sábado, 30 de abril de 2016

MARACUJÁ-FEDORENTO (Passiflora foetida) para erisipela e dermatite.

MARACUJÁ-FEDORENTO (Passiflora foetida) para erisipela e dermatite.

689 MARACUJÁ-FEDORENTO (Passiflora foetida)
Família: Passifloráceas.
Sinonímia: Maracujá-de-estrada.
Característica: Planta trepadeira.
Valor terapêutico: Usa-se, em cataplasmas e banhos, nos casos de
erisipela e dermatite.




sexta-feira, 29 de abril de 2016

MARACUJÁ DE-FOLHA-DE LOURO (Passiflora laurifolia)

MARACUJÁ DE-FOLHA-DE LOURO (Passiflora laurifolia)

688 MARACUJÁ DE-FOLHA-DE LOURO (Passiflora laurifolia)
Família Passifloráceas.
Características: Planta trepadeira.
Folhas arredondadas.
Fruto alongado, amarelo-claro.
Esta espécie se destingue pelo fato de que toda a casca se desprende, permanecendo uma película branca que envolve as sementes.
Habitat: É comum nos Estados do Norte, especialmente no Amazonas.
Valor terapêutico: As folhas, em infusão, são eupépticas,
adstringentes e emenagogas.



quinta-feira, 28 de abril de 2016

MARACUJÁ-CHEIROSO (Passiflora sicyoides) no tratamento da gota.

MARACUJÁ-CHEIROSO (Passiflora sicyoides) no tratamento da gota.

686 MARACUJÁ-CHEIROSO (Passiflora sicyoides)
Família: Passifloráceas.
Característica: Planta trepadeira.
Valor terapêutico: O decocto quente das folhas, em banhos,
é útil no tratamento da gota.


MARACUJÁ-DA-BAHIA (Passiflora bahiensis)

687 MARACUJÁ-DA-BAHIA (Passiflora bahiensis)
Família: Passifloráceas.
Característica: Planta trepadeira.
Valor terapêutico: O decocto quente das folhas, em banhos,
é útil para combater a gota.
As sementes são antelmínticas.



quarta-feira, 27 de abril de 2016

MARACUJÁ-BRANCO (Passiflora capsularis)

MARACUJÁ-BRANCO (Passiflora capsularis)

685 MARACUJÁ-BRANCO (Passiflora capsularis)
Família: Passifloráceas.
Características: Planta trepadeira.
Folhas bilobadas, verdes, com uma lista branca.
Flores brancas.
Fruto alongado e hexagonal.
Habitat: Rio de Janeiro e outros Estados.
Valor terapêutico: O decocto da raiz é emenagogo.



terça-feira, 26 de abril de 2016

MARACUJÁ-AÇU (Passiflora quadrangularis) Provoca um sono natural

MARACUJÁ-AÇU (Passiflora quadrangularis) Provoca um sono natural

684 MARACUJÁ-AÇU (Passiflora quadrangularis)
Família: Passifloráceas.
Sinonímia: Maracujá-silvestre, maracujá-guaçu, maracujá-suspiro, grenadilha.
Outros idiomas: Martírio, flor-da-paixão, passiflora (Portugal), Bar-badine, Grenadille, Couzou (Guiana Francesa), Pasionaria, Granadilla (Argentina), Passion-flower (Inglaterra), Passionsblume (Alemanha).
Características: Trepadeira que cresce geralmente ao pé das árvores e dos arbustos.
Caule quadrangular.
Grandes folhas alternas, inteiras, elípticas e até ovais; muito largas no terço inferior quando se trata de folhas velhas.
Flores grandes, solitárias, de cálice verde por fora e branco por dentro, as quais se abrem pela manhã, formando uma grande taça, e se fecham ao escurecer.
Habitat: Comum por toda a parte.
Valor terapêutico: O infuso das folhas do maracujá-açu é recomendado nos seguintes casos: alcoolismo crônico, asma, bronquite, coqueluche, convulsão infantil, delirium tremens, diarréia, disenteria, dor de cabeça nervosa, vermes intestinais.
É também apregoado como diurético e desinfetante das vias urinárias.
Disse o Dr. L. Phares, de Neutonia: "nunca vi coisa que atuasse tão prontamente nas erisipelas.
Receitei-o com vantagens nas úlceras, nas nevralgias e no tétano"
Esta planta é, outrossim, um antiespasmódico e calmante de primeira ordem, podendo empregar-se nas crises nervosas e neurastêni-cas; também nas insônias, palpitações e tosses de origem nervosa.
Tem, igualmente, ação anafrodisíaca.
Exprime-se o Dr. Alberto Seabra sobre esta passiflorácea:
"É hoje mundialmente conhecida e usada só ou combinada em diferentes
fórmulas, por quase todos os laboratórios, e com nomes diversos.
Provoca um sono natural, sem produzir depressão nervosa, sendo por isso bem indicado nas insônias de qualquer natureza. O doente, sob sua ação, conserva integralmente a lucidez, e a faculdade de pensar, falar e agir, mantendo-se em boa disposição até o momento de adormecer.
Seu uso contínuo, se necessário, não tem inconvenientes, pois não é tóxica nem vicia o organismo.
Deve ser recomendada em todas as excitações nervosas, histerismo, neurastenia e nos casos de depressão por preocupação e idéia fixa."
A raiz é tenífuga, porém, em alta dose, é vomitiva e venenosa.
Em loções ou cataplasmas, as folhas são vulnerárias: usam-se para curar feridas.
O fruto é diurético, depurativo do sangue e estomáquico.
Aproveita-se o suco nas inflamações e debilidades do estômago e intestino.





segunda-feira, 25 de abril de 2016

MAPÃ (Hippomane brasiliensis) curar feridas

MAPÃ (Hippomane brasiliensis) curar feridas

683 MAPÃ (Hippomane brasiliensis)
Família: Euforbiáceas.
Característica: Árvore alta.
Habitat: Amazônia.
Valor terapêutico: O látex que se obtém dessa árvore é bom para
curar feridas e boubas.



domingo, 24 de abril de 2016

MÃO-DE-ONÇA (Marcgravia coriacea) para combater o reumatismo

MÃO-DE-ONÇA (Marcgravia coriacea) para combater o reumatismo

682 MÃO-DE-ONÇA (Marcgravia coriacea)
Família: Margraviáceas.
Característica: Planta epífita.
Habitat: Nos troncos de árvore, nas margens dos rios.
Valor terapêutico: O caule e as folhas são úteis para combater o reumatismo
e o defluxo.



sábado, 23 de abril de 2016

MANJERONA-DO-CAMPO (Glechon spathulata) Diaforético

MANJERONA-DO-CAMPO (Glechon spathulata) Diaforético

681 MANJERONA-DO-CAMPO (Glechon spathulata)
Família: Labiadas.
Sinonímia: Amáraco, manjerona.
Características: Planta herbácea, indígena.
Habitat: Medra no Rio Grande do Sul.
Valor terapêutico: É conhecida por suas propriedades diaforéticas e béquicas.
(Diaforético: Sudorífico, que provoca a transpiração.)


sexta-feira, 22 de abril de 2016

MANJERONA (Origanum majorana, Majorana hortensis) ajuda a digestão

MANJERONA (Origanum majorana, Majorana hortensis) ajuda a digestão

680 MANJERONA (Origanum majorana, Majorana hortensis)
Família: Labiadas.
Sinonímia: Flor-de-himeneu.
Características: Planta herbácea, em forma de touceira.
Seus ramos, que são finos, se estendem, elevando as pontas.
Pequenas folhas opostas, ovais, esbranquiçadas, empubescidas.
Florezinhas alvas.
Fruto parecido com o do manjericão.
Muito usado como condimento.
Valor terapêutico: A manjerona machucada, misturada, com gordura vegetal, é boa para combater catarros nasais das crianças, untan-do-se-lhes o nariz várias vezes ao dia.
A mesma pomada, aplicada sobre o ventre das crianças, acalma as cólicas intestinais e afugenta os gases que produzem o inchaço do ventre.
Banhos quentes com folhas de manjerona, são bons contra a debilidade dos músculos e dos nervos.
A manjerona como condimento estimula o apetite, ajuda a digestão,
combate as cólicas, e presta bons seviços nos casos de debilidade do estômago,
dispepsia atônica, arrotos.
Nas feridas, contusões, queimaduras, tumores, etc., empregam-se cataplasmas de manjerona fresca, cozida.
Nos mesmos casos podem, também, usar-se compressas.
Um chá preparado na dose de 10 gramas de manjerona para 1 litro de água, em infusão, 3 a 4 xícaras ao dia, age como sudorífico e é bom para combater o histerismo, bem como a incontinência dos instintos sexuais, e ninfomania, etc.
As folhas frescas, machucadas, e aplicadas em forma de cataplasmas, topicamente, acalmam as dores reumáticas.
Os banhos quentes, com folhas de manjerona, também dão bons resultados.
Parte usada: Toda a planta.





quinta-feira, 21 de abril de 2016

MANICÁ (Rutilia fertilis) contra a tosse

MANICÁ (Rutilia fertilis) contra a tosse

679 MANICÁ (Rutilia fertilis)
Família: Acantáceas.
Características: Planta herbácea.
Folhas lanceoladas, opostas.
Flores semelhantes a pequenas trombetas, roxo-azuladas.
Habitat: Estados do Nordeste.
Valor terapêutico: Emprega-se o decocto contra a tosse, a coriza e os resfriados.



quarta-feira, 20 de abril de 2016

MANGUE-VERMELHO (Rhizofora mangle) contra as diarréias

MANGUE-VERMELHO (Rhizofora mangle) contra as diarréias

678 MANGUE-VERMELHO (Rhizofora mangle)
Família: Rizoforáceas.
Sinonímia: Mangue-verdadeiro, mangue-de-sapateiro, mangue-de-pendão, mangue-preto, guarapari, guaparaíba, canaponga, mapareíba, mangueiro (Amazônia).
Outro idioma: Red mangrove (Inglaterra).
Características: Árvore pequena, cujas raízes adventícias arqueadas, formando verdadeiros castiçais, firmam-lhe o tronco e garantem-Ihe o equilíbrio necessário para resistir ao ímpeto das ondas da maré alta.
As raízes nascem no tronco aéreo, crescem inicialmente em direção horizontal, mas curvam-se depois para baixo e penetram no lodo.
Folhas simples, inteiras, opostas, elíptico-ovais, espessas, coriáceas, revestidas duma epiderme grossa, suberosa e lustrosa.
Flores pequenas, esverdeadas, radiadas.
Inflorescência em pequenas pseudo-umbe-las axilares.
Fruto: baga indeiscente.
Habitat: Nos pântanos salobros e salgados, nas zonas litorâneas.
Valor terapêutico: A casca é usada contra as diarréias, disenterias, hemorragias, leucorréias.
Parte usada: Casca, em decocção.
Dose: 20 gramas para 1 litro de àgua; 4 a 5 xícaras por dia.




terça-feira, 19 de abril de 2016

MANGUERANA (Tovomita brasiliensis) contra o reumatismo articular.

MANGUERANA (Tovomita brasiliensis) contra o reumatismo articular.

677 MANGUERANA (Tovomita brasiliensis)
Família: Gutiferáceas ou gutíferas.
Sinonímia: Paxiubarana, paxiubarana-miúda.
Característica: Árvore média.
Valor terapêutico: O infuso das flores é adstringente:
aplica-se contra as diarréias.
O óleo do fruto, em fricções, é bom contra o reumatismo articular.



segunda-feira, 18 de abril de 2016

MANGOSTA (Garcinia mangostana)

MANGOSTA (Garcinia mangostana)

676 MANGOSTA (Garcinia mangostana)
Família: Gutíferas (ou Gutiferáceas).
Sinonímia: Mangostão.
Características: Árvore.
Folhas grandes, verde-brilhantes.
Flores parecidas com as da roseira.
Fruto quase tão grande como uma laranja, de casca grossa, com polpa envolvendo sementes.
Valor terapêutico: O suco do delicioso fruto da mangosta é adstringente.
As folhas, em infusão, também são adstringentes,
além de serem estomáquicas e antiescorbúticas.



domingo, 17 de abril de 2016

MANGABA-BRAVA na icterícia, e também nas dermatoses.

MANGABA-BRAVA na icterícia, e também nas dermatoses.

675 MANGABA-BRAVA (Hancornia pubescens)
Família: Apocináceas.
Sinonímia: Mangabeira-brava.
Características: Árvore ou arbusto copado.
Folhas grossas.
Fruto cilíndrico, amarelo.
Valor terapêutico: O extrato amargo da casca ê útil nas obstruções do fígado,
especialmente na icterícia, e também nas dermatoses.



sábado, 16 de abril de 2016

MANDACARU (Cereus Hildemannianus) nos tumores glandulares.

MANDACARU (Cereus Hildemannianus) nos tumores glandulares.

674 MANDACARU (Cereus Hildemannianus)
Família: Cactáceas.
Sinonímia: Jaramacaru, jamacaru (há também outras cactáceas com esses nomes).
Características: Caule hexagonal, quase sem espinhos, com aréolas lanosas.
Flores grandes, tubifloras, brancas.
Esta é a espécie mais alta de todas as cactáceas.
Valor terapêutico: É bom remédio contra o escorbuto.
Externamente, aplica-se como resolutivo nos tumores glandulares.



sexta-feira, 15 de abril de 2016

MANACÁ-ANACONDA (Durantia bicolor)

MANACÁ-ANACONDA (Durantia bicolor)

673 MANACÁ-ANACONDA (Durantia bicolor)
Família: Verbenáceas.
Sinonímia: Flor-de-natal, santa-maria.
Características: Arbusto.
Caule erecto.
Folhas elípticas.
Flores bicolores: brancas e arroxeadas.
Fruto: pequena baga, redonda, contendo uma pequena noz.
Valor terapêutico: O decocto da raiz é útil na blenorragia, na sífilis,
no reumatismo e nas afecções do útero.
A raiz é, também, purgativa.



quinta-feira, 14 de abril de 2016

MANACÁ (Brunfelsia Hopeana, Brunfelsia latifolia) anti-sifilltico

MANACÁ (Brunfelsia Hopeana, Brunfelsia latifolia) anti-sifilltico

672 MANACÁ (Brunfelsia Hopeana, Brunfelsia latifolia)
Família: Solanáceas.
Sinonímia: Jeratacâ, jeratacaca, cangambâ, caá-gambá, eratataca, managá, manacã, mercúrio-vegetal.
Características: Arbusto.
Folhas ovais, algo alongadas, opostas.
Flores isoladas, azul-arroxeadas ou violáceas no começo e brancas no fim; perfume penetrante.
Fruto: Cápsula mole, bivalve, com muitas sementes no interior.
Valor terapêutico: É anti-sifilltico, anti-reumático, diurético, emenagogo,
purgativo.
Em dose elevada é venenoso, dando coceira na pele, vômito, febre, letargia, etc.
Parte usada: Raiz, em decocção.
Dose: 10 a 12 gramas para 1 litro de água; duas xícaras de chá por dia.



quarta-feira, 13 de abril de 2016

MAMOTA para curar feridas e hidropisia.

MAMOTA para curar feridas e hidropisia.

671 MAMOTA (Carica dodecaphylla, Carica spinosa, Jaracatia dodecaphyüa, Papaya dodecaphylla)
Família: Caricáceas.
Sinonímia: Jacaratiá, mamão-bravo, carica-de-doze-folhas.
Características: Árvore de tronco aculeado, com ramos horizontais.
Folhagem miúda, lactífera.
Configuração e frutificação semelhantes às do mamoeiro. A mamota é muito saborosa.
Habitat: Do Sul ao Norte do País.
Valor terapêutico: O suco leitoso é bom para combater a hidropisia.
Usa-se igualmente, em cataplasmas, para curar feridas.




terça-feira, 12 de abril de 2016

MAMONA (Ricinus communis) As sementes são tóxicas.

MAMONA (Ricinus communis) As sementes são tóxicas.

670 MAMONA (Ricinus communis)
Família: Euforbiáceas.
Sinonímia: Rícino, carrapateiro, palma-cristo.
Características: A mamona, quando nova, é uma planta herbácea que se lignifica com a idade, assumindo o aspecto de uma árvore pequena e muito esgalhada.
O caule é herbáceo e oco enquanto novo, mas se lignifica com o tempo tornando-se sólido.
As folhas são grandes, alternas, longipecioladas, digitato-lobadas, denteadas.
As flores são monóicas, formando grandes cachos erectos. O fruto é uma cápsula espinhosa, trilocular, contendo cada loja uma semente que lembra o aspecto de um carrapato.
Valor terapêutico:
Das sementes, limpas das cascas, se obtém um óleo de efeito purgativo.
O mesmo azeite também se presta para combater os vermes intestinais.
As sementes são tóxicas. "Vinte delas, ingeridas por um adulto,
geralmente lhe aduzem a morte.
Seis a sete já liquidam com uma criança."
F. C. Hoehne, Plantas e Substâncias Vegetais Tóxicas e Medicinais, pág. 180.
Parte usada: O azeite extraído das sementes.
Dose: Adulto duas colheres das de sopa.
As sementes são tóxicas.





segunda-feira, 11 de abril de 2016

MAMÂO-BRAVO (Jaracatia spinosa) drástico e hidragogo.

MAMÂO-BRAVO (Jaracatia spinosa) drástico e hidragogo.

669 MAMÂO-BRAVO (Jaracatia spinosa)
Família: Caricáceas.
Sinonímia: Mamão-do-mato, mamão-rana, chamburu.
Características: Árvore média.
Madeira branca, esponjosa.
Casca avermelhada, lisa, coberta de acúleos.
Fruto amarelo, liso, ovóide.
dotado de sulcos longitudinais.
Sendo bem maduro, e esgotado o suco leitoso da casca,
por meio de incisões, o mamão-bravo é inofensivo, podendo ser usado
na preparação de compotas.
Habitat: Amazônia.
Valor terapêutico: O suco do fruto é drástico e hidragogo.



domingo, 10 de abril de 2016

MALVAÍSCO (Sida micrantha) xarope contra as bronquites.

MALVAÍSCO (Sida micrantha) xarope contra as bronquites.

667 MALVAÍSCO (Sida micrantha)
Família: Malváceas.
Sinonímia: Vassourinha-de-flor-miúda.
Características: Arbusto que se presta para fazer vassouras e de cujo caule se extrai uma fibra têxtil.
Valor terapêutico: Das folhas prepara-se um xarope contra as bronquites.


MALVAÍSCO-DO-SUL (Sphaeralcea cisplatina)

668 MALVAÍSCO-DO-SUL (Sphaeralcea cisplatina)
Família: Malváceas.
Sinonímia: Malvaísco-do-rio-grande-do-sul, malvaísco-do-rio-da-prata.
Características: Arbusto de caule erecto, pouco esgalhado.
Folhas ovais, trilobadas.
Flores em cachos.
As folhas tenras são comestíveis.
Habitat: Medra no Rio Grande do Sul.
Valor terapêutico: Os ramos tenros e as folhas novas têm virtudes
emolientes e béquicas.
As flores são também béquicas.



sábado, 9 de abril de 2016

MALVA-RELOGINHO põem-se sobre picadas de vespas e abelhas

MALVA-RELOGINHO põem-se sobre picadas de vespas e abelhas

665 MALVA-RELOGINHO (Sida acuta, var. carpinifolia)
Família: Malváceas.
Sinonímia: Tupixá, vassoura, sida.
Características: Arbusto pequeno, muito esgalhado.
Folhas pecio-ladas, alternas, oval-oblongas, serreadas.
Flores amarelas, axilares.
Sul.
Valor terapêutico: £ uma planta emoliente e tem aplicação nos casos de bronquite, tosse, tuberculose.
As folhas verdes, machucadas, põem-se sobre picadas de vespas e abelhas,
para aliviar a dor.


MALVA-RELÓGIO-GRANDE (Sida rhombifolia, var. guianensis)

666 MALVA-RELÓGIO-GRANDE (Sida rhombifolia, var. guianensis)
Família: Malváceas.
Sinonímia: Malva-da-praia (Belém), uacima-da-praia, vassourinha.
Características: Arbusto.
Folhas oblongas, lanceoladas, serreadas, verde-claras.
Flores amarelo-claras, longipediceladas.
Habitat: Nas margens dos rios e nas barreiras.
Valor terapêutico: Tem as mesmas aplicações que a malva-preta.



sexta-feira, 8 de abril de 2016

MALVA-LANCETA (Sida spinosa) nos casos de bronquite e coriza.

MALVA-LANCETA (Sida spinosa) nos casos de bronquite e coriza.

663 MALVA-LANCETA (Sida spinosa)
Família: Malváceas.
Sinonímia: Sida-de-espinhos.
Características: Planta herbácea.
Folhas oval-lanceoladas, estreitas, serreadas, verde-esbranquiçadas.
Valor terapêutico: As folhas e as flores, em decocção e em cata-plasmas, são emolientes, e, pois, úteis contra as inflamações.
Em clisteres, aplica-se o decocto contra os tenesmos.
Em forma de chás, usa-se nos casos de bronquite e coriza.


MALVA-PRETA (Sida rhombifolia, var. canariensis e subtomen-tosa)

664 MALVA-PRETA (Sida rhombifolia, var. canariensis e subtomen-tosa)
Família: Malváceas.
Sinonímia: Vassoura, vassourinha.
Características: Arbusto.
Ramos avermelhados, aveludados.
Folhas oval-oblongas, viscosas.
Flores amarelas, com a base das pétalas vermelho-arroxeada, em cachos.
Fruto: cápsula com muitas sementes.
Serve para fazer vassouras.
Habitat: Em terrenos abandonados, estéreis.
Valor terapêutico: As folhas, em infusão, são empregadas nas cardiopatias
e no catarro pulmonar.
São também usadas como emolientes.



quinta-feira, 7 de abril de 2016

MALVA DE FOLHAS-REDONDAS (Malva rotundifolia)

MALVA DE FOLHAS-REDONDAS (Malva rotundifolia)

662 MALVA DE FOLHAS-REDONDAS (Malva rotundifolia)
Família: Malváceas.
Sinonímia: Malva-pequena, erva-de-são-simão.
Características: Planta herbácea.
Os frutos frescos são comestíveis.
Habitat: É comum nos campos.
Valor terapêutico: As folhas são emolientes. O infuso das folhas é peitoral.



quarta-feira, 6 de abril de 2016

MALVA BRANCA (Sida cordifolia)

MALVA BRANCA (Sida cordifolia)

660 MALVA BRANCA (Sida cordifolia)
Família: Malváceas.
Sinonímia: Malva-branca-sedosa (Rio Tapajós).
Características: Arbusto de até 2 metros de altura.
Folhas verde-çlaras, cordiformes, serreadas, oval-alongadas, tomentosas.
Flores pe-dunculadas, dispostas em racemos axilares ou terminais.
Planta muito robusta, que dá boas fibras para cordoaria, aniagem, tecidos, papel.
Habitat: Em quase todo o país.
Valor terapêutico: As folhas são tidas como emolientes.
Aplicam-se, mastigadas, sobre picaduras de vespas.
O decocto da raiz é empregado na blenorragia.
Uso externo.


MALVA-CAJUÇARA (Helicteres pentandra)

661 MALVA-CAJUÇARA (Helicteres pentandra)
Família: Esterculiáceas.
Sinonímia: Saca-trapo, uaicima, cajuçara.
Características: Arbusto alto, sem galhos.
Folhas espessas, cobertas de pêlos, castanho-esverdeadas por cima e verde-pardas por baixo.
Flores vermelho-violáceas.
Fruto helicoidal.
Valor terapêutico: As flores são peitorais e emolientes.



terça-feira, 5 de abril de 2016

MALVA para curar os catarros

MALVA para curar os catarros

659 MALVA (Malva sylvestris, Malva vulgaris, Malva hirsuta)
Família: Malváceas.
Sinonímia: Malva-grande, malva-verde, malva-de-botica, malva-sil-vestre.
Características: Planta herbácea.
Da raiz levantam-se diversas hastes cilíndricas, erectas, ramosas.
Folhas alternas, longipecioladas,
recortadas em 5 a 7 lobos pouco profundos, obtusos, de bordos ser-reados.
Flores róseas com estrias vermelhas, reunidas em cimeiras de 3 a 5 nas axilas das folhas.
Fruto deprimido, dotado de cálice persistente e composto de numerosos aquênios monospermos.
Valor terapêutico: As folhas e as flores da malva são béquicas, calmantes, emolientes.
As raízes também são emolientes.
A malva é um excelente remédio para curar os catarros de qualquer espécie.
Em gargarejos ou inalações, dá bom resultado nas enfermidades da garganta e ouvido.
Em fomentações, a infusão das folhas e flores é indicada contra as inflamações externas.
A malva substitui a altéia em todas as sua aplicações.
Partes usadas: Folhas, flores e raízes.
Dose: Folhas e raízes, normal; flores, 10 gramas para 1 litros de água; 4 a 5 xícaras por dia.
Para uso externo, adota-se dose dobrada.
Em compressas aplica-se a infusão desta planta sobre abscessos, furúnculos, etc.





segunda-feira, 4 de abril de 2016

MAL-ME QUER-DO-RIO GRANDE (Grindelia discoidea)

MAL-ME QUER-DO-RIO GRANDE (Grindelia discoidea)

658 MAL-ME QUER-DO-RIO GRANDE (Grindelia discoidea)
Família: Compostas.
Sinonímia: Girassol-do-mato.
Característica: Planta herbácea.
Habitat: Vegeta no Rio Grande do Sul.
Valor terapêutico: É uma planta estomáquica e emenagoga.



domingo, 3 de abril de 2016

MAL ME QUER DE BUENOS AIRES (Grindelia scorzonerifolia)

MAL ME QUER DE BUENOS AIRES (Grindelia scorzonerifolia)
Família: Compostas.

657 MAL ME QUER DE BUENOS AIRES (Grindelia scorzonerifolia)
Família: Compostas.
Característica: Planta herbácea.
Habitat: Estados do Sul.
Valor terapêutico: É estomáquica e emenagoga.



sábado, 2 de abril de 2016

MALAGUETA (Piper rubra) para combater a queda de cabelo.

MALAGUETA (Piper rubra) para combater a queda de cabelo.

656 MALAGUETA (Piper rubra, Capsicum baccatum, Capsicum pendulum, Capsicum conicum, Capsicum brasilianum)
Família: Solanáceas..
Sinonímia: Quinjá-apuà, pimenta-comarim-verdadeira, quiia-apuá, quau-chile.
Características: Arbusto bem esgalhado, de até 2 metros de altura.
Folhas alternas, ovais, agudas.
Flores brancas, esverdeadas.
Fruto em forma de fuso, de até 3 cm de comprimento, vermelho quando maduro, e muito ardido.
Sementes achatadas.
Valor terapêutico: O suco do fruto, misturado com farinha, serve como
enérgico sinapismo (cataplasma de efeito revulsivo) em casos de meningites
e congestões cerebrais, casos esses que, dada a sua gravidade, não podem ser tratados sem o médico.
O que interessa à medicina popular é que as folhas da malagueta,
machucadas e misturadas com azeite, são boas para rebentar tumores.
Aplicação tópica.
O suco da malagueta, misturado com óleo de rícino, é, outrossim,
indicado para combater a queda de cabelo.



sexta-feira, 1 de abril de 2016

MAGNÓLIA DE FLOR GRANDE é tônica e febrífuga.

MAGNÓLIA DE FLOR GRANDE é tônica e febrífuga.

654 MAGNÓLIA DE FLOR GRANDE (Magnolia grandiflora)
Família: Magnoliáceas.
Características: Árvore grande, muito ornamental.
Folhas brevipe-cioladas, inteiras, oblongo-lanceoladas, espessas, luzentes.
Lindas flores brancas, solitárias, enormes, no ápice dos ramos.
Valor terapêutico: A casca, em decoção, é tônica e febrífuga.



MAGNÓLIA DE-FLOR PEQUENA (Magnolia pumila)

655 MAGNÓLIA DE-FLOR PEQUENA (Magnolia pumila)
Família: Magnoliáceas.
Sinonímia: Magnólia-coco, magnólia-lírio.
Características: Arbusto de forma arredondada.
Folhas elípticas, coriáceas, pontiagudas.
Flores muito aromáticas, brancas.
Valor terapêutico: A casca, em decocção, é febrífuga e tônica.