domingo, 3 de julho de 2016

PARACARI nas dermatoses, eczemas

PARACARI nas dermatoses, eczemas

758 PARACARI (Peltodon radicans, Clinopodium repens, Stemodia viscosa)
Família: Labiadas.
Sinonímia: A planta que, em Monte Alegre, se chama paracari, é, em outras partes, chamada pelos seguintes nomes: mentrasto (Alagoas), meladinha (Pernambuco), erva-de-são-joão (Rio de Janeiro). Também é conhecida por hortelã-brava, hortelã-do-mato, hortelã-do-brasil, boicaá, poejo-rateiro, são-pedro-cão.
Características: Erva rasteira. Dá na areia seca.
Caule tetragonal.
Ramos opostos.
Folhas simples, opostas, ovais, agudas.
Cheira em parte a hortelã e em parte a erva-cidreira.
Flores arroxeadas, axilares, dispostas em calátides ou corimbos.
Toda a planta exsuda um suco leitoso.
Usa-se como condimento.
Seca, tem um cheiro agradável, pelo que se coloca entre a roupa para guardá-la das traças.
Habitat: Na areia seca.
Valor terapêutico: É uma planta carminativa, diurética e peitoral.
Emprega-se nos casos de asma, catarro pulmonar, coqueluche.
Usa-se também, em dose bem mais forte, contra mordeduras venenosas.
Tem aplicação, igualmente, nas dermatoses, eczemas, impigens, tinha.
Partes usadas: Talos e folhas.
Dose: 20 gramas para 1 litro de água; 4 a 5 xícaras por dia.




Nenhum comentário:

Postar um comentário