticas, laxativas e diuréticas.
Esta planta não se deve usar mais que alguns dias somente, e em doses moderadas, pois o uso prolongado ou as doses elevadas são prejudiciais.
Parte usada: Toda a planta.
Dose: 10 gramas para 1 litro de água; 4 a 5 xícaras por dia.




terça-feira, 24 de novembro de 2015

FRUTA DE CUTIA (Carpotroche longifolia) é inseticida e parasiticida.

FRUTA DE CUTIA (Carpotroche longifolia) é inseticida e parasiticida.

504 FRUTA DE CUTIA (Carpotroche longifolia)
Família: Flacurtiâceas.
Outro idioma: Cacaoillo (Peru).
Características: Árvore média.
Fruto: baga do tamanho de uma laranja; branco; saliências moles;
contém sementes oleaginosas.
Habitat: Amazônia.
Valor terapêutico: O óleo amarelo, espesso, fornecido pelas sementes,
é inseticida e parasiticida.



segunda-feira, 23 de novembro de 2015

FRUTA-DE-CACHORRO (Basanacantha spinosa) para combater a blenorragia.

FRUTA-DE-CACHORRO (Basanacantha spinosa) para combater a blenorragia.

503 FRUTA-DE-CACHORRO (Basanacantha spinosa)
Família: Rubiáceas.
Sinonímia: Limão-do-mato, jasmim-do-mato, mororó, limoeiro-do-mato.
Características: Arbusto.
Folhas ovais ou oval-alongadas, pecio-ladas.
Flores numerosas.
Valor terapêutico: Usa-se, empiricamente, para combater a blenorragia.
Partes usadas: Raiz e folhas.



domingo, 22 de novembro de 2015

FORMIGUEIRA (Triplaris noli-tangere)

FORMIGUEIRA (Triplaris noli-tangere)

502 FORMIGUEIRA (Triplaris noli-tangere)
Família: Poligonâceas.
Sinonímia: Formigueiro, pau-de-formiga, pau-de-novato.
Características: Árvore ornamental, cujas flores possuem uma pilosidade causticante.
Habitat: Medra nos Estados de Goiás, Mato Grosso, Pará, Amazonas, etc.
Valor terapêutico: Usa-se no tratamento da linfangite.




sábado, 21 de novembro de 2015

FOLHA-DE-URUBU (Pothus quadrangularis) contra o reumatismo.

FOLHA-DE-URUBU (Pothus quadrangularis) contra o reumatismo.

500 FOLHA-DE-URUBU (Pothus quadrangularis)
Família: Aráceas.
Características: Planta rasteira.
Folhas radicais, em feixes, de um metro.
Habitat: Estados do Nordeste.
Valor terapêutico: Usa-se o decocto em banhos contra o reumatismo.


FOLHA-DE-URUBU (Philodendron laciniatum)

501 FOLHA-DE-URUBU (Philodendron laciniatum)
Família: Aráceas.
Sinonímia: Guembé.
Característica: Cipó.
Valor terapêutico: O decocto das folhas é empregado, em banhos, contra o reumatismo.
Untadas com azeite quente, as folhas têm aplicação contra as nevralgias.



sexta-feira, 20 de novembro de 2015

FOLHA-DA-FORTUNA (Bryophyllum calcynum)

FOLHA-DA-FORTUNA (Bryophyllum calcynum)

499 FOLHA-DA-FORTUNA (Bryophyllum calcynum)
Família: Crassuláceas.
Sinonímia: Folha-da-costa.
Características: Notável pela propriedade de multiplicação da folha.
Uma folha pregada à parede, na sombra, logo brota.
Daí o nome vulgar da planta.
Habitat: Comum no Brasil.
Valor terapêutico: É apregoada por suas virtudes vulneráreas e refrigerantes.




quinta-feira, 19 de novembro de 2015

FLOR-DE-PAVÃO (Poinciana pulcherrima, Caesalpinia pulcherrima)

FLOR-DE-PAVÃO (Poinciana pulcherrima, Caesalpinia pulcherrima)

498 FLOR-DE-PAVÃO (Poinciana pulcherrima, Caesalpinia pulcherrima)
Família: Leguminosas-cesalpiniáceas.
Sinonímia: Brio-de-estudante, flor-do-paraíso, chagas, chagueira, barba-de-barata.
Características: Árvore pequena, ornamental, muito apreciada.
Folhas bipinadas.
Flores grandes, amarelas, vermelhas, vermelho-ala-ranjadas ou roxo-alaranjadas.
Floresce quase ininterruptamente.
Fruto: vagem chata, lenhosa, de até 10 cm de comprimento.
Valor terapêutico: As folhas, as flores e a casca, em infusão, são emenagogas e purgativas em pequena dose, porém abortivas e perigosas em doses elevadas.



quarta-feira, 18 de novembro de 2015

FLOR-DE-CORAL (Erythrina corallodendron)

FLOR-DE-CORAL (Erythrina corallodendron)

497 FLOR-DE-CORAL (Erythrina corallodendron)
Família: Leguminosas-papiloniáceas.
Sinonímia: Mulungu.
Características: Árvore pequena.
Grandes folhas compostas, tri-partidas.
Folíolos largamente ovais-romboidais. Cálice tubuloso truncado.
Flores escarlates, muito estreitas, em espigas cimosas.
No tempo da florescência, a árvore fica desfolhada.
Flor-de-coral é um nome comum a cinco plantas diferentes: uma euforbiácea (jatropha multifida), uma verbenácea ( Clerodendron fal-lax), uma escrófuláriácea (Russelia funcea), uma rubiácea (Ixora coc-cinea) e uma leguminosa (Erythrina corallodendron).
Não se deve confundir a flor-de-coral (Erytrina corallodendron) com o mulungu ou murungu (Erythrina mulungu) nem com a corticei-ra (Erytrina crista galli).
São plantas que muito se assemelham entre si.
Valor terapêutico: As folhas, em infusão, são calmantes e úteis na insônia.
A casca, em decocção, também é sedativa e soporativa: usa-se na insônia e nas excitações nervosas.
O decocto da casca serve igualmente para combater as hepatites crônicas e as obstruções do fígado.
Partes usadas: Folhas e cascas.
Dose: 20 gramas para 1 litro de água; 4 a 5 xícaras por dia.



terça-feira, 17 de novembro de 2015

FLOR-DA-NOITE (Cereus grandiflorus, Cactus grandiflorus)

FLOR-DA-NOITE (Cereus grandiflorus, Cactus grandiflorus)

496 FLOR-DA-NOITE (Cereus grandiflorus, Cactus grandiflorus)
Família: Cactáceas.
Sinonímia: Flor-do-baile, flor-cheirosa, cactus-de-flor-grande, rai-nha-da-noite.
Características: "É a linda flor, vulgarmente conhecida por flor-do-baile, de caule trepador, com três ângulos, de grandes flores, com as divisões externas amarelas e as internas brancas, com um aroma suavíssimo, de baunilha, abrindo-se à noite e fechando-se pela madrugada.
Cresce pelos muros, agarrando-se pela raiz. Há variedades de cactus, por isso, cumpre ter cuidado para evitar confusões." Dicionário Brasileiro de Plantas Medicinais, pág. 45.
Valor terapêutico: O cactus-de-flor-grande é um bom remédio para os males do coração.
Tem efeito análogo ao da digital, sendo, por isso, usado como sucedâneo desta planta.
"O rasgo característico do cactus é o de dirigir a sua ação sobre o coração e os vasos sangüíneos, dissipando suas congestões e anulando suas irritações, sem debilitar o sistema nervoso...
"Nas afecções do coração, o Cactus grandiflorus supera em ação ao Aconitum napellus, substituindo-o vantajosamente.
"Êste medicamento é utilíssimo em todas as ações exageradas do coração, principalmente pelas palpitações nervosas até às causadas pela cardite ou inflamação do coração em causas agudas; em os procedimentos hipertróficos e nas lesões valvulares gravíssimas do coração...
"Também aproveita nos resfriamentos, com supressão de suor, na bronquite crônica com ruído de mucosidade, e quando os sintomas bronquiais são devidos à sobre-excitação do coração.
Com o seu uso se consegue um alívio rápido e permanente, quando a desordem funcional do coração é simplesmente nervosa.
"O Cactus grandiflorus desenvolve uma ação mais ou menos aproveitável e de bons resultados nas febres catarrais, febre reumatismal simples, inflamatórias, e gástricas; congestões cerebrais; cefalalgia por congestão sangüínea ou reumatismal; dor pulsativa e gravitante na cabeça; dor de repuxamento no vértice; apoplexia sangüínea; epistaxe abundante; coriza seca ou fluente, oftalmia aguda; olhos salientes; otite reumatismal; reumatismo do peito e com inchação dolorosa das partes, estenocardite e hipertrofia do coração; hepatização pulmonar; asma por congestão; opressão crônica da respiração; tosse catarral com apiamento asmático; constipação com hemorróidas, também fluentes; menstruação dolorosa, abundante ou demasiado freqüente; paralisia da bexiga, caracterizada pelo fluxo de mucosidades espessas; dartros crustosos, secos, nos maléolos e nos cotovelos." Notas Sobre Plantas Brasileiras, pág. 55.
"O Dr. R. W. Wilcox recomenda vivamente o extrato fluído de Cactus grandiflorus contra algumas afecções cardíacas, sobretudo contra o enfraquecimento da energia cardíaca, por causa das lesões valvulares não compensadas, contra a degenerescência do músculo cardíaco e contra as perturbações cardíacas decorrentes de excessos alcoólicos e abusos do chá, do café e do fumo, e, enfim, nos casos de aniquilamento do pulso, resultante da excitação do pneumogástrico." Nouveaux Remedes.
Parte usada: Caule, por decocção.
Dose: 10 a 15 gramas em 1 litro de água.
Bebe-se uma xícara do chá quando se é incomodado pela dor.



segunda-feira, 16 de novembro de 2015

FIRMEZA-DOS-HOMENS (Hibiscus mutabilis)

FIRMEZA-DOS-HOMENS (Hibiscus mutabilis)

495 FIRMEZA-DOS-HOMENS (Hibiscus mutabilis)
Família: Malváceas.
Sinonímia: Amor-dos-homens, rosa-louca, rosa-paulista, rosa-cambiante-de-caiena,
papoula-de-duas-cores, inconstante.
Outro Idioma: Caractere des dames (Guiana Francesa).
Características: Arbusto pequeno.
Caule nodoso, pouco esgalha-do.
Folhas alternas, angulosas, esverdeadas.
Flores grandes, sem cheiro, brancas de manhã, róseas ao meio dia e purpúreas à tarde.
Valor terapêutico: As folhas e flores são emolientes.



domingo, 15 de novembro de 2015

FEL-DA-TERRA contra as febres contínuas

FEL-DA-TERRA contra as febres contínuas

494 FEL-DA-TERRA (Lophophytum mirabile)
Família: Balanoforáceas.
Sinonímia: Batata-de-escamas, boa-noite, espiga-da-terra, milho-de-cobra,
pinha-de-raiz, sanchim, urupetim.
Características: Planta parasita, de caule amiláceo, que os índios usam como alimento.
Contém escamas em vez de folhas.
Valor terapêutico: Usa-se como remédio contra as febres contínuas,
As batatas, secas e pulverizadas, são aconselhadas contra a icterícia.



sábado, 14 de novembro de 2015

FEDERAL (Silphium anti-dysenterica) É útil também na diarréia.

FEDERAL (Silphium anti-dysenterica) É útil também na diarréia.

493 FEDERAL (Silphium anti-dysenterica)
Família: Compostas.
Sinonímia: Federação, amor-dos-velhos, espinho-guabiru, espinho-guaburu.
Características: Planta herbácea, pequena.
Folhas moles, verde-amareladas, opostas.
Flores amarelas, pequenas, em feixes.
Habitat: Medra nos Estados do Nordeste.
Valor terapêutico: O decocto é bom contra a dor de dente.
É útil também na diarréia.
Em banhos quentes, emprega-se no tratamento do reumatismo articular agudo
ou crônico.



sexta-feira, 13 de novembro de 2015

FEDEGOSO-VERDADEIRO como antídoto de vários venenos

FEDEGOSO-VERDADEIRO como antídoto de vários venenos

492 FEDEGOSO-VERDADEIRO (Cassia occidentalis, Cassia medica)
Família: Leguminosas-cesalpiniáceas.
Sinonímia: A planta a que no Sul do País chamam fedegoso, é a que no
Norte e no Nordeste conhecem como mata-pasto, mamangá, manjerioba (Ceará),
pau-manjerioba, pajamarioba (Óbidos), paramario-ba (Monte Alegre), folha-de-pagé, lava-pratos, ibixuna, tararaçu, ta-rarucu, tararubu, fedegoso-do-rio.
Características: Arbusto pequeno.
Caule cilíndrico, ramoso e ascendente.
Folhas enrugadas, quase romboidais.
Flores tubulosas, cor de lírio ou de violeta.
Fruto: uma espécie de noz, contendo caroços redondos em uma vagem cor de chocolate.
Valor terapêutico:
O dicionário de Laudelino Freire dá: "Arbusto cuja raiz é amarga,
considerada como antídoto de vários venenos e como preventivo contra febres
palustre, tendo as folhas e sementes largo emprego na medicina."
As folhas (10 gramas em uma xícara de água, em infusão), são purgativas e emenagogas.
A casca da raiz (4 gramas em uma xícara de água fervendo) é fortemente diurética.
Usa-se (10 gramas em 1 litro de água: um gole de duas em duas horas) para combater a hidropisia e as moléstias do fígado. O decocto da raiz (10 gramas em 1 litro de água; uma xícara) age como antelmíntico enérgico. O decocto da casca (20 gramas em 1 litro de água; duas xícaras) constitui bom fe-brífugo.
As mulheres grávidas não devem usar esta planta, pois pode provocar aborto.
"A pessoa achacada da erisipela, quando sentir os sintomas da invasão da moléstia, deve tomar uma gota de Cassia medica (fedegoso) em uma colher de água repetindo esta dose de meia em meia hora, até o desaparecimento do mal.
Quando com o emprego da Cassia medica não se conseguir fazer abortar o ataque, ao menos conseguir-se-á que este seja brando.
Alguns doentes têm tirado do uso deste medicamento resultados maravilhosos, curando-se da moléstia tão rebelde." Notas Sobre Plantas Brasileiras, pág. 79.
As folhas também podem aplicar-se topicamente, em forma de cataplasmas,
para combater as impigens e inflamações.
Partes usadas: Folhas, casca e raiz.




quinta-feira, 12 de novembro de 2015

FEDEGOSO (Cassia hirsuta) É uma planta antifebril e anti-sifilítica.

FEDEGOSO (Cassia hirsuta) É uma planta antifebril e anti-sifilítica.

491 FEDEGOSO (Cassia hirsuta)
Família: Leguminosas-cesalpiniáceas.
Sinonímia: Paramarioba.
Característica: Arbusto pequeno.
Habitat: Em terrenos abandonados.
Valor terapêutico: É uma planta antifebril e anti-sifilítica.



quarta-feira, 11 de novembro de 2015

FAVA-DE-TONCA contra as dores de ouvido.

FAVA-DE-TONCA contra as dores de ouvido.

490 FAVA-DE-TONCA (Dipteryx odorata)
Família: Leguminosas.
Sinonímia: Cumaru, cumbaru, muira-paié, árvore-dos-feiticeiros.
Características: Bela árvore.
Floresce em abril e maio.
Os frutos são carregados pelos morcegos.
Habitat: Amazônia.
Valor terapêutico: Socadas e esprimidas as favas, fornecem um azeite bom
contra as dores de ouvido.
As favas encerram propriedades emenagogas e diaforéticas.



terça-feira, 10 de novembro de 2015

FAVA-DE-IMPIGEM combater as manchas da pele

FAVA-DE-IMPIGEM combater as manchas da pele

489 FAVA-DE-IMPIGEM (Vatairea guianensis)
Família: Leguminosas-papilionáceas.
Sinonímia: Fava-de-bolacha, faveira-amarela, faveira-de-impigem, faveira-grande, faveira-grande-do-iguapó, lombrigueira.
Outro Idioma: Dartier ou Bois à Dartres (Guiana Francesa).
Características: Árvore média ou grande.
Madeira muito resistente à umidade.
Flores roxas, lindas.
Fruto largo, chato, suberoso.
Habitat: Comum nas margens dos rios e nos igapós de água preta.
Valor terapêutico: A casca, por incisão, fornece uma goma ver-melho-escura, adocicada, adstringente.
As sementes, piladas com vinagre ou gordura de coco, são empregadas para curar impigens.
O suco acre do fruto é usado para combater as manchas da pele (sardas, efélides, etc.).



segunda-feira, 9 de novembro de 2015

FAVA-DE-ARARA para desinflamar e cicatrizar feridas.

FAVA-DE-ARARA para desinflamar e cicatrizar feridas.

488 FAVA-DE-ARARA (Hippocratea volubilis)
Família: Hipocrateáceas.
Características: Cipó.
Fruto: vagem grossa, que encerra duas a três sementes (amêndoas) alongadas, tortas, curiosamente imbricadas de forma a lembrar um bico de arara.
As amêndoas, ligeiramente amargas, são comestíveis.
Valor terapêutico:
O emplastro das folhas é bom para desinflamar e cicatrizar feridas.



domingo, 8 de novembro de 2015

FAVA (Vicia sativa)

FAVA (Vicia sativa)

486 FAVA (Vicia sativa)
Família: Leguminosas.
Características: Planta herbácea.
Folhas em palmas.
Flores brancas.
Valor terapêutico: Empregam-se as folhas como emolientes e resolutivas.



FAVA-BRANCA (Dyphisa fiava) para matar os piolhos dos animais.

487 FAVA-BRANCA (Dyphisa fiava)
Família: Leguminosas.
Sinonímia: Catinga-de-macaco-manso.
Características: Arbusto trepador.
Caule delgado.
Folhas trifolia-das.
Flores miúdas, azuladas, em espigas.
Fruto: vagem (de uns 60 a 90 cm) estreita, parda.
Valor terapêutico: Usa-se o decocto, em banhos, para matar os piolhos dos animais.



sábado, 7 de novembro de 2015

FANFÃ (Hibiscus bifurcatus)

FANFÃ (Hibiscus bifurcatus)

485 FANFÃ (Hibiscus bifurcatus)
Família: Malváceas.
Sinonímia: Fanfa, algodão-do-brejo, algodão-bravo, majorana, maioranta,
amanduerana, amandurana, amaniu-rana, vinagreira, malva-vinagreira,
vinagreira-do-campo, uaicima-do-brejo.
Características: Arbusto de 1 a 2 metros.
Longos galhos escan-dentes.
Pequenos espinhos no caule e na face inferior das folhas.
Flores róseo-violáceas, grandes.
Habitat: Em terrenos úmidos e inundados.
Valor terapêutico: As folhas, azedas, comestíveis, são emolientes.



sexta-feira, 6 de novembro de 2015

FALSA ESPELINA (Clitoria guianensis) contra as cistites e uretrites.

FALSA ESPELINA (Clitoria guianensis) contra as cistites e uretrites.

484 FALSA ESPELINA (Clitoria guianensis)
Família: Leguminosas-papilionáceas.
Sinonímia: Espelina-falsa.
Características: Erva volúvel.
Flores róseas ou brancas, grandes.
Habitat: Nos campos altos.

Valor terapêutico: A raiz, diurética, é empregada, em infusão,
contra as cistites e uretrites.
As sementes, em pó, são usadas como purgativo.




quinta-feira, 5 de novembro de 2015

EUCALIPTO (Eucalyptus globulus)

EUCALIPTO (Eucalyptus globulus)

483 EUCALIPTO (Eucalyptus globulus)
Família: Mirtâceas.
Característica: Árvore alta.
O eucalipto (do grego eu, bem; e calyptus, cubro) é originário da Austrália e aclimatado no Brasil.
Conhecem-se cerca de quatrocentas espécies dessa planta.
Valor terapêutico: É uma planta recomendada para tratar inúmeras enfermidades.
Em chás, as folhas verdes têm aplicação nos seguintes casos: asma, asma cardíaca, afecções catarrais, adenites, bronquite, coqueluche, coriza, cistite, catarro da bexiga, disenteria, diabetes, febres, gripe, leucorréia, maleita, nefrite, rinite, tuberculose.
Nas afecções das vias respiratórias, inclusive na sinusite, é bom também aspirar o vapor do cozimento das folhas de eucalipto.
Um bom chá para pneumonia prepara-se com folhas de eucalipto, pé-de-galinha e alfavacão.
Em cataplasmas e compressas empregam-se exteriormente para aliviar a dor em casos de ciática, reumatismo, gota, nevralgias, etc.
Em loções, o eucalipto é um bom antisseptico.
Aplica-se exteriormente o chá para lavar feridas, úlceras, etc.
Tem efeito não só desinfetante, senão também curativo.
O óleo que se extrai do eucalipto é adstringente, febrífugo e tônico.
Emprega-se, em linimento, nas dores reumáticas e musculares.
Parte usada: Folhas verdes, em infusão.
Dose: 20 gramas para 1 litro de água; 4 a 5 xícaras por dia.




quarta-feira, 4 de novembro de 2015

ESTRAMÔNIO (Datura stramonium) contra as dores reumáticas

ESTRAMÔNIO (Datura stramonium) contra as dores reumáticas

482 ESTRAMÔNIO (Datura stramonium)
Família: Solanáceas.
Sinonímia: Figueira-do-inferno, mamoninho-bravo, trombeta, zabumba, jabumba, aubaitinga-dos-índios, erva-dos-mágicos, erva-dos-feiticeiros, erva-do-diabo, erva-dos-demoníacos, pomo-espinhoso, po-mo-do-diabo.
Outros idiomas: Chamico, Estramico, Yerbà hedionda, Tronpetilla (Argentina); Pomme épineuse, Herbe aux sorciers, Endormie (França); DeviTs apple (Inglaterra); Stechapfel (Alemanha); Pomo spinoso (Itália), Durman (Rússia).
Características: Planta herbácea.
Caule cilíndrico, glabro, algo pubescente na parte superior, muito ramificado.
Folhas grandes, ovais, acuminadas, sinuoso-denteadas, longipecioladas, alternas.
Flores brancas ou violáceas, grandes, solitárias, afuniladas.
Fruto: cápsula ovóide, espinhosa.
Especialmente o fruto e as sementes são muito tóxicos.
Habitat: Vegeta em todos os campos, especialmente nos lugares úmidos.
Valor terapêutico: As folhas e sementes frescas, trituradas e cozidas em azeite,
têm aplicação, em fricções, contra as dores reumáticas e as produzidas por golpes.
Usa-se também a erva seca em cataplasmas e fomentações.





terça-feira, 3 de novembro de 2015

ESTORAQUEIRO no tratamento das úlceras crônicas

ESTORAQUEIRO no tratamento das úlceras crônicas

481 ESTORAQUEIRO (Styrax aurea, Pamphilia aurea)
Família: Estiracáceas.
Sinonímia: Benjoeiro, beijoeiro, estoraque, estoraqueiro-do-brasil.
Característica: Árvore muito conhecida pela goma-resina que fornece,
por incisão do caule.
Habitat: Encontra-se nos Estados de Minas, Bahia, Alagoas, etc.
Valor terapêutico: O bálsamo que se extrai desta árvore tem aplicação
no tratamento das úlceras crônicas, da blenorragia, da leucorréia,
sendo também indicado nos casos de tosse, dispnéia, rouquidão.
É também cordial e calmante.



segunda-feira, 2 de novembro de 2015

ESTANCA-SANGUE (Chrysocoma sanguínea) contra hemorragias

ESTANCA-SANGUE (Chrysocoma sanguínea) contra hemorragias

480 ESTANCA-SANGUE (Chrysocoma sanguínea)
Família: Compostas.
Características: Arbusto ou cipó. Caules em touceiras.
Folhas ásperas, lanceoladas.
Flores em cachos (palhentinhas brancas, pintadas de roxo).
Frutos: agulhetas pretas, com um feixe de pelos, voando com facilidade.
Habitat: Vegeta no Nordeste.
Valor terapêutico: Usa-se, externa e internamente, nos golpes,
ferimentos e hemorragias.



domingo, 1 de novembro de 2015

ESTACA-CAVALOS (Gratiola officinalis) suspender as hemorragias

ESTACA-CAVALOS (Gratiola officinalis) suspender as hemorragias

479 ESTACA-CAVALOS (Gratiola officinalis)
Família: Escrofulariáceas.
Outros idiomas: Yerba dei pobre, Sen de los prados (Argentina), Gratiole officinelle (França), Hedge hyssop (Inglaterra), Gnadenkraut (Alemanha), Stanca cavallo (Itália).
Característica: Planta herbácea.
Valor terapêutico:
Emprega-se o decocto das folhas para suspender as hemorragias intermitentes
e para combater a gota e os desequilíbrios mentais.
Cozinha-se uma só folhã num litro d'àgua, durante 10 minutos, e tomam-se duas colheradas do chá por dia.
Externamente, usa-se nos casos de golpes e ferimentos.