segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

JUTAÍ-DO-CAMPO (Hymenaea parvifolia)

JUTAÍ-DO-CAMPO (Hymenaea parvifolia)

618 JUTAÍ-DO-CAMPO (Hymenaea parvifolia)
Família: Leguminosas-cesalpiniáceas.
Sinonímia: Jutaí-pororoca, jutaí-pequeno, comer-de-arara.
Característica: Árvore grande.
Habitat: Na mata da terra firme, em solo arenoso, seco.
Valor terapêutico: O jutaí-do-campo tem as mesmas aplicações que o jutaí-açu,
aqui denominado jatobá.



domingo, 28 de fevereiro de 2016

JURUMBEBA (Opuntia brasiliensis) acalmam as dores ciáticas.

JURUMBEBA (Opuntia brasiliensis) acalmam as dores ciáticas.

617 JURUMBEBA (Opuntia brasiliensis)
Família: Cactáceas.
Sinonímia: Opúncia-do-brasil.
Características: Cactácea arborescente.
Tronco coberto de fascí-culos de espinhos amarelos e flores amarelo-avermelhadas. O fruto, assado, é comestível.
Usa-se esta espécie para fazer cercas.
Habitat: Rio de Janeiro e outros Estados.
Valor terapêutico: O fruto, em xaropes, é usado nas afecções pulmonares.
Externamente usa-se o fruto como maturativo para abreviar a supuração.
O fruto e as flores, em cataplasmas, acalmam as dores ciáticas.
A raiz é antipirética.



sábado, 27 de fevereiro de 2016

JURUBEBA (Solanum paniculatum, Solanum belfort)

JURUBEBA (Solanum paniculatum, Solanum belfort)

616 JURUBEBA (Solanum paniculatum, Solanum belfort)
Família: Solanáceas.
Sinonímia: Jubeba, juribeba, jupeba, jurubeba-verdadeira, jurupe-ba-altera, jurubebinha.
Características: Arbusto de caule e ramos espinhosos.
Folhas si-nuadas, tomentosas, verde-escuras na face superior, verde-claras na face inferior, apresentando espinhos no pecíolo e nervura mediana mui saliente.
Flores de cor lilás.
Inflorescência em panículas.
Fruto: baga esférica, amarelada. Dá em cachos.
Valor terapêutico: É bom alterante, diurético, antiperiódico, de-sobstruente, tônico.
Emprega-se, com bons resultados, para combater a icterícia e a inflamação do baço.
Suco dos frutos.
É também um poderoso remédio contra o catarro da bexiga e a clorose.
Suco dos frutos.
Externamente empregam-se as folhas machucadas sobre as úlceras.
É igualmente de grande valor nas dispepsias atônicas e nas diabetes.
Raiz.
No ingurgitamento (enfartamento ou obstrução) do fígado age poderosamente como desobstruente.
Folhas, frutos, e, especialmente, a raiz.
Tem aplicação, com bons efeitos, nos abscessos internos, nos tumores (especialmente do útero e do abdômen), etc.
Folhas, fruto e raiz.
Nas hidropisias tem muita utilidade.
Folhas e raiz.
Na falta de transpiração, prepara-se um chá da raiz.
Para as febres intermitentes, as folhas representam um bom remédio.
Partes usadas: Folhas, fruto, raiz.
Dose: 20 gramas para 1 litro de água; 4 a 5 xícaras por dia.




sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

JUREMA (Acacia jurema) para curar úlceras

JUREMA (Acacia jurema) para curar úlceras

615 JUREMA (Acacia jurema)
Família: Leguminosas-mimosáceas.
Sinonímia: Jurema-preta, jerema, gerema.
Característica: Árvore originária do Brasil.
Habitat: Nas caatingas e nos sertões.
Valor terapêutico: Usa-se a casca para curar úlceras, cancros,
flegmões e erisipelas.



quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

JUQUIRI (Mimosa brasiliensis) para curar escrófulas e hérnias.

JUQUIRI (Mimosa brasiliensis) para curar escrófulas e hérnias.

613 JUQUIRI (Mimosa brasiliensis)
Família: Leguminosas-mimosáceas.
Característica: Arbusto que se assemelha à esponjeira.
Habitat: Vegeta perto dos rios e nos lugares pantanosos.
Valor terapêutico: As folhas amassadas e misturadas com azeite sâo usadas
para curar escrófulas e hérnias.


JUQUIRIONANO (Guilandina bonduc)

614 JUQUIRIONANO (Guilandina bonduc)
Família: Leguminosas.
Sinonímia: Inimboja, silva-da-praia.
Característica: Arbusto espinhoso.
Valor terapêutico: As folhas, em cataplasmas, tem aplicação nas orquites.
O pó das sementes contém propriedades febrífugas.



quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

JUQUEIRAÇU (Adenanthera thyrsosa) Emprega-se nos corrimentos

JUQUEIRAÇU (Adenanthera thyrsosa) Emprega-se nos corrimentos

612 JUQUEIRAÇU (Adenanthera thyrsosa)
Família: Leguminosas.
Características: Árvore.
Folhas compostas.
Folíolos pequenos.
Fruto: Vagem comprida.
Habitat: É comum no Pará.
Valor terapêutico: Emprega-se nos corrimentos (blenorragia, leucorréia,
otorréia, rinorréia, etc.).



terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

JUPICAÍ (Xiris laxifolia)

JUPICAÍ (Xiris laxifolia)

611 JUPICAÍ (Xiris laxifolia)
Família: Xiridáceas.
Sinonímia: Botão-de-ouro, erva-de-impigem.
Características: Planta herbácea.
Folhas lineares.
Flores abundantes, em panículas, na extremidade de uma haste.
Habitat: Nos lugares úmidos.
Valor terapêutico: Aplica-se a seiva do japicaí contra eczemas,
impigens e dartros.



segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

JUNQUEIRA (Cressa anti-syphilitica) nas afecções venéreas

JUNQUEIRA (Cressa anti-syphilitica) nas afecções venéreas

610 JUNQUEIRA (Cressa anti-syphilitica)
Família: Convolvuláceas.
Características: Erva rasteira, cujas ramas lançam radícuias de distância em distância.
Flores brancas.
Fruto: cápsula ovóide.
Habitat: É planta conhecida em Pernambuco.
Valor terapêutico: Tem aplicação nas afecções venéreas, na blenorragia,
nos corrimentos.



domingo, 21 de fevereiro de 2016

JUNÇA (Cyperus esculentus) para congestão dos rins.

JUNÇA (Cyperus esculentus) para congestão dos rins.

608 JUNÇA (Cyperus esculentus)
Família: Ciperáceas.
Outros idiomas: Peonia dei Pais, Tolpatle, Tulillo, Juncia (México).
Sinonímia: Chufa.
Características: Planta herbácea, que se compõe de uma vergôn-tea verde, lustrosa, fistulosa, cilíndrica, a qual se eleva verticalmente sobre o solo.
O rizoma, que tem sabor de amêndoa, fornece um óleo essencial, sendo essa planta, por isso, cultivada em certas regiões.
Habitat: Medra nas proximidades dos rios, nos Estados do Nordeste.
Valor terapêutico: Como carminativa, tem indicação nas dores produzidas por ventosidades.
É também sudorífica e diurética.
Usa-se nos casos de congestão dos rins.
Parte usada: Raiz.


JUNCO-MIÚDO (Cyperus gracilescens)

609 JUNCO-MIÚDO (Cyperus gracilescens)
Família: Ciperáceas.
Sinonímia: Junco-pequeno, capiscaba-mirim, tiririca.
Características: Planta herbácea, de rizomas comestíveis.
Valor terapêutico: Os rizomas são analépticos.



sábado, 20 de fevereiro de 2016

JUMBEBA (Peireskia bleo) espectorante

JUMBEBA (Peireskia bleo) espectorante

607 JUMBEBA (Peireskia bleo)
Família: Cactáceas.
Características: Cactácea de caule cilíndrico, dotado de aréolas cotonosas, com fascículos de espinhos.
Folhas alongadas, agudas de ambos os lados.
Flores róseas, terminais.
Fruto grande, piriforme, ligeiramente anguloso, amarelo. O Cactus opuntia também é conhecido pelo mesmo nome de jumbeba.
Valor terapêutico: O fruto contém virtudes espectorantes e anti-sifilíticas.



sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

JUCIRI (Solanum oleraceum, Solanum juceri) cicatrização

JUCIRI (Solanum oleraceum, Solanum juceri) cicatrização

606 JUCIRI (Solanum oleraceum, Solanum juceri, Solanum alternato pinnacum, Solanum glaucescens)
Família: Solanáceas.
Sinonímia: Juquiri, jequiriúba, juciri-de-fruto-espinhoso, jaquirio-ba, juquerioba, aguaraquiá.
Características: Planta herbácea.
Haste rasteira, cilíndrica, algo lenhosa.
Ramos superiores recobertos de espinhos curtos e curvos.
Folhas alternas, imparipenadas.
Inflorescência ramosa.
Fruto: baga esférica, bilocular.
Habitat: Nos lugares úmidos e nas praias.
Valor terapêutico: Empregam-se as flores sobre feridas,
para apressar a cicatrização.
Também se aplicam sobre as rachas dos bicos dos seios das mulheres lactantes.



quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

JUCÁ (Caesalpinia ferrea) no tratamento das diabetes.

JUCÁ (Caesalpinia ferrea) no tratamento das diabetes.

605 JUCÁ (Caesalpinia ferrea)
Família: Leguminosas-cesalpiniáceas.
Sinonímia: jucaína, pau-ferro (Ceará).
Características: Árvore média.
Madeira muito dura, difícil de ser tfabalhada.
Lenho roxo ou castanho.
Cerne quase preto, maculado por manchas amarelas muito finas.
Fibras finas e arrevesadâs.
Folhas verdes, ovais, dispostas em palmas.
Flores em cachos piramidais.
Habitat: Comum nos sertões do Norte e Nordeste.
Valor terapêutico:
É uma planta muito usada na medicina doméstica, em virtude de prestar
ótimos serviços no tratamento das diabetes.
É de grande utilidade nos casos de enterocolite e diarréia, combatendo as putrefações intestinais, e recomendada nas afecções bronco-pulmonares.
Partes usadas: Casca e raiz, em decocção.
Dose: 20 gramas em 1 litro de água;
tomam-se umas quatro xícaras por dia, ou, conforme a gravidade do caso, um gole de hora em hora.



quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

JUAZEIRO (Zizyphus joazeiro) nas febres intermitentes.

JUAZEIRO (Zizyphus joazeiro) nas febres intermitentes.

604 JUAZEIRO (Zizyphus joazeiro)
Família: Ramnáceas.
Sinonímia: Juá, enjuá.
Características: Árvore alta, bonita, espinhosa.
Esgalha-se desde o solo.
Produz sombra em abundância para o homem e para os animais.
Conserva-se verde através das secas.
Folhas elípticas, lustrosas, coriáceas.
Flores axilares, em pequenos ramalhetes, semelhantes a estrelinhas amarelo-esverdinhadas.
Fruto globuloso, com pedúnculo orlado; é parecido com a pitomba, porém, bem menor; branco por dentro; doce; contém uma semente dura, que se biparte.
Habitat: Muito comum nos sertões do Ceará.
Valor terapêutico: O juazeiro tem emprego nas febres intermitentes.
Parte usada: Casca, em decocção.
Dose: 20 gramas para 1 litro de água; 4 a 5 xícaras por dia.




terça-feira, 16 de fevereiro de 2016

JITÓ (Guarea trichilioides) contra os tumores artríticos

JITÓ (Guarea trichilioides) contra os tumores artríticos

603 JITÓ (Guarea trichilioides)
Família: Meliáceas.
Sinonímia: Guarea, camboatá (no Sul), cedrorana (Óbidos), cedro-branco, carrapeta (Rio de Janeiro), bilreiro, marinheiro, jatuaúba-branca (Belém).
Outro idioma: Guaré, Bois Baile (Guiana Francesa).
Características: Bela árvore, semelhante à triquilia.
Folhas compostas, semelhantes às do cafeeiro, com os folíolos oval-oblongos.
Flores em racemos, pequenas, brancas, com manchas amarelas.
Frutos piriformes, também semelhantes aos do cafeeiro.
Habitat: Na mata de terra firme e nas várzeas argilosas.
Valor terapêutico: A casca e a raiz são vomitivas, drásticas, abor-tivas, e tóxicas em alta dose.
Os sertanejos as usam, em decocção, contra a gota, a hidropisia e a sífilis.
Exteriormente usa-se o cozimento da casca e da raiz, em banhos,
contra os tumores artríticos (50:1000) e contra a conjuntivite (20: 1000).



segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

JIPOOCA (Entada polyphylla) para combater a caspa.

JIPOOCA (Entada polyphylla) para combater a caspa.

602 JIPOOCA (Entada polyphylla)
Família: Leguminosas-mimosáceas.
Sinonímia: jjipioca.
Características: Cipó grande.
Habitat: Em terrenos de várzea, na Amazônia.
Valor terapêutico: A raiz, introduzida na água, forma espuma.
Usa-se, em lavagens da cabeça, para combater a caspa.



domingo, 14 de fevereiro de 2016

JEQUITIBÁ para as inflamações das mucosas.

JEQUITIBÁ para as inflamações das mucosas.

601 JEQUITIBÁ (Cariniana brasiliensis, Couratari legalis, Pyxidaria macrocarpa)
Família: Lecitidáceas.
Sinonímia: Jecuiba.
Características: Árvore muito alta, chegando a atingir 40 metros.
Cerne vermelho-rosado.
Valor terapêutico: Pica-se a casca com a qual se prepara um chá.
Coa-se e aplica-se, quente, à noite, em lavagens vaginais,
nos casos de flores-brancas, metrites, e outras doenças do útero e dos ovários.
Nas afecções da boca, inflamação da garganta, amigdalites, anginas, faringites,
fazem-se gargarejos com o mesmo chá, quente.
A casca do jequitibá é um poderoso adstrigente e tem grande poder desinfetante,
sendo por isso recomendado para as inflamações das mucosas.
Parte usada: Casca, em decocção.
Dose: 15 gramas para 1 litro de água.



sábado, 13 de fevereiro de 2016

JENIPARANA boa para as afecções do fígado.

JENIPARANA boa para as afecções do fígado.

600 JENIPARANA (Gustavia augusta)
Família: Lecitidáceas.
Sinonímia: Jandiparana, janiparandiba, janiparindiba, japanduba, japuaranduba, jenipaporana, pau-fedorento.
Outro idioma: Bois puant (Guiana Francesa).
Características: Árvore vulgar no Brasil.
Folhas grandes.
Flores grandes, lindas, brancas e róseas, aromáticas.
Fruto semelhante a uma sapucaia pequena. A madeira úmida, queimada, exala um cheiro fétido.
Habitat: Nos igapós.
Valor terapêutico: As folhas são resolutivas e descongestionantes.
Usam-se, em cataplasmas, sobre o fígado, em caso de icterícia.
A raiz, além de laxativa, é boa para as afecções do fígado.
O fruto é emético.



sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

JENIPAPO (Genipa americana) As sementes têm efeito vomitivo rápido e enérgico.

JENIPAPO (Genipa americana) As sementes têm efeito vomitivo rápido e enérgico.

599 JENIPAPO (Genipa americana)
Família: Rubiáceas.
Sinonímia: Jenipá.
Características: Árvore média, linda.
Folhas largas.
Flores amarelas (floresce em novembro).
Fruto: baga do tamanho de uma laranja, algo alongada, pardo-amarelada,
com a polpa esponjosa, suculenta, agridoce, comestível.
Habitat: Nos terrenos argilosos das várzeas.
Valor terapêutico: A raiz é purgativa. A casca, em banhos, é usada para tratar
úlceras. O suco do fruto maduro é indicado contra a enterite crônica e a
hidropisia. É diurético.
As sementes piladas (5 a 10 sementes para uma xícara d'água), em emulsão,
têm efeito vomitivo rápido e enérgico.



quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

JATUAÚBA-PRETA propriedades adstringentes e vulnerárias.

JATUAÚBA-PRETA propriedades adstringentes e vulnerárias.

597 JATUAÚBA-PRETA (Guarea t. síulata)
Família: Meliáceas.
Características: Árvore média, frondosa.
Valor terapêutico: A casca do tronco, .amarga, é adstringente.
A jatuaúba-branca figura sob o nome de "jitó".
Família: Leguminosas-cesalpiniáceas.
Sinonímia: Jebara, jebaro, iebaro, copaubarana.
Característica: Árvore.
Valor terapêutico: Encerra propriedades adstringentes e vulnerárias.



quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

JATOBÁ (Hymenaea coubaril) no tratamento da blenorragia.

JATOBÁ (Hymenaea coubaril) no tratamento da blenorragia.

596 JATOBÁ (Hymenaea coubaril)
Família: Leguminosas-cesalpiniáceas.
Sinonímia: Jatai (Sul), Jataí-açu (Óbidos), jutaí-açu, jutaici, jataí-ba, aboti-timbaí.
Outros idiomas: Cacachien, Simiri, Courbarií (Guiana Francesa), Locust-tree (Estados Unidos), Algarroba (Venezuela).
Características: Árvore grande, copada.
Folhas alternas, peciola-das, compostas de dois folíolos ovais, lanceolados.
Flores miúdas.
Inflorescência panicular.
Fruto: vagem de aproximadamente 24 cm de comprimento, contendo 4 a 5 sementes. A polpa do fruto é seca, fa-rinhosa, adocicada, enjoativa, porém comestível.
O jatobá dá uma resina, a jutaicida, ou copai da América, que se emprega na fabricação de vernizes
Habitat: Na mata de terra firme, em solo argiloso.
Valor terapêutico: A casca preparada por decocção, e a resina que se obtém fazendo um corte no tronco, são adstringentes, peitorais, vermífugos, estomáquicos.
Para a cistite, aguda ou crônica, o chá que se obtém pelo cozimento da casca (20:1000) é um bom remédio.
Para a prostatite também é um grande medicamento.
Emprega-se igualmente no tratamento da blenorragia.
A seiva, que se obtém perfurando o tronco na base, é utilizada nos casos de
cistite aguda ou crônica, disúria, anúria, prostatite, blenorragia, e, misturada com mel (uma colher de duas em duas horas), presta bons serviços como remédio contra a bronquite.
A seiva é, além disso, tônica e aperiente.
Em caso de dores várias aplica-se a resina em forma de ungüento (para fomentação) ou emplastro sobre as partes doloridas.
A resina em mistura com mel, ou a casca, em decocção, combate a tosse eficazmente.
A resina em pó tem aplicação contra as hemoptises.
Partes usadas: Resina e casca.





terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

JASMIM FLORIDO (Gardênia florida) vermífugas e catárticas.

JASMIM FLORIDO (Gardênia florida) vermífugas e catárticas.

595 JASMIM FLORIDO (Gardênia florida)
Família: Rubiáceas.
Sinonímia: Gardênia, gardênia-dos-jardins, jasmim-do-cabo, flor-do-general.
Características: Arbusto.
Folhas oval-lanceoladas, lisas, luzentes, verde-escuras.
Flores brancas, aromáticas.
Valor terapêutico: O fruto contém qualidades vermífugas e catárticas.




segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

JASMIM DE CAIENA (Plumeria alba) depurativo e antiblenorrágico.

JASMIM DE CAIENA (Plumeria alba) depurativo e antiblenorrágico.

594 JASMIM DE CAIENA (Plumeria alba)
Família: Apocináceas.
Outro idioma: Frangipane (Martinica).
Características: Árvore pequena.
Flores brancas, grandes, aromáticas.
Valor terapêutico: A casca da raiz atua como drástico,
depurativo e antiblenorrágico.
As flores, em xarope, são peitorais.



domingo, 7 de fevereiro de 2016

JARARACA para limpar feridas velhas.

JARARACA para limpar feridas velhas.

593 JARARACA (Dracontium polyphyllum, Arum dracunculum)
Família: Aráceas.
Sinonímia: Jararaca-mirim, jiraca, jarro-manchado.
Características: Planta herbácea.
As flores exalam cheiro de carne putrefata.
Valor terapêutico: O decocto da raiz é bom para limpar feridas velhas.




sábado, 6 de fevereiro de 2016

JARAMACARU (Cereus giganteus) contra as afecções pulmonares.

JARAMACARU (Cereus giganteus) contra as afecções pulmonares.

592 JARAMACARU (Cereus giganteus)
Família: Cactáceas.
Sinonímia: Urumbeba (Mato Grosso), Jamacaru, Mandacaru (Ceará).
Características: Planta que atinge até 15 metros de altura.
Tronco ramificado em forma de candelabro.
Habitat: Em terrenos secos ou rochosos.
Valor terapêutico: O decocto desta cactácea é refrigerante:
emprega-se nas febres gástricas e biliosas.
O suco desta planta, em xarope, ê eficaz contra as afecções pulmonares.
A massa do caule é emoliente: aplica-se, quente, nos abscessos.
Usa-se, também, para curar úlceras.
A tintura das flores ê famosa por suas virtudes diuréticas e cardio-tônicas.
O suco do fruto é utilizado para combater o escorbuto.



sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

JAPECANGA (Smilax japecanga) muito usado na sífilis

JAPECANGA (Smilax japecanga) muito usado na sífilis

591 JAPECANGA (Smilax japecanga)
Família: Liliáceas.
Sinonímia: Japecanga-verdadeira.
Características: Planta trepadeira.
Raízes em tubérculos.
Caule
perfeitamente cilíndrico, dotado de alguns espinhos.
Folhas biseriadas, cujas nervuras longitudinais são ligadas
entre si por nervuras reticuladas.
Flores pequenas, em umbelas, que nascem das axilas das folhas ou brácteas.
Fruto: baga.
Habitat: Às margens dos rios e nos lugares úmidos.
Valor terapêutico: É, antes de tudo, um depurativo eficaz, muito usado na sífilis, gota, reumatismo, moléstias da pele.
Tem, além disso, indicação como febrífugo.
Parte usada: Raiz, por decocção.
Dose: 20 gramas para 1 litro de água; 4 a 5 xícaras por dia.



quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

JAPARANDUBA (Gustavia brasiliana) contra o reumatismo.

JAPARANDUBA (Gustavia brasiliana) contra o reumatismo.

590 JAPARANDUBA (Gustavia brasiliana)
Família: Lecitidáceas.
Características: Árvore ou arbusto em forma de touceira. flexíveis.
Folhas alternas, grandes alongadas, flores grandes, carne, com ligeiras manchas rosadas, de cheiro cadavérico. cápsula obcônica.

Ramos cor de Fruto:

Habitat: Medra em quase todo o País.
Valor terapêutico: A casca é útil contra o reumatismo.



quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

JAPANA (Eupatorium ayapana)

JAPANA (Eupatorium ayapana)

589 JAPANA (Eupatorium ayapana)
Família: Compostas.
Sinonímia: lapana, ajapana, erva-santa.
Características: Arbusto pequeno.
Caule ascendente.
Ramos glabros.
Folhas opostas, lanceoladas, acuminadas, quase inteiras, gla-bras.
Flores roxas ou brancas (pois há duas variedades).
Inflorescência em corimbos.
Valor terapêutico: O infuso das folhas é um diaforético eficaz.
(Diaforético: Sudorífico, que provoca a transpiração.)
Age também como estomáquico, péptico e tônico.
Como adstringente enérgico, é últil nas diarréias e disenterias.
Em bochechos e garga-rejos, usa-se nos casos de aftas, escorbuto, gengivites, anginas.
O suco das folhas é cicatrizante das feridas.
Afirma-se que a japana roxa é mais ativa do que a branca.
Parte usada: Folhas, em infusão.
Dose: 20 gramas paral litro de água; 4 a 5 xícaras por dia.



terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

JAMBURANA têm propriedades sedativas.

JAMBURANA têm propriedades sedativas.

588 JAMBURANA (Arthante tuberculata, Piper tuberculata)
Família: Piperáceas.
Sinonímia: Bétele aromático.
Características: Árvore pequena ou arbusto.
Valor terapêutico: As folhas e a raiz têm propriedades sedativas.
Aplicam-se sobre as partes doloridas, nos casos de reumatismo.



segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

JAMBU (Wulffia stenoglossa) diurética.

JAMBU (Wulffia stenoglossa) diurética.

587 JAMBU (Wulffia stenoglossa)
Família: Compostas.
Sinonímia: Jamburana, craveiro-do-campo.
Características: Cipó. Folhas assaz ásperas.
Fruto: drupa suculenta, insípida.
Valor terapêutico: O jambu é uma planta diurética.