domingo, 31 de janeiro de 2016

JAMBOLÃO na disenteria, hemorragia e leucorréia.

JAMBOLÃO na disenteria, hemorragia e leucorréia.

586 JAMBOLÃO (Syzygium jambolanum) OK
Família: Mirtáceas.
Sinonímia: Jambol, jambul, jamelão, jalão.
Características: Árvore grande.
Ramos e folhas dispostos aos pares.
Frutos roxo-negros, insípidos.
Frutifica em fevereiro.
Habitat: Muito comum no Brasil.
Valor terapêutico: As sementes são muito úteis nas diabetes açucaradas.
Toma-se meio grama até um grama de sementes pulverizadas, duas a
três vezes por dia.
Em vez do pó das sementes, pode também usar-se o líquido das sementes esmagadas.
Tomam-se duas gotas em um pouco de água, três vezes por dia.
A casca da árvore (20:1000) é empregada na disenteria, hemorragia e leucorréia.



sábado, 30 de janeiro de 2016

JAMBO-AMARELO constituem bom laxativo

JAMBO-AMARELO constituem bom laxativo

584 JAMBO-AMARELO (Jambosa vulgaris, Myrtus jambosa, Eugenia jambosa, Eugenia vulgaris)
Família: Mirtáceas.
Sinonímia: Jambo-rosa, jambo-da-índia, jambo-da-terra.
Características: Árvore.
Fruto globuloso, amarelo-rosado.
Valor terapêutico: A casca, em decocção, é utilizada contra a disenteria.
As flores, em xarope, constituem bom laxativo.



JAMBO-BRANCO é purgativa e hidragoga.

585 JAMBO-BRANCO (Jambosa aquea, Eugenia aquea, Cerocarpus aqueus)
Família: Mirtáceas.
Sinonímia: Jambo-aguado, jambo-d'água.
Característica: Árvore.
Valor terapêutico: A raiz, em decocção, é purgativa e hidragoga.
(Hidragogo: Purgativo violento.)


sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

JALAPA-DE-MATO-GROSSO (Convolvulus puniceus) Causa diarréia

JALAPA-DE-MATO-GROSSO (Convolvulus puniceus) Causa diarréia

582 JALAPA-DE-MATO-GROSSO (Convolvulus puniceus)
Família: Convolvuláceas.
Característica: Planta herbácea, rasteira.
Habitat: Comum no Mato Grosso.
Valor terapêutico: A raiz é fortemente drástica.
(Drástica: Causa diarréia.)


JALAPA-DE-SÃO-PAULO (Piptostegia pisonis) Tem efeitos drásticos

583 JALAPA-DE-SÃO-PAULO (Piptostegia pisonis)
Família: Convolvuláceas.
Sinonímia: Purga-de-amaro-leite.
Característica: Planta herbácea.
Habitat: São Paulo, Minas, Goiás e outros Estados.
Valor terapêutico: Tem efeitos drásticos.



quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

JALAPA (Convolvulus officinalis, Convolvulus, jalappa, Exogo-nium purga, Mechoacana nigra, Ipomoea purga, Ipomoea jalappa, Convolvulus purga)

JALAPA (Convolvulus officinalis, Convolvulus, jalappa, Exogo-nium purga, Mechoacana nigra, Ipomoea purga, Ipomoea jalappa, Convolvulus purga)

581 JALAPA (Convolvulus officinalis, Convolvulus, jalappa, Exogo-nium purga, Mechoacana nigra, Ipomoea purga, Ipomoea jalappa, Convolvulus purga)
Família: Convolvuláceas.
Sinonímia: Chelapa, purga-de-jalapa, jalapa-de-purga.
Ver também batata-de-purga, que é outra espécie de jalapa.
Características: Planta trepadeira.
Haste cilíndrica, lisa, roxo-bri-Ihante.
Folhas cordiformes, lisas, pecioladas, profundamente chanfra-das na base.
Flores grandes, róseas, solitárias ou reunidas em duas ou três, em pedúnculos axilares.
Corola infundibuliforme.
Fruto ovoide.
Valor terapêutico: A raiz é usada como purgativo e tem aplicação, também, nas cólicas, nos dartros, nas dores reumáticas e na sífilis.




quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

JACAREÚBA (Calophyllum brasiliense) curar úlceras crônicas.

JACAREÚBA (Calophyllum brasiliense) curar úlceras crônicas.

580 JACAREÚBA (Calophyllum brasiliense)
Família: Cutiferâceas.
Sinonímia: Landim, laudim, landi, jacareíba, jacareúva, guanandi, pau-azei te, pau-de-azeite, pau-de-maria.
Características: Árvore grande.
Madeira amarelo-avermelhada.
Folhas opostas, elípticas.
Flores brancas, em cachos.
Habitat: Em quase todo o Brasil (regiões tropical e equatorial).
Valor terapêutico: A casca fornece um bálsamo resinoso, empregado
para resolver tumores e curar úlceras crônicas.
Serve, também, para sinapismos.




terça-feira, 26 de janeiro de 2016

JACARÉ-DO-MATO (Cybianthus detergens) contra dermatoses.

JACARÉ-DO-MATO (Cybianthus detergens) contra dermatoses.

579 JACARÉ-DO-MATO (Cybianthus detergens)
Família: Mirsináceas.
Sinonímia: Caapororoca, farinha-seca.
Característica: Árvore.
Valor terapêutico: O decocto da casca é útil para curar impigens.
(Impigens: Nome popular de várias dermatoses.)


segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

JABUTI-DA-VÁRZEA (Erisma calcaratum)

JABUTI-DA-VÁRZEA (Erisma calcaratum)

578 JABUTI-DA-VÁRZEA (Erisma calcaratum)
Família: Voquisiáceas.
Sinonímia: Jabuti-araconha, cachimbo-de-jabuti, verga-de-jabuti, jabuti, caramuru.
Características: Árvore média.
Madeira branca, leve.
Fruto rugo-so, recurvado em forma de cachimbo, contendo uma amêndoa oleaginosa.
Habitat: Nas várzeas e igapós da Amazônia.
Valor terapêutico: O óleo das amêndoas é resolutivo.
Aplica-se a massa gordurosa sobre abscessos e tumores.



domingo, 24 de janeiro de 2016

JABUTICABEIRA na asma e nas hemoptises.

JABUTICABEIRA na asma e nas hemoptises.

577 JABUTICABEIRA (Myrtus jaboticaba, Myrtus cauliflora, Eugenia cauliflora)
Família: Mirtáceas.
Características: Árvore ou arbusto.
Casca lisa.
Folhas opostas.
Flores brancas, cheirosas.
Fruto globoso, roxo-escuro ou avermelhado, contendo dois caroços envoltos numa massa aquosa, branco-acinzen-tada, doce.
Valor terapêutico: O decocto da entrecasca é indicado na asma e nas hemoptises.



sábado, 23 de janeiro de 2016

JABORANDI contra queda de cabelo calvície

JABORANDI contra queda de cabelo calvície

575 JABORANDI (Ottonia anis jm, Pilocarpus pinnatifolius, Ottonia jaborandy, Piper jaborandy, Serronia jaborandy, Tâtandria tetraginia)
Família: Rutáceas.
Sinonímia: Jaborandi-manso, jaborandi-do-ceará.
Características: Arbusto de mais ou menos um metro e meio de altura.
Folhas alternas, compostas, imparipenadas, medindo 20 a 30 cm de comprimento, contendo 3 a 5 pares de folíolos opostos, oblongos, lanceolados, inteiros.
Flores dióicas, dispostas em espigas. O fruto é uma noz.
Valor terapêutico: As folhas são muito sudoríficas.
Empregam-se nos seguintes casos: amenorréia, caxumba, edema pulmonar, hemorragia, irritação brônquica, leucorréia, metrite, nervo-sidade, papeira exoftálmica, dor de dente, hemoptises.
Externamente emprega-se o suco das folhas trituradas,
friccionando o couro cabeludo, para combater a alopecia.
(Alopecia: Queda prematura, e em geral temporária, dos cabelos e, às vezes,
dos pêlos; falacrose, calvície.)
Não devem usar esta planta as pessoas débeis nem as que sofrem do coração.
Partes usadas: Folhas e raiz.
Dose: Uso interno 2 a 3 gramas de folhas para uma xícara de água, em infusão.
Toma-se o chá aos poucos.


JABORANDI-DE-FRUTO-GRANDE (Pilocarpus macrocarpus)

576 JABORANDI-DE-FRUTO-GRANDE (Pilocarpus macrocarpus)
Família: Rutáceas.
Característica: Árvore.
Valor terapêutico: Ê apregoado como diaforético, diurético e sia-lagogo.



sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

IPÊ-CONTRA-SARNA (Tecoma impetiginosa)

IPÊ-CONTRA-SARNA (Tecoma impetiginosa)

574 IPÊ-CONTRA-SARNA (Tecoma impetiginosa)
Família: Bignoniáceas.
Sinonímia: Ipê-preto, ipê-roxo, ipeúva.
Característica: Árvore.
Valor terapêutico: A casca, em decocção, é útil contra as impigens,
a leucorréia, as inflamações artríticas, o catarro da uretra, a sarna.
Usa-se em banhos e lavagens vaginais.



quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

IPECACUANHA-VERDADEIRA contra asma, bronquite, catarro sufocante, coqueluche

IPECACUANHA-VERDADEIRA contra asma, bronquite, catarro sufocante, coqueluche

573 IPECACUANHA-VERDADEIRA (Callicocca ipecacuanha, Cephaelis ipecacuanha,
Ipecacuanha brasiliensis, Ipecacuanha disente-rica, Ipecacuanha fusca,
Ipecacuanha officinalis, Psychotria ipecacuanha, Uragoga ipecacuanha)
Família: Rubiáceas.
Sinonímia: Ipê-caá-coêne, ipecacuanha-canela-da-menor, ipeca, ipeca-verdadeira, poaia, poaia-cinzenta, poaia-preta, poaia-vermelha, poaia-das-boticas, raiz-do-brasil, cagosanha.
Outro idioma: Ipeca annelê (França).
Características: Erva vivaz.
Raiz nodosa.
Caule erecto ou rasteiro.
Folhas opostas, ovais, lanceoladas, verdes.
Flores brancas.
Fruto ovóide.
Há diversas espécies de Ipecacuanha.
Habitat: Nas matas, à sombra dos grandes arvoredos, e perto dos pântanos: Coiás, Mato Grosso, Amazonas e outros Estados.
Valor terapêutico: A raiz é emética em alta dose, e expectorante em pequena dose.
Emprega-se o chá do cozimento da raiz, com bons resultados,
contra asma, bronquite, catarro sufocante, coqueluche, disenteria, febre, garrotilho, pneumonia. Tóxica em grande quantidade.
Parte usada: Raiz, em decocção.
Dose: 10 gramas para 1 litro de água; uma xícara por dia.
Toma-se o chá aos goles.





quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

IPECACUANHA-DE-FLOR-BRANCA contra as disenterias e a gota.

IPECACUANHA-DE-FLOR-BRANCA contra as disenterias e a gota.

571 IPECACUANHA-DE-FLOR-BRANCA (lonidium ipecacuanha, Viola ipecacuanha, Hybanthus ipecacuanha)
Família: Violáceas.
Sinonímia: Poaia, poaia-branca, ipeca-branca, ipeca-do-marajó, purga-do-campo, piraia, ipecacuanha-branca-de-caiena.
Características: Subarbusto coberto de pêlos amarelos.
Rizoma nodoso.
Folhas estipuladas, oval-lanceoladas.
Flores axilares, esbranquiçadas.
Fruto capsular.
Valor terapêutico: A raiz, emêtica, é recomendada contra as disenterias e a gota.
Afirma-se que a ipecacuanha-branca-de-caiena pode substituir a
ipeca-verdadeira.


IPECACUANHA ESTRIADA (Psychotria emetica, Uragoga emetica, Cephaelis emetica)

572 IPECACUANHA ESTRIADA (Psychotria emetica, Uragoga emetica, Cephaelis emetica)
Família: Rubiáceas.
Sinonímia: Ipecacuanha-estriada-maior, ipecacuanha-preta.
Características: Planta herbácea.
Variedade de poaia.
Valor terapêutico: Tem as mesmas aplicações da ipecacuanha-ver-dadeira.



terça-feira, 19 de janeiro de 2016

IPECACUANHA BRANCA DA PRAIA (Viola littoralis) contra epilepsia

IPECACUANHA BRANCA DA PRAIA (Viola littoralis) contra epilepsia

570 IPECACUANHA BRANCA DA PRAIA (Viola littoralis)
Família: Violáceas.
Sinonímia: Poaia-da-praia, purga-da-praia, poaia-branca.
Características: Erva pilosa.
Raiz estriada ou enrugada.
Folhas ovais, desbotadas.
Flores brancas, manchadas.
Fruto capsular.
Habitat: Muito comum na costa do Brasil.
Valor terapêutico: A raiz é recomendada nos casos de diabetes,
disenteria, epilepsia, catarros da bexiga.



segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

IPECACUANHA BRANCA como purgativa

IPECACUANHA BRANCA como purgativa

569 IPECACUANHA BRANCA (Solea campestris)
Família: Bignoniáceas.
Sinonímia: Ipecacuanha do-campo.
Características: Planta herbácea, de uns 25 cm de altura, tomen-tosa.
Folhas lanceoladas, denteadas, alternas.
Flores brancas, nas axilas das folhas.
Habitat: Encontra-se à beira dos caminhos, nos lugares incultos, no mato, etc., em muitos Estados.
Valor terapêutico: É uma planta reputada como purgativa, depurativa e emenagoga.



domingo, 17 de janeiro de 2016

IPÊ-BATATA contra a litíase vesical.

IPÊ-BATATA contra a litíase vesical.

568 IPÊ-BATATA (Tecoma leucantha, Bignonia leucantha, Sparat-tosperma vemicosum)
Família: Bignoniãceas.
Sinonímia: Caroba branca, caroba de-flor-branca, cinco-chagas, cinco-folhas, ipê-bóia, ipê-branco.
Característica: Árvore.
Valor terapêutico: O decocto das falhas é eupéptico, diurético,
depurativo e útil contra a litíase vesical.



sábado, 16 de janeiro de 2016

INHAME ROXO (Dioscorea heptaneura) para combater os dartros.

INHAME ROXO (Dioscorea heptaneura) para combater os dartros.

566 INHAME ROXO (Dioscorea heptaneura)
Família: Dioscoreáceas.
Características: É uma planta trepadeira, roxa por fora e por dentro,
dotada de folhas trilobadas.
Valor terapêutico: Emprega-se para combater os dartros.
Parte usada: Toda a planta.
Dose: 20 gramas para 1 litro de água; 4 a 5 xícaras por dia.
(Dartro: Nome genérico das crostas ou das esfoliações produzidas por diversas doenças da pele:
acne, eczema, urticária, impetigem etc.)


INHAME-TAIOBA (Colocasia antiquorum, var. esculenta)

567 INHAME-TAIOBA (Colocasia antiquorum, var. esculenta)
Família: Aráceas.
Características: Planta herbácea.
Folhas grandes, verde-claras, jaspeadas de verde-escuro.
Rizoma e folhas comestíveis.
Valor terapêutico: "O uso habitual dos tubérculos de dioscóreas e de colocásias, mal descascados e pouco cozidos, passa por melhorar
muito o estado dos doentes de lepra tuberculosa." Paul Le Cointe, Árvores e Plantas Úteis, pág. 223.




sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

INHAME-BRANCO (Dioscorea dodecaneura) anti-diabética e cárdio-tônica

INHAME-BRANCO (Dioscorea dodecaneura) anti-diabética e cárdio-tônica

565 INHAME-BRANCO (Dioscorea dodecaneura)
Família: Dioscoreáceas.
Sinonímia: Cará-barbado.
Características: Erva trepadeira, de vergôntea fina.
Folhas alternas, lustrosas, cordiformes, alongadas.
Flores pequeníssimas.
Valor terapêutico: As batatas costumam ser empregadas como
anti-diabéticas e cárdio-tônicas, sendo também recomendadas para as afecções da pele e reumatismo.
Parte usada: Batata,
Dose: 20 gramas para 1 litro de água; 4 a 5 xícaras por dia.



quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

INHAME-BRANCO (Colocasia antiquorum, var. typica)

INHAME-BRANCO (Colocasia antiquorum, var. typica)

564 INHAME-BRANCO (Colocasia antiquorum, var. typica)
Família: Aráceas.
Sinonímia: Inhame-da-costa, taro.
Outro idioma: Turmero (Venezuela).
Características: Planta herbácea.
Folhas grandes.
Pecíolo e bainha coloridos de vermelho ou roxo.
Rizoma e folhas comestíveis.
Valor terapêutico: Ver observação feita sobre o inhame-taioba.



quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

INGÁ (Inga edulis) contra a diarréia.

INGÁ (Inga edulis) contra a diarréia.

563 INGÁ (Inga edulis)
Família: Mimosáceas.
Sinonímia: Ingá-de-comer, ingá-água-de-flor, ingá-cipó, abaremo, abaremotemo.
Característica: Árvore.
Valor terapêutico: A casca, em decocção, é utilizada no curativo das feridas velhas.
O mesmo decocto, em clisteres, ê empregado contra a diarréia.



terça-feira, 12 de janeiro de 2016

IMBIRI (Canna angustifolia, Canna glauca) Inflamação do ouvido.

IMBIRI (Canna angustifolia, Canna glauca) Inflamação do ouvido.

562 IMBIRI (Canna angustifolia, Canna glauca)
Família: Canáceas.
Sinonímia: Albará, coquilho (Marajó), erva-dos feridos, bananeira-do-mato, caeté-imbiri, maracà, muru.
Características: Há muitas variedades de imbiris. É uma planta herbácea ornamental.
Haste erecta, cilíndrica, de mais ou menos dois metros de altura.
Rizoma longo, dotado de muitas radículas.
Folhas alternas, invaginantes, lanceoladas, de 50 cm/13 cm.
Flores amarelas, cuja corola é dotada de perianto duplo.
Habitat: Nos lugares úmidos.
Valor terapêutico: O rizoma é diurético.
As folhas frescas aplicam-se, socadas, sobre feridas, úlceras, queimaduras e lugares vesicados.
O suco da planta emprega-se, exteriormente, nas otites. (Inflamação do ouvido.)
Parte usada: Toda a planta.



segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

IMBÉ (Arum usum) para curar feridas velhas

IMBÉ (Arum usum) para curar feridas velhas

560 IMBÉ (Arum usum)
Família: Aráceas.
Sinonímia: Imbé-de-amarrar.
Característica: Cipó.
Valor terapêutico: As folhas são usadas para curar feridas velhas.
A raiz é purgativa.
Emprega-se na hidropisia.


IMBÉ DE COMER (Arum edule)

561 IMBÉ DE COMER (Arum edule)
Família: Aráceas.
Sinonímia: Fruta-de-imbé.
Características: Trepadeira parasitária.
Folhas grandes, cordifor-mes, oblongas.
Fruto cônico, de 12 cm de comprimento, cheio de grãozinhos amarelos.
Valor terapêutico: É uma planta drástica, recomendada contra a hidropisia.
Parte usada: Raiz.



domingo, 10 de janeiro de 2016

HORTÊNSIA A raiz tem aplicação nas afecções da vesícula.

HORTÊNSIA A raiz tem aplicação nas afecções da vesícula.

559 HORTÊNSIA (Hydrangea hortensia)
Família: Saxifragáceas.
Sinonímia: Hidranja, novelos.
Características: Planta de jardim.
Flores azuis, róseas, brancas, em grandes corimbos.
Valor terapêutico: A raiz tem aplicação nas afecções vesicais.




sábado, 9 de janeiro de 2016

HORTELÃ BRAVA (Hyptis atrorubens) anti-espasmódica.

HORTELÃ BRAVA (Hyptis atrorubens) anti-espasmódica.

557 HORTELÃ BRAVA (Hyptis atrorubens)
Família: Labiadas.
Características: Planta herbácea, rasteira.
Habitat: À beira das estradas e em terrenos abandonados.
Valor terapêutico:
O infuso das folhas e das sumidades floridas é sudorífico, béquico,
anti-espasmódico.


HORTELÃ-DO-CAMPO contra o reumatismo.

558 HORTELÃ-DO-CAMPO (Marsupianthes hyptoides, Mentha crispa)
Família: Labiadas.
Sinonímia: Hortelã-de-cheiro, hortelã-cheirosa, hortelã-da-horta, hortelã-de-tempero, hortelã-do-brasil.
Outros idiomas: Paracari (Argentina), Menthe Crépue (França).
Características: Planta herbácea, rasteira, em touceiras.
Caule quadrangular.
Folhas crespas, redondas, opostas, cheirosas.
Flores miúdas, insignificantes, parecidas com as do manjericão.
Valor terapêutico: O infuso é cordial, eupêptico, esurino, carmi-nativo, antiasmático.
O suco diluído em água é vermífugo e emena-gogo.
Internamente, em chás, e externamente, em banhos, esta hortelã é recomendada
contra o reumatismo.




sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

HORTELÃ (Mentha piperita) antiespasmódicas, estomáquicas, tônicas

HORTELÃ (Mentha piperita) antiespasmódicas, estomáquicas, tônicas

556 HORTELÃ (Mentha piperita)
Família: Labiadas.
Sinonímia: Hortelã-pimenta, menta.
Outros idiomas: Menthe (Guiana Francesa), Peppermint (Estados Unidos), Pfeffermuenze (Alemanha), Menta (países de fala castelhana).
Características: Planta herbácea, ligeiramente aveludada.
Haste erecta, quadrangular, avermelhada, ramosa.
Ramos erectos e opostos.
Folhas opostas, curtamente pecioladas, oval-alongadas, lanceoladas ou acuminadas, serreadas, algo pubescentes.
Flores violáceas, numerosas, curtamente pedunculadas, reunidas em verticilos separados.
Habitat: Cultivada em toda parte.
Valor terapêutico:
Na hortelã estão reunidas, em elevado grau, as propriedades antiespasmódicas, carminativas, estomáquicas, estimulantes, tônicas, etc.
Prescreve-se a hortelã como remédio na atonia das vias digestivas, flatulências, timpanite (especialmente a de causa nervosa), cálculos biliares, icterícia, palpitações, tremedeiras, vômitos (por nervosida-de), cólicas uterinas, dismenorréia, prostatite.
E um medicamento eficaz contra os catarros das mucosas, já porque favorece a expectoração, já porque combate a formação de novas matérias a expulsar.
Bom remédio contra a laringite.
Aplica-se o sumo embebido em algodão para acalmar as dores de dente.
As crianças que têm vermes intestinais, administra-se um chá de hortelã, para libertá-las dos parasitas que as atormentam.
As mães que amamentam devem tomar este chá, para aumentar a secreção de leite.
Há também outras espécies de hortelãs (Mentha viridis, Mentha crispa, etc.)
cujas propriedades medicinais são idênticas às da Mentha piperita.
Partes usadas: Folhas e sumidades floridas, por infusão.
Dose: Folhas, normal; flores, 10 gramas para 1 litro de água; 4 a 5 xícaras por dia.




quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

HERA (Hedera helix) contra as neurites e nevralgias.

HERA (Hedera helix) contra as neurites e nevralgias.

554 HERA (Hedera helix)
Família: Araliáceas.
Sinonímia: Hera-européia.
Outros idiomas: Lierre (França), Hiedra, Hiedra trepadora (países de fala castelhana), Ivy (Inglaterra; Estados Unidos), Efeu (Alemanha), Edera (Itália).
Características: Arbusto trepador.
Folhas coriáceas, alternas, trilo-badas ou quinquelobadas.
Estende-se rasteiro pelo chão ou sobe pelos muros e pelas paredes mais abruptas, bem como às árvores mais elevadas, o que lhe é possível graças às suas numerosas raízes adven-tícias.
Valor terapêutico: Diante do perigo de intoxicação, não se recomenda o uso interno dessa planta.
Externamente, emprega-se o decocto das folhas para cicatrizar feridas,
segundo o Dr. Pio F. Quer.
O Dr. Leclerc aconselha o decocto das folhas miúdas e picadas,
em cataplasmas, contra as neurites e nevralgias.
As folhas frescas, aplicadas topicamente, acalmam a dor nos casos de queimaduras.
Para remover calos, procede se assim:
Põem-se uma folha de molho, num copo de vinagre do mais forte, durante 24 horas.
Corta se em pedacinhos, aplica-se sobre o calo e fixa-se com gase e espara-drapo.



HERA-TERRESTRE (Nepeta glechoma, Glechoma hederacea, Calamenta hederacea)

555 HERA-TERRESTRE (Nepeta glechoma, Glechoma hederacea, Calamenta hederacea)
Família.
Labiadas.
Características: Planta herbácea de 10 a 30 cm.
Haste rasteira, emitindo diversos ramos, uns erectos e floridos, outros prostados.
Folhas opostas, pecioladas, cordiformes, arredondadas, obtusas, crena-das, moles, mais ou menos aveludadas.
Flores violáceas, por vezes róseas ou mesmo esbranquiçadas, pedunculadas, encontrando-se em número de 2 ou 3 nas axilas de quase todas as folhas.
Valor terapêutico: Esta planta exerce ação tônica, excitante e an-tiespasmódica sobre os órgãos respiratórios e digestivos.
É, por conseguinte, um agente anticatarral, béquico, estomáquico.
Emprega-se este vegetal nas afecções catarrais das mucosas, principalmente nas das vias respiratórias.
O mesmo facilita a expectoração e combate as secreções mórbidas do catarro.
A hera-terrestre é, outrossim, diurética e desobstruente do fígado.
Exteriormente, aplica-se o chá da infusão ou decocção, em forma de catáplasma, sobre as úlceras.
Age como resolutivo.
Parte usada: A planta florida.
Dose: 20 gramas para 1 litro de água; 4 a 5 xícaras por dia.




quarta-feira, 6 de janeiro de 2016

GUITI-COROIA (Moquilea rufa) para curar a disenteria.

GUITI-COROIA (Moquilea rufa) para curar a disenteria.

553 GUITI-COROIA (Moquilea rufa)
Família: Rosáceas.
Sinonímia: Oite-coroia, oiti-coró, oiti-curube, paiurá, pajurá.
Características: Árvore grande.
Ramos novos revestidos de pêlos sedosos, amarelos.
Folhas pubescentes.
Fruto grande, arredondado ou alongado, comestível.
Habitat: Estados do Norte, especialmente Amazonas.
Valor terapêutico: As sementes, secas e raladas,
são úteis para curar a disenteria.



terça-feira, 5 de janeiro de 2016

GUINA (Portlandia exandra, Coutarea speciosa) é adstringente e vulnerário.

GUINA (Portlandia exandra, Coutarea speciosa) é adstringente e vulnerário.

552 GUINA (Portlandia exandra, Coutarea speciosa)
Família: Rubiáceas.
Características: Árvore.
Lindas flores aromáticas.
Fruto: cápsula.
Habitat: Amazônia.
Valor terapêutico: O decocto da casca é adstringente e vulnerário.



segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

GUAXÍMA nas afecções das vias respiratórias.

GUAXÍMA nas afecções das vias respiratórias.

551 GUAXÍMA (Sida rhombifolia, Sida canariensis)
Família: Malváceas.
Sinonímia: Relógio, tupitixá, vassoura, vassourinha, zanzo.
Características: Planta herbácea ou arbustiva.
Caule esverdeado, arroxeado ou escuro.
Folhas oblongas, lanceoladas, denteadas, alternas.
Flores amarelas, isoladas, longipecioladas, nas axilas das folhas.
Valor terapêutico: O infuso das folhas é empregado
nas afecções das vias respiratórias.
As folhas também se aplicam como emolientes e supurativas.



domingo, 3 de janeiro de 2016

GUARANÁ refrigerante, tônico e calmante para o coração.

GUARANÁ refrigerante, tônico e calmante para o coração.

550 GUARANÁ (Paullinia cupana)
Família: Sapindáceas.
Sinonímia: Naranazeiro, uaraná.
Características: Arbusto sarmentoso.
Atinge 12 metros de altura, prendendo-se às árvores vizinhas.
Folhas alternas, imparipenadas, contendo 5 folíolos oval-lanceolados.
Não tem gavinhas nos ramos.
Flores em cachos axilares, providas de um apêndice em forma de capuz.
Fruto: cápsula piriforme, vermelho-escura, de 35 milímetros, tri-locular, contendo cada lóculo uma semente ovóide.
Há outra variedade de guaraná, o Cupana sorbilis.
Tem numerosas gavinhas e frutos quase esféricos, de 15 a 18 milímetros.
Valor terapêutico: Dadas as suas propriedades adstringentes,
o guaraná é empregado nas diarréias, disenterias e hemorragias.
É igualmente recomendado contra a arteriosclerose, as nevralgias e as enxaquecas.
Usa-se também contra a dispepsia.
Tem, além disso, aplicação como refrigerante, tônico e calmante para o coração.
Parte usada: Sementes, em pó.
Dose: 20 gramas para um litro de água; 4 a 5 xícaras por dia.



sábado, 2 de janeiro de 2016

GUAPURANGA (Marliera tomentosa) contra a diarréia

GUAPURANGA (Marliera tomentosa) contra a diarréia

549 GUAPURANGA (Marliera tomentosa)
Família: Mirtáceas.
Sinonímia: Cuaparonga, guaporonga, guapuranga, vapuronga.
Características: Lindo arbusto tomentoso.
Folhas elípticas, algo âcuminadas, pubescentes quando novas.
Fruto roxo-negro, doce, comestível.
Habitat: Vegeta em S. Paulo e outros Estados.
Valor terapêutico: Usa-se, como adstringente, contra a diarréia,
a disenteria e outras afecções.



sexta-feira, 1 de janeiro de 2016

GUAPUÍ (Martinella obovata) nas conjuntivites catarrais

GUAPUÍ (Martinella obovata) nas conjuntivites catarrais

548 GUAPUÍ (Martinella obovata)
Família: Bignoniáceas.
Sinonímia: Cuapuí-cipó.
Característica: Cipó-arbusto.
Habitat: Nas baixadas de terra firme, na Amazônia.
Valor terapêutico: O suco da raiz ê empregado nas
conjuntivites catarrais e nas moléstias sifilíticas.